De Santos para Espanha: Neymar é um novo Robinho?

Um jovem jogador de futebol ganha títulos no principal clube do litoral paulista. É ídolo no Santos Futebol Clube, um dos times mais importantes do mundo. É considerado o presente e o futuro da seleção brasileira. Encanta com seus dribles, gols, movimentos de dançarino da bola. É recebido por multidões em qualquer cidade brasileira que visita. Se torna garoto propaganda de mais de uma empresa no Brasil. Ao sair do […] Leia mais
E
Esporte Executivo

Publicado em 04/06/2013 às 13:30.

Última atualização em 24/02/2017 às 09:00.

Um jovem jogador de futebol ganha títulos no principal clube do litoral paulista. É ídolo no Santos Futebol Clube, um dos times mais importantes do mundo. É considerado o presente e o futuro da seleção brasileira. Encanta com seus dribles, gols, movimentos de dançarino da bola. É recebido por multidões em qualquer cidade brasileira que visita. Se torna garoto propaganda de mais de uma empresa no Brasil. Ao sair do Santos, vai para um dos grandes clubes da Espanha e do mundo. Na saída, o jogador que é tido como a maior revelação do futebol nacional nos últimos anos, propicia uma das mais caras negociações já realizada por um clube brasileiro.

Caro leitor, o parágrafo acima se refere à Neymar, recém-contratado pelo Barcelona com custos eu ultrapassam 150 milhões de reais, ou à Robinho, que em 2005 deixou o Santos e assinou com o Real Madrid?  De fato, aos dois. A história de ambos é semelhante até saírem do Santos. Mas semelhante não significa igual. E nesse caso, faz toda a diferença.

Este blog é humilde o suficiente para falar que sua especialidade não é dentro das quatro linhas, embora o futebol seja uma paixão de quem o escreve. Então para sustentar a opinião de que Neymar é melhor jogador que Robinho, recorreu aos principais entendedores do assunto no país. E há uma unanimidade: Neymar é mais jogador que Robinho, embora o segundo, que foi campeão espanhol e italiano (pelo Milan, onde joga atualmente), esteja longe de merecer o carimbo de jogador ruim. Os dois chegaram a jogar juntos pelo Santos em 2010. Robinho retornava ao clube para aprumar sua carreira. Neymar se consolidava como um jogador muito acima da média. Resultado: ganharam o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil.

Uma última explicação sobre a atuação dos dois dentro das quatro linhas, mas que também é fundamental para explicar o sucesso de cada um fora delas. E feita diretamente por Robinho, em entrevista ao Estado de S. Paulo: “Neymar faz muitos gols, eu demorei para aprender a fazer. Apesar de ser driblador como ele, tinha muita dificuldade para finalizar”. Esta declaração começa a explicar porque Neymar não é um novo Robinho. Porque Robinho era a fantasia, o drible inesperado, e até gols fazia. Neymar tem tudo isso, e com muito mais gols.

O fato de ser fazedor de gols foi fundamental para a construção da carreira de Neymar, mesmo fora dos gramados. Em momentos difíceis da carreira, enquanto sua imagem ainda era consolidada, inclusive com enfrentamento de crises esportivas, Neymar fazia gols. Muitos. E fazia com que as crises fossem mais facilmente gerenciadas. Quando qualquer questionamento que pudesse comprometer a construção de sua carreira vinha, uma avalanche de jogadas incríveis e gols o acompanhavam. Isso sem contar seu sucesso com as crianças, que não raramente reproduziam seus penteados diversos. Além de sua popularidade com as garotas, que gritavam por Neymar e sua beleza. Até isso ele conseguiu. Como pedir mais a um jogador de futebol brasileiro?

Neymar construiu uma carreira muito bem estruturada antes de ir para a Europa. E fez isso com muito mais esmero e competência que seu antigo companheiro Robinho. Claro que o momento é outro e o potencial do futebol brasileiro para cuidar de seus craques foi ampliado nos últimos anos, o que impede qualquer culpa direcionada ao atual jogador do Milan. Mas é justamente isso que fez de Neymar uma certeza no futebol, que extrapola os 90 minutos de uma partida. Neymar chega mais preparado ao Barcelona.

É extraordinário jogando, mas assim também tem sido no universo do marketing. E encontrará um clube que está muito mais disposto a fazer dele um craque do que estava o Real Madrid quando contratou Robinho. Neymar não é e nem será um novo Robinho. Mas também não será mais o mesmo Neymar. O novo jogador do Barcelona está pronto para ser uma das principais marcas de futebol do mundo. Para isso, só depende de sua incrível capacidade de fazer gols. Dentro e fora das quatro linhas.

Siga-nos no Twitter: @viniciuslord e/ou @EXAME_EsporteEx