• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

1 em cada 3 brasileiros acha que a economia vai melhorar até o fim do ano

Pesquisa EXAME/IDEIA aponta que o otimismo com a economia é maior nos grupos que apoiam o presidente Jair Bolsonaro, mas é pior que em países onde a vacinação está mais acelerada
 (Fotos Públicas/Roberto Parizotti)
(Fotos Públicas/Roberto Parizotti)
Por Gilson Garrett JrPublicado em 19/07/2021 06:00 | Última atualização em 19/07/2021 07:15Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Após um primeiro semestre com a vacinação lenta e muitas atividades econômicas fechadas, uma em cada três pessoas acredita que a situação econômica vai melhorar até o fim do ano, de acordo com a mais recente pesquisa EXAME/IDEIA,

A retomada das atividades fez com que o Ministério da Economia tenha elevado, nesta semana, a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,5% para 5,3% em 2021.

A pesquisa EXAME/IDEIA ouviu 1.258 pessoas entre os dias 12 a 15 de julho. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. A sondagem é um projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. Clique aqui para ler o relatório completo.

(Arte/Exame)

Maurício Moura, fundador do IDEIA, explica que o otimismo em relação à economia nos próximos meses é maior nos grupos que apoiam o presidente Jair Bolsonaro. Na região Centro-Oeste, que historicamente garante bons índices de avaliação do governo, 47% das pessoas acham que a situação vai melhorar.

Apesar do sentimento positivo, Moura pontua que comparando com outros países, em que o ritmo de vacinação está mais acelerado, o sentimento brasileiro é pior. "A sensação sobre a perspectiva econômica é bastante difusa e correlacionada com a avaliação de popularidade presidencial. Todavia, comparado com dados internacionais, podemos afirmar que a opinião pública brasileira é mais pessimista", avalia.

Também é de um terço a população que acha que a renda vai aumentar nos próximos meses, em decorrência do crescimento da circulação das pessoas. Essa sensação sobe acompanhando a faixa de renda. Na parcela da população que ganha entre três e cinco salários mínimos, a expectativa de melhora na renda chega a 41%. Nas classes D e E é de 24%.

(Arte/Exame)

Crescimento econômico depende da vacinação

Assim como vimos em outros países, como na própria China, que cresceu 7,9% no segundo trimestre de 2021, a imunização coletiva é fundamental para a volta de atividades econômicas e o crescimento. Para 59% dos brasileiros, o ritmo de imunização aumentou nos últimos 30 dias.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 32 milhões de pessoas já receberam as duas doses da vacina contra a covid-19 - ou de dose única - e estão totalmente protegidas. Este valor é a soma dos 26 estados mais o Distrito Federal e equivale a 15% da população brasileira.

Desde janeiro, o governo federal distribuiu mais de 158 milhões de doses e tem a previsão de receber neste segundo semestre o restante das 600 milhões de doses contratadas dos laboratórios e do consórcio de vacinas da Organização Mundial da Saúde.

Na previsão do coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19 de São Paulo, João Gabbardo, até o fim de setembro a doença estará controlada no estado e em boa parte do país.

“Ao final do mês de setembro, com 86% da população do estado vacinada, teremos o controle da pandemia. A partir daí, poderemos liberar mais atividades e que hoje não há essa possibilidade”, disse ele em entrevista coletiva na quarta-feira, 14.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.