• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Solução à vista; mas sob nova direção?

É muito comum e característico encontrar placas/anúncios com os dizeres &] Leia mais
Por Investidor em AçãoPublicado em 24/06/2014 20:46 | Última atualização em 24/02/2017 08:25Tempo de Leitura: 3 min de leitura

É muito comum e característico encontrar placas/anúncios com os dizeres “sob nova direção”, em estabelecimentos comerciais que não têm apresentado bons resultados. É como se o aviso “sob nova direção” rompesse com o paradigma anterior e prometesse novos tempos para o negócio/estabelecimento comercial.

Sob nova direção

Pergunto-me se esse não seria o caso brasileiro em relação a inúmeras questões relacionadas à economia do país. Para citar um tópico muito específico, mas de importância fundamental para o país, vale analisar o recente pacote de incentivos lançado pelo governo para o mercado de capitais local.

O governo acaba de conceder benefício fiscal (isenção sobre ganhos de capitais) aos investidores em ações com pequena capitalização de mercado (small caps). Vale notar que a isenção vale apenas para o mercado primário – investimentos no momento da abertura de capital por essas empresas.

Além disso, a BM&FBovespa e a CVM também concederam algumas reduções nos custos decorrentes para a abertura de capital dessas empresas na bolsa, tornando a operação mais barata para elas.

Por fim, o BNDES se comprometeu a comprar 20% da emissão primária de ações dessas companhias em bolsa, procurando garantir uma demanda cativa para esses títulos.

Não se pode negar que as medidas sejam positivas para o mercado de capitais e que possam, eventualmente, estimular a abertura de capital de pequenas e médias empresas na bolsa. Entretanto, deve-se questionar se a ínfima presença desse tipo de empresa na BM&FBovespa é decorrente dos problemas elencados e agora solucionados e/ou neutralizados pelas medidas implementadas pelo governo.

Será que o diagnóstico apresentado pelo governo e instituições reguladoras do mercado de capitais está correto? Por que as pequenas empresas não procuram a bolsa para se capitalizarem? Ou será que procuram, mas não têm capacidade de bancar a conta para lançar e manter suas ações negociadas na bolsa?

Será que o problema é de demanda? Isto é, faltam investidores para esse tipo de empresa em função do risco relativamente maior que representam frente às blue-chips da bolsa?

Afinal, por que isso acontece? O Brasil é um país carente de capitais, onde o crédito é muito caro, e seria providencial que o mercado provesse recursos para que essas empresas investissem em novos projetos e, consequentemente, alavancassem o seu crescimento e, ao final, do próprio país.

Por que será que nos EUA a coisa acontece de maneira diferente? Por que será que lá existe uma bolsa eletrônica (NASDAQ) pujante, com inúmeras pequenas e grandes empresas (de tecnologia ou não) sendo avidamente negociadas dia-a-dia por milhares de investidores do mundo todo?

Será que a cultura do empresário brasileiro, assim como a do próprio governo e dos investidores locais – aqueles poucos que se arriscam na bolsa, seja individualmente ou por meio de fundos de investimento geridos por profissionais – é a mesma de seus correspondentes norte-americanos?

Será que a categoria de país emergente do Brasil acaba por impor restrições ao crescimento e desenvolvimento do mercado de capitais, como forma de democratização do capital no país?

Ou será que tudo não passa de um grave problema de gestão, o qual poderia ser corrigido, em sua maior parte, sob a orientação de uma nova direção?

Acesse também:

http://www.investcerto.com.br

Siga a InvestCerto no Twitter

http://twitter.com/investcerto