Temer se arrisca e deve nomear Imbassahy só em fevereiro

Eleição da presidência da Câmara foi determinante para decisão do peemedebista de adiar nomeação a cargo-chave do governo
 (Adriano Machado/Reuters)
(Adriano Machado/Reuters)
B
Brasília em PautaPublicado em 26/12/2016 às 12:03.

O presidente Michel Temer (PMDB) está decidido a protelar a indicação do deputado federal Antonio Imbassahy (PSDB-BA) para a Secretaria do Governo. O cargo está vago desde o início de dezembro, quando Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) pediu demissão.

Interlocutores do peemedebista afirmaram ao Brasília em Pauta que o presidente deve confirmar o tucano no cargo apenas em fevereiro. "Temer sabe que indicar Imbassahy agora representaria um aceno de estabilidade ao mercado. A indicação, porém, pode não ser interessante internamente", disse uma fonte próxima a Temer.

Se o martelo já está batido, por que nomear Imbassahy só em fevereiro? Auxiliares de Temer dizem que a decisão do presidente está diretamente relacionada a eleição da presidência da Câmara. Se Rodrigo Maia (DEM-RJ) conseguir se reeleger no comando da Casa, a indicação de Imbassahy deve sair em questão de horas. Porém, caso qualquer nome do Centrão vença a disputa, o presidente pode reconsiderar a indicação ao cargo deixado por Geddel.

"Se Maia não conseguir emplacar sua reeleição, Temer deve repensar quem indicará para a Secretaria do Governo. Com uma eventual derrota de Maia, ele precisará de alguém mais próximo dele em um cargo que articula as negociações entre o Planalto e o Congresso", afirmou um interlocutor do peemedebista.