• AALR3 R$ 19,90 1.07
  • AAPL34 R$ 72,20 -1.63
  • ABCB4 R$ 16,68 -1.48
  • ABEV3 R$ 14,61 -0.81
  • AERI3 R$ 3,92 0.77
  • AESB3 R$ 10,82 0.09
  • AGRO3 R$ 31,77 0.41
  • ALPA4 R$ 21,37 -0.56
  • ALSO3 R$ 19,61 -2.53
  • ALUP11 R$ 26,35 -0.04
  • AMAR3 R$ 2,45 0.41
  • AMBP3 R$ 31,61 4.29
  • AMER3 R$ 23,01 -0.04
  • AMZO34 R$ 69,76 -3.57
  • ANIM3 R$ 5,64 -1.23
  • ARZZ3 R$ 82,38 -0.47
  • ASAI3 R$ 15,61 -1.39
  • AZUL4 R$ 21,99 -0.90
  • B3SA3 R$ 11,61 -2.44
  • BBAS3 R$ 36,48 0.14
  • AALR3 R$ 19,90 1.07
  • AAPL34 R$ 72,20 -1.63
  • ABCB4 R$ 16,68 -1.48
  • ABEV3 R$ 14,61 -0.81
  • AERI3 R$ 3,92 0.77
  • AESB3 R$ 10,82 0.09
  • AGRO3 R$ 31,77 0.41
  • ALPA4 R$ 21,37 -0.56
  • ALSO3 R$ 19,61 -2.53
  • ALUP11 R$ 26,35 -0.04
  • AMAR3 R$ 2,45 0.41
  • AMBP3 R$ 31,61 4.29
  • AMER3 R$ 23,01 -0.04
  • AMZO34 R$ 69,76 -3.57
  • ANIM3 R$ 5,64 -1.23
  • ARZZ3 R$ 82,38 -0.47
  • ASAI3 R$ 15,61 -1.39
  • AZUL4 R$ 21,99 -0.90
  • B3SA3 R$ 11,61 -2.44
  • BBAS3 R$ 36,48 0.14
Abra sua conta no BTG

Joice Berth: “As cidades são espelhos das desigualdades”

Yasmine Sterea e Joice Berth conversam sobre as formas de expressão do feminismo e as possibilidades de diálogos em diversas esferas sociais
 (Divulgação/Divulgação)
(Divulgação/Divulgação)
Por Nosso OlharPublicado em 11/08/2021 12:54 | Última atualização em 11/08/2021 15:12Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Com Joice Berth, arquiteta e urbanista e autora do livro O Que é Empoderamento?, o tema desta edição do Nosso Olhar são as formas de expressão do feminismo, as possibilidades de diálogos em diversas esferas sociais e os papéis das cidades na equidade de gênero. 

Berth comenta sobre o despertar de seu entendimento sobre o feminismo, ainda na infância e dentro de casa. “Sempre tive muito contato com as mulheres. Minha mãe, durante um bom período, trabalhou como trancista em casa e muitas mulheres passavam por lá, então eu ouvia muitas histórias. Desde cedo eu tive a percepção de que existia um mundo diferente entre homens e mulheres, pelos próprios casos que eu via dentro e fora da minha família. 

A arquiteta traz o tema para o lado profissional, desde o início de seus estudos universitários. “Como arquiteta eu me lembro que eu não estudei nada referente às mulheres na faculdade. Me lembro que a Lélia Gonzalez foi uma autora que me despertou para isso. Ela diz que se você não levar o seu ativismo para dentro da sua profissão, está fazendo alguma coisa errada. Então, essas ocorrências da vida foram me direcionando para esse caminho”, conta.

A conversa segue sobre a segurança das cidades e a importância do urbanismo para uma melhor qualidade de vida às mulheres. 

“Em conversas, eu inicio perguntando ‘a cidade que tem gênero?’ E todo mundo fala que não, a cidade é um espaço livre que a gente pode transitar por todos os cantos. Mas não é bem assim, a percepção das pessoas com relação aos espaços da cidade precisam ser provocadas. A gente sabe que existe questões relacionadas ao assédio sexual nas ruas, no transporte público, mas isso é só uma a pontinha do iceberg que tá imerso em muitos outros problemas”, comenta Berth.

Para ela, a função dos arquitetos é fazer a ponte entre a sociedade e os profissionais da área. “Existe um limite da atuação do profissional de arquitetura e urbanismo, né? A gente não tem como dar conta de tudo, mas eu penso que se a gente conseguir efetivar o diálogo da sociedade com o profissional, a gente vai ganhar muito, né? E sobretudo se as mulheres estiverem tendo a as facilitadoras desse diálogo”.

As entrevistas do canal estão disponíveis na página do YouTube da Exame, com vídeos novos às quartas-feiras.