Carreira

Ex-funcionária que processou empresa por discriminação sexual perde nos tribunais

Na tarde dessa sexta-feira (27), o Tribunal Superior de São Francisco, na Califórnia, teve um veredicto final no caso Ellen Pao

Ellen Pao (Getty Images)

Ellen Pao (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de março de 2015 às 12h52.

Na tarde dessa sexta-feira (27), o Tribunal Superior de São Francisco, na Califórnia, teve um veredicto final no caso Ellen Pao, o processo de discriminação de gênero que abalou o Vale do Silício nessas últimas quatro semanas.

A companhia Kleiner Perkins Caufield & Byers não foi responsabilizada por cometer discriminação contra a ex-funcionária, que pedia 16 milhões de dólares em compensação e poderia ganhar até 144 milhões de dólares em danos.

Para tomar a decisão, a bancada do júri composta por seis homens e seis mulheres teve de responder uma série de perguntas para, então, concluir se a companhia tinha realmente cometido discriminação sexual contra a funcionária, que na época trabalhava como sócia minoritária na empresa.

Ellen processou a Kleiner Perkins por ter permitido tal discriminação enquanto ela trabalhava como investidora na empresa de capital de risco, entre 2005 e 2012. Ela foi demitida em 2012, logo depois de prestar queixas sobre seu caso.

Dentre as diversas afirmações na ação judicial, ela alega ter sido pressionada e rebaixada por um ex-parceiro amoroso, teve três de seus colegas promovidos e com salários bem maiores que o dela, foi excluída de vários e-mails e decisões importantes e até deixou de ser convidada para as confraternizações da firma.

Ellen atualmente é CEO interina da Reddit. Em comunicado, ela afirma que se sente grata por ter conseguido contar sua história:

Eu gostaria de agradecer à minha família e amigos pelo carinho e apoio durante esse momento desafiador. Eu agradeço meu time de advogados por ter me conseguido um dia na corte, e à todos ao redor do mundo - homens e mulheres - que expressaram apoio de várias maneiras diferentes, e àqueles que se identificaram com meu caso também e estão orgulhosos por eu ter conseguido contar minha história. Eu contei minha história, e milhares de pessoas me escutaram. 

Se eu ajudei de alguma forma a nivelar as mulheres e minorias no campo de jogo do capital de risco, então a batalha valeu a pena. Agora é hora de eu voltar a me dedicar à minha carreira, minha família e amigos. Obrigada a todos.

Já a Kleiner Perkins declarou que as afirmações de Ellen Pao não tinham mérito legal:

O veredicto de hoje provou que as queixas de Ellen Pao não tinham mérito legal. Nós somos gratos aos júris por terem examinado o caso tão cuidadosamente. Não há dúvidas de que a diversidade de gênero no ambiente de trabalho é uma questão importante. A KPCB continua empenhada em apoiar as mulheres nas áreas de tecnologia e investimentos de risco em nossa firma e em toda a indústria.

Apesar de ter perdido no julgamento, Ellen Pao lançou luz sobre o problema de discriminação contra minorias que trabalham com tecnologia e investimentos. Tanto que os últimos relatórios de diversidade do Google, Facebook, Apple, Yahoo! e Twitter mostram que as mulheres não compõem nem 40% do quadro de funcionários global dessas empresas.

Um levantamento realizado pelo site Glassdoor ainda revela que muitas mulheres ganham menos que homens com a mesma experiência e formação que elas. De acordo com a ação judicial do processo de Ellen Pao, a sócia ganhava cinco vezes menos que seus colegas homens, que entraram na companhia no mesmo ano que ela.

A história de Ellen acabou lançando luz sobre esse problema e encorajou outras mulheres a denunciar assédios e discriminação no trabalho. As gigantes do Vale do Silício, como Google, Twitter e Facebook também foram acusadas por funcionárias e ex-funcionárias que se sentiram assediadas e discriminadas de diferentes formas por seus superiores.

Confira abaixo o documento sobre o veredicto do caso de Ellen Pao:

https://www.scribd.com/embeds/260138315/content?start_page=1&view_mode=scroll&show_recommendations=true

Acompanhe tudo sobre:CalifórniaINFOJustiçavale-do-silicio

Mais de Carreira

Toda empresa tem employer branding?

BRF abre mais de 2 mil vagas de emprego em 14 estados do Brasil, veja os requisitos

As lições de carreira da ex-jogadora Hortência para profissionais de RH

Mais de 5 milhões de jovens não estudam e não trabalham no Brasil, diz Ministério do Trabalho

Mais na Exame