Acompanhe:

A aparente irracionalidade da curva de juros

A tendência para as taxas gera debate, com alguns vendo exagero nos níveis atuais e outros apostando em mais pressão com a aproximação das eleições

Modo escuro

Continua após a publicidade
BC: “O mercado pode estar exagerando, mas existe um prêmio pela incerteza com o cenário eleitoral e o quadro fiscal” (Gustavo Gomes/Bloomberg)

BC: “O mercado pode estar exagerando, mas existe um prêmio pela incerteza com o cenário eleitoral e o quadro fiscal” (Gustavo Gomes/Bloomberg)

J
Josue Leonel, Patricia Lara e Vinícius Andrade, da Bloomberg

Publicado em 6 de novembro de 2017 às, 16h20.

São Paulo - Enquanto a Selic se encaminha para uma mínima histórica, a diferença entre as taxas de juros mais curtas e longas testa níveis máximos. Em meio a um quadro externo de aperto monetário nos EUA e fortalecimento do dólar, internamente as incertezas com o atraso da reforma da Previdência e as eleições de 2018 são apontadas como o fermento para a ponta longa dos juros. A tendência para as taxas gera debate, com alguns vendo exagero nos níveis atuais e outros apostando em mais pressão à medida que o ano da sucessão presidencial se aproxima.

“O mercado pode estar exagerando, mas existe um prêmio pela incerteza com o cenário eleitoral e o quadro fiscal”, diz Patrícia Pereira, gestora de renda fixa da Mongeral Aegon Investimentos. Segundo ela, havia a expectativa de uma mudança na Previdência após o presidente se defender das duas denúncias, mas a reforma ficou para escanteio.

O prêmio que o mercado vem exigindo nas taxas mais longas reflete de um lado o componente externo desfavorável para emergentes e, de outro, a redução das esperanças de uma reforma da Previdência à medida que o calendário eleitoral se aproxima, diz Rafael Ihara, economista da Ethica Asset Management. “Apesar de muitos falarem que não esperavam a reforma, havia alguma expectativa de que, após a segunda denúncia ser barrada, se conseguiria alguma coisa mínima. Mas o que entrou em jogo foi a eleição.”

Para o economista da Ethica Asset, existe uma “verdade inconveniente” das pesquisas eleitorais para o mercado. Por mais que alguns analistas políticos digam que as eleições ainda estão distantes e por isso as pesquisas não são informativas, Ihara observa que as pesquisas mostram um “sinal de populismo”, o que seria negativo para um país com “situação fiscal gravíssima".

Os fatores que impulsionam o aumento da inclinação da curva de juros são a incerteza eleitoral e em relação à agenda econômica do novo governo, mais especificamente, a parte fiscal, diz Antônio Madeira, economista-chefe da MCM Consultores Associados. “Quadro ainda não indica reversão desse movimento de alta para inclinação da curva de juros", diz. Ele acredita que os prêmios tendem a se reduzir caso ocorra definição de um candidato reformista.

Para Paulo Nepomuceno, estrategista de renda fixa da Coinvalores, a curva de juros deve ficar empinada por mais algum tempo, o que só será resolvido quando o mercado souber que a política fiscal vai ser controlada.

Gráfico da Bloomberg

Últimas Notícias

Ver mais
Governo registra superávit de R$ 79,3 bilhões em janeiro
Economia

Governo registra superávit de R$ 79,3 bilhões em janeiro

Há 15 horas

Governo aprova nova queda de juros do empréstimo consignado para beneficiários do INSS
Economia

Governo aprova nova queda de juros do empréstimo consignado para beneficiários do INSS

Há 16 horas

Eleições podem afetar Tributária, mas seria 'temerário' não cumprir calendário, diz relator
Brasil

Eleições podem afetar Tributária, mas seria 'temerário' não cumprir calendário, diz relator

Há 19 horas

Ainda há trabalho a fazer para baixar inflação, diz Campos Neto em reunião do G20
Economia

Ainda há trabalho a fazer para baixar inflação, diz Campos Neto em reunião do G20

Há 20 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais