Milionário (do jeito errado) ainda mais rápido&

Você já assinou minha newsletter? Fique por dentro de meus artigos, vídeos e outras publicações. Cadastre-se clicando aqui. Falar que nossa economia está indo “ladeira abaixo” é algo que pode ser contestado (especialmente por aqueles ligados ao governo, que estão em estado de negação…). Afinal, tecnicamente falando, se considerarmos a taxa de juros, a inflação, o desemprego, o dólar… talvez seja mais apropriado falar que estamos “ladeira acima”… Na semana passada, a […] Leia mais
V
Você e o Dinheiro

Publicado em 20/10/2015 às 09:15.

Última atualização em 24/02/2017 às 07:52.

Você já assinou minha newsletter? Fique por dentro de meus artigos, vídeos e outras publicações. Cadastre-se clicando aqui.

Falar que nossa economia está indo “ladeira abaixo” é algo que pode ser contestado (especialmente por aqueles ligados ao governo, que estão em estado de negação…). Afinal, tecnicamente falando, se considerarmos a taxa de juros, a inflação, o desemprego, o dólar… talvez seja mais apropriado falar que estamos “ladeira acima”…

Na semana passada, a ANEFAC (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) publicou sua já tradicional pesquisa de juros e… bem, a coisa está ficando cada vez mais bizarra. Segundo a pesquisa, a taxa média do rotativo do cartão de crédito (a modalidade de crédito ao consumidor mais cara e, paradoxalmente, mais popular do Brasil) chegou a estonteantes 361,40% ao ano, ou 13,59% ao mês.

Como costumo comentar em minhas palestras e workshops, em tom de brincadeira (mas não é tão brincadeira assim…), taxas como essas, fora do Brasil, não são cobradas nem por agiotas ligados à máfia. Já aqui, na ilha da fantasia banhada pelas marolinhas econômicas, taxas assim são uma coisa normal, aceitável e… legal!

Há quase quatro anos (mais especificamente em 28/11/2011) eu publiquei, aqui no blog “Você e o Dinheiro”, um artigo chamado “De mil reais a um milhão em menos de seis anos”. No artigo, eu mencionava a taxa do rotativo do cartão de crédito que, na ocasião, era de já absurdos 238,40% ao ano, e brincava que o jeito mais rápido de ter “um milhão” era fazendo uma dívida de mil reais no cartão de crédito e “esquecendo-a”. Ela viraria uma dívida de um milhão de reais em cinco anos e oito meses.

No artigo, eu ainda fazia uma provocação, dizendo que, por ser um prazo superior a cinco anos, a dívida poderia acabar prescrevendo (se não fosse cobrada judicialmente), o que frustraria o plano de ver uma soma de sete dígitos no extrato bancário.

Porém, como diria o célebre empreendedor brasileiro, guru da administração e filósofo contemporâneo Seu Creysson, “seus problemas acabaram!”. Com a nova taxa média, o prazo para ficar “milionário” baixou para quatro anos e sete meses…

CreyssonEu não culpo as operadoras e as instituições financeiras pelas taxas de juros que elas praticam. Aliás, eu defendo uma tese de que “todo problema é um ‘problema de demanda’” (um dia vou escrever um artigo explicando isso melhor), mas eu não consigo deixar de ficar espantado cada vez que eu entro num site americano de comparação de taxas bancárias (como o Bankrate.com, o meu favorito) e vejo que, nos EUA, a taxa média do cartão de crédito está ao redor de 12% ao ano (você leu certo – AO ANO).

No artigo que eu escrevi em 2011, finalizei falando que o cartão de crédito é, a despeito dessa indecente taxa do crédito rotativo, uma excelente ferramenta financeira (se usada de forma responsável). Eu não “engulo” muito bem o argumento de que o cartão de crédito é um vilão das finanças e a vitimização do usuário de produtos financeiros. O rotativo do cartão é uma linha de crédito que deve ser usada, exclusivamente, em caso de emergências, e não como ferramenta de financiamento de fluxo de caixa no dia a dia.

Para as situações corriqueiras que exigem o uso do crédito, existem ferramentas mais adequadas. Utilizar o rotativo do cartão de crédito de forma habitual equivale a tentar apertar um parafuso usando um martelo – é, simplesmente, a ferramenta errada.

Quer receber atualizações desde blog e outros conteúdos por email? Assine minha newsletter clicando aqui.