Michelle Obama lança batom vermelho para incentivar eleitores: entenda

A ex-primeira-dama está lançando o produto em parceria com a The Lip Bar, uma marca de cosméticos vegana gerenciada por pessoas negras

Tudo o que Michelle Obama faz vira febre nos Estados Unidos. Em agosto, por exemplo, a ex-primeira-dama usou um colar de ouro 14 quilates com a palavra “vote” durante a convenção do partido democrata. Menos de 20 minutos de aparição bastaram para que o acessório passasse a ser procurado por milhares de mulheres estadunidenses.

Mesmo estando afastada da Casa Branca desde 2016, quando o segundo mandato do ex-presidente Barack Obama chegou ao fim, a ex-primeira-dama continua sendo uma voz importantíssima para os democratas, e, nessas eleições, assumiu de frente um dos maiores desafios do partido: convencer os eleitores que não votam (e os que estão indecisos) a participar das eleições de novembro.

Agora, Michelle está lançando um batom vermelho com a marca The Lip Bar, uma empresa de cosméticos vegana gerenciada exclusivamente por pessoas negras. O batom produzido com a ex-primeira-dama será vendido por 15 dólares (cerca de 79 reais), e 40% da receita arrecadada irá para a When We All Vote, organização sem fins lucrativos copresidida por Michelle que visa aumentar a participação eleitoral nos Estados Unidos. 

No Instagram da The Lip Bar, a própria ex-primeira-dama apareceu como modelo do batom que ajudou a criar, e que é chamado de Bawse Voter. “Orgulhosa deste momento não apenas por causa de Michelle Obama, mas também porque fizemos uma parceria com @whenweallvote para apoiar o registro eleitoral!”, escreveu Melissa Butles, CEO da The Lip bar. 

A When We All Vote (“quando todos nós votamos”, numa tradução do inglês) foi lançada em 2018 por várias celebridades e figuras públicas, incluindo Michelle Obama. O objetivo da organização é aumentar a participação de eleitores que tradicionalmente não votam e eliminar a lacuna relacionada a raça e idade.

A eleição que definirá o próximo presidente dos Estados Unidos está marcada para o dia 3 de novembro, e muitos analistas políticos avaliam que os eleitores indecisos deverão ser fundamentais para a definição da disputa.

Dentro do caldo eleitoral, o candidato democrata, Joe Biden, tenta atrair os eleitores indecisos, especialmente os negros e latinos. O republicano Donald Trump reforça o contrato firmado com sua base, dizendo que a América sucumbiria nas mãos do oponente. A ex-primeira-dama Michelle Obama tenta convencer os americanos a votar, já que em 2016, só 67% dos eleitores cadastrados compareceram às urnas.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.