Acompanhe:

A transformação no setor elétrico da China está a todo vapor

Até 2020, o país planeja investir US$ 360 bilhões para ampliar a participação das renováveis na sua matriz energética

Modo escuro

Continua após a publicidade
Instalação de painéis solares na China. (VCG)

Instalação de painéis solares na China. (VCG)

V
Vanessa Barbosa

Publicado em 7 de março de 2017 às, 11h42.

São Paulo - A transformação da matriz energética chinesa avançou a passos largos no ano passado. O país alcançou um novo recorde mundial em energia solar, com 33,2 gigawatts (GW) instalados – o dobro do recorde anterior, também chinês, de 15 GW instalados em 2015.

Até 2020, a China planeja investir US$ 360 bilhões para ampliar a participação das renováveis na sua matriz energética, impulsionando novos empregos e o desenvolvimento tecnológico. Os dados são do Comunicado Estatístico de 2016 sobre Desenvolvimento Econômico e Social do Escritório Nacional de  Estatísticas e foram divulgados pelo Institute for Energy Economics and Financial Analysis (IEEFA).

Em energia eólica, o país instalou 17,3 GW em 2016, um crescimento de 19% para fonte, que atingiu total de 211 terawatts-hora (TWh). Em termos de geração de energia eólica em alto mar (offshore), a análise coloca o Shanghai Electric Wind Power Equipment (Sewind) como o maior desenvolvedor de 2016 em todo o mundo, comissionando 489 MW de nova capacidade.

Em um sinal promissor do futuro de baixo carbono chinês , a demanda de energia do país tem se desvinculado da atividade econômica: o consumo total de energia em 2016 cresceu apenas 1,4%, contra 6,7% do PIB.

Tão notável quanto é o recuo recorde no consumo de carvão de 9,0%, para 3,410 milhões de toneladas (Mt) em 2016. De 2013 até o ano passado, a China adicionou um total de 200 GW de geração de eletricidade a carvão, que hoje estão parcialmente ociosos.

"O carvão é o maior perdedor no mercado de energia chinês. Pelo terceiro ano consecutivo, a produção e o consumo caíram, enquanto a taxa de utilização dos geradores a carvão caiu para 47,5%, o mais baixo de todos os tempos", analisa em nota Tim Buckley, diretor de Estudos de Finanças Energéticas do Institute for Energy Economics and Financial Analysis (IEEFA). A transformação no setor elétrico da China está a todo vapor.

 

Últimas Notícias

Ver mais
China se opõe a qualquer ação que aumente ainda mais a tensão no Oriente Médio, diz porta-voz
Mundo

China se opõe a qualquer ação que aumente ainda mais a tensão no Oriente Médio, diz porta-voz

Há 12 horas

Em 1ª privatização do governo Tarcísio, Emae é vendida por R$ 1 bilhão para fundo Phoenix
Economia

Em 1ª privatização do governo Tarcísio, Emae é vendida por R$ 1 bilhão para fundo Phoenix

Há 13 horas

G7 mostra preocupação com 'políticas não mercantis' da China
Mundo

G7 mostra preocupação com 'políticas não mercantis' da China

Há 15 horas

Privatização da Emae, estatal de energia do governo de SP, acontece na B3 e é prévia da Sabesp
Economia

Privatização da Emae, estatal de energia do governo de SP, acontece na B3 e é prévia da Sabesp

Há 20 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais