Acompanhe:

Número ruim do varejo afetará PIB do 4º trimestre, diz ABC

A expectativa de alta de 0,10% no PIB do último trimestre de 2013 na margem pode ser revista e o banco não descarta um resultado negativo

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Homem fazendo compras em um supermercado: o varejo teve pior resultado em 2013 em 10 anos, segundo o IBGE
 (Marcos Issa/Bloomberg)

Homem fazendo compras em um supermercado: o varejo teve pior resultado em 2013 em 10 anos, segundo o IBGE (Marcos Issa/Bloomberg)

B
Beatriz Bulla

Publicado em 13 de fevereiro de 2014 às, 11h03.

São Paulo - A surpresa negativa no resultado das vendas no varejo em 2013, divulgado nesta quinta-feira, 13, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), deve fazer com que o Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre venha mais fraco do que o esperado, afirmou o economista-chefe do banco ABC Brasil, Luis Otávio Leal.

"O resultado do varejo ampliado foi muito ruim e é o usado para fazer as projeções. Sem dúvida, vai causar uma revisão razoável no Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) e, consequentemente, afetar a expectativa do PIB do quarto trimestre", disse o economista.

A expectativa de alta de 0,10% no PIB do último trimestre de 2013 na margem pode ser revista e o economista não descarta um resultado negativo. "Isso significaria uma recessão técnica, com dois trimestres seguidos de queda", apontou Leal.

No terceiro trimestre, o PIB brasileiro caiu 0,5% na comparação com o segundo. "Depois de quedas de 3,5% na produção industrial e 1,5% no varejo ampliado, é difícil ficar otimista", disse Leal, em referência aos dados de comparação de dezembro ante novembro.

O economista-chefe do ABC Brasil destacou que o mais surpreendente foi o resultado ruim do varejo na comparação anual, principalmente no ampliado, que engloba veículos e materiais de construção.

"Por causa das medidas de incentivo, como a redução do IPI, os dados são mais difíceis de projetar porque há um deslocamento de demanda. Mas dessa vez o dado na comparação anual também veio muito ruim. Então não foi um problema de sazonalização", comentou, destacando as vendas de veículos e de móveis e eletrodomésticos como resultados que chamam a atenção porque estão ligados a incentivos do governo.

O que mais surpreendeu, de acordo com ele, foi a queda de 3,4% nas vendas de veículos em dezembro, de acordo com o IBGE. "Se em dezembro os dados que tínhamos de veículos eram bons e no varejo do IBGE vieram ruins, imagine em janeiro, mês em que os dados já se apresentaram ruins", comentou.

A projeção do economista para o PIB de 2013 é 2,10%, o que não deve ter uma grande alteração mesmo se a atividade do quarto trimestre vier mais fraca do que o esperado. "A diferença será para 2014, com o carrego estatístico. Quanto pior o dado do quarto trimestre, pior será o PIB de 2014."

Últimas Notícias

Ver mais
Haddad comandará G20 e debaterá dívida global, crescimento sustentável e tributação internacional
Economia

Haddad comandará G20 e debaterá dívida global, crescimento sustentável e tributação internacional

Há 3 horas

Galípolo: sem alteração de meta fiscal ou se mudança for pequena mercado tende a reagir bem
Economia

Galípolo: sem alteração de meta fiscal ou se mudança for pequena mercado tende a reagir bem

Há 6 horas

Haddad lidera primeira reunião do G20 com ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais
Economia

Haddad lidera primeira reunião do G20 com ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais

Há 6 horas

Estoques de petróleo nos EUA crescem 3,514 milhões de barris, revela DoE
Economia

Estoques de petróleo nos EUA crescem 3,514 milhões de barris, revela DoE

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais