Acompanhe:

FTX recebe aporte bilionário, quebra recorde e quer comprar Goldman Sachs

Corretora de criptoativos é avaliada em quase 100 bilhões de reais em rodada de investimento e CEO sonha alto com aquisições

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Chesnot/Getty Images)

(Chesnot/Getty Images)

L
Lucas Josa

Publicado em 20 de julho de 2021 às, 18h24.

Última atualização em 20 de julho de 2021 às, 18h25.

Fundada por Sam Bankman-Fried, a FTX, uma das maiores corretoras de criptoativos do mundo, anunciou o resultado de sua última rodada de investimentos, que levantou 900 milhões de dólares e avaliou a empresa em 18 bilhões de dólares - ou quase 100 bilhões de reais.

Com o objetivo de aumentar e desenvolver as relações da companhia com grandes empresas e expandir o alcance dos negócios da FTX além do horizonte dos criptoativos, a nova rodada de investimentos da corretora contou com a participação de mais de 60 investidores, incluindo grandes nomes como Softbank, Sequoia Capital, Paradigm, Alan Howard e a família de Paul Tudor Jones, um lendário investidor de Wall Street, que já demonstrou um grande interesse por esta classe de ativos.

A captação de quase 1 bilhão de dólares fez com que a FTX assumisse a primeira posição entre as maiores rodadas de investimento do setor de criptoativos, superando a rodada da Circle, que levantou o equivalente a 440 milhões de dólares.

De acordo com o comunicado oficial da companhia, a captação permitirá que a FTX expanda ainda mais sua oferta de produtos e aumente sua base de usuários, através de investimentos estratégicos e aquisições de outras empresas do setor, que podem contribuir para a expansão das linhas de negócio da companhia que vão além da corretora de criptoativos, como o FTX Pay.

“Estou extremamente emocionado com o apoio que recebemos. É nossa primeira grande captação de investimentos, mas por meio dela, formamos um conjunto de parceiros extremamente valioso... Estou animado para trabalhar com eles para fazer com que a FTX se torne a melhor empresa possível. Começamos como uma nova bolsa de derivativos há dois anos e esta rodada nos ajudará a continuar a construir uma visão maior e mais ampla do que a FTX pode se tornar”, disse Sam Bankman-Fried, CEO da FTX.

Planos ainda mais ambiciosos

Em uma entrevista recente concedida ao Financial Times, Sam Bankman-Fried, fundador e CEO da FTX, demonstrou um grande otimismo com a companhia, que pode crescer ainda mais com possíveis avanços em relação à regulamentação do mercado de criptoativos, afirmando que a aquisição de grandes players do mercado financeiro, como Goldman Sachs e CME Group podem fazer parte dos planos caso a FTX cresça o suficiente.

“Se formos a maior bolsa, [comprar Goldman ou CME] não está absolutamente fora de questão”, disse.

Além da FTX, outras corretoras de criptoativos anunciaram recentemente o resultado de suas mais recentes rodadas de investimento, que captaram milhões de dólares. No início do mês, o Mercado Bitcoin, uma das maiores corretoras de criptomoedas do Brasil, anunciou o resultado de mais uma rodada de investimentos, que avaliou a companhia em 2,1 bilhões de dólares e captou 200 milhões de dólares.

Últimas Notícias

Ver mais
Trump anuncia NFTs colecionáveis de si mesmo
Criptoativos

Trump anuncia NFTs colecionáveis de si mesmo

Há um ano

Criptomoedas: o que muda com a regulamentação das moedas virtuais aprovada pelo Congresso
Criptoativos

Criptomoedas: o que muda com a regulamentação das moedas virtuais aprovada pelo Congresso

Há um ano

Estado de Nova York proíbe 'mineração' de criptomoedas; entenda
Criptoativos

Estado de Nova York proíbe 'mineração' de criptomoedas; entenda

Há um ano

Mineradores de Bitcoin serão desligados da rede em caso de crise energética, diz União Europeia
Criptoativos

Mineradores de Bitcoin serão desligados da rede em caso de crise energética, diz União Europeia

Há um ano

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais