A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Chefe de inovação do Google dita a receita para o profissional do futuro

Como você imagina o currículo do futuro? Chefe de inovação do Google fala sobre mentalidade de inovação em evento gratuito

Se fosse imaginar um currículo do futuro, Frederik G. Pferdt, chefe de inovação do Google, começaria com uma missão. Depois, ele apostaria em competências transversais da mentalidade de inovação.

O que são competências transversais?

As competências transversais são comportamentos e habilidades que são utilizadas em qualquer cargo técnico que um profissional ocupar. Pferdt lista algumas: “Curiosidade, Empatia, Pensamento Expansivo, Inclusão, Experimentação”.

Essas características refletem muito mais a sua forma de trabalhar e qual a sua mentalidade do que conhecimento adquiridos em cursos.

A proposta imaginativa do chefe de inovação é usar a parte de experiências do currículo para destacar essas habilidades com boas histórias. E o conjunto de habilidades e comportamentos será valioso para que os recrutadores enxerguem qual a mentalidade do candidato.

Para o especialista, essa será a receita para o futuro: focar na mentalidade dos indivíduos.

“Com a rápida mudança no mundo hoje, precisamos não só pensar de forma diferente, mas também agirmos de forma diferente. As mentalidades começam a nos levar para a próxima fronteira do nosso desenvolvimento: a mente”, diz.

Evento gratuito

Frederik G. Pferdt é professor de Stanford e foi responsável pela construção da comunidade do Google, que conta com mais de 500 evangelistas, e o primeiro laboratório de inovação, o The Garage.

E o especialista em inovação é um dos convidados de destaque da 6ª edição do Kenoby Talks, evento de Recursos Humanos que acontece entre os dias 13 e 16 de setembro.

O evento é totalmente gratuito e a programação vai abordar temas como people analytics, gestão ágil, saúde mental, diversidade e inclusão.

Esta edição do Kenoby Talks também vai contar com convidados como a jornalista Glória Maria, Rachel Maia, fundadora e CEO da RM Consulting, e Bruna Benevides, militar da Marinha e Secretária de Articulação Política da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA).

Confira a entrevista exclusiva com Frederik G. Pferdt, chefe de inovação do Google:

Como descreveria alguém com uma mentalidade inovadora? Que tipo de hábitos e atitudes isso implica?

Frederik G. Pferdt: O mundo está mudando mais depressa do que nunca. Como um inovador, você precisa ser capaz de resolver os problemas de amanhã, e de navegar por toda a ambiguidade que daí advém. Considere os mapas medievais. O mundo não sabia o que existia para além do horizonte. Você cairia pela borda da terra? Será que criaturas marinhas desconhecidas se escondiam nestas terras desconhecidas? Os cartógrafos descreveram criaturas marinhas temíveis e nos lembram que quando confrontados com situações desconhecidas ou ambíguas, a maioria das pessoas recorre ao medo. Ainda assim, é preciso conduzir o barco para além do limite do que é conhecido para desvendar todas as possibilidades do que poderia ser.

Os avanços na tecnologia, como carros e computadores com os quais podemos conversar, catapultam-nos para o limite do mapa - a linha entre o conhecido e o desconhecido. Para prosperar neste limite, temos de nos manter curiosos, ter empatia com diferentes perspectivas e experimentar soluções.

Podemos nos ver como navios: indivíduos como navios menores, startups como navios médios, empresas como navios grandes. Todos nos movemos em torno do porto antes da pandemia, em que as cordas eram mais apertadas. Sempre houve um vento a soprar pelos portos, mas nunca foi o caso das cordas se soltarem de repente. Mas com a pandemia, nos encontramos nesta situação de vulnerabilidade: as cordas foram rasgadas e todos os barcos estão a flutuar no mar em diferentes condições.

Tento entusiasmar as pessoas sobre o futuro, para que elas digam: certo, não só as coisas mudam, mas eu também sou responsável pelo que acontece amanhã, depois de amanhã e nos próximos anos. Um ponto é a digitalização, a colaboração virtual - também no campo da educação. Os meus três filhos gostam desta colaboração digital, intercâmbio virtual e aprendizagem. É claro que muitos têm preocupações porque falta um intercâmbio real e pessoal. Eu não nego isso - também sinto falta do contato físico. Mas penso que devemos ver a situação como uma forma de experimentação e reimaginação de formas complementares de aprendizagem.

Existe uma forma de se treinar ou de melhorar esta mentalidade? Que dicas tem?

Pferdt: Com a rápida mudança no mundo hoje, precisamos não só pensar de forma diferente, mas também agirmos de forma diferente. As mentalidades começam a nos levar para a próxima fronteira do nosso desenvolvimento: a mente. Até agora, a maioria dos esforços de formação, aprendizagem e desenvolvimento se concentraram, principalmente, em comportamentos, tais como: o que é que as pessoas precisam fazer para serem produtivas e eficazes, ou mesmo inovadoras. Quando nos concentramos nas mentalidades, não nos concentramos apenas nos atos das pessoas, mas nos concentramos no seu ser.

Se ainda não estamos convencidos de que precisamos mudar a nossa mentalidade: Vamos tentar uma experiência. Vejamos estas equações:

5+3 = 8

4+6 = 10

2+4 = 7

9-3 = 6

Se o seu pensamento inicial era que uma destas equações está errada, não está sozinho. Os nossos cérebros estão ligados para reconhecer os erros. Este "preconceito de negatividade" evoluiu por uma boa razão: para nos ajudar a sobreviver. No entanto, a nossa aversão embutida a resultados negativos pode ser um problema quando tentamos apresentar novas ideias - distorcendo a nossa capacidade de inovação.

Todos são capazes de sonhar com grandes ideias e a criatividade existe em todos nós. Mas capturar a nossa criatividade ou inovação inata requer treino das nossas mentes para pensar e agir de novas formas, apesar de evitarmos inconscientemente os resultados negativos. As pessoas que ultrapassaram este hábito inato tendem a ser as que agiram contra todas as probabilidades e mudaram o mundo.

Quando nos preparamos para o futuro, como é que isso também muda a forma como as pessoas planejam as suas carreiras e abordam o mercado de trabalho?

Pferdt: Em Stanford tivemos uma experiência e tentamos imaginar como seria o futuro da educação. Que problemas você deseja resolver e que mentalidades e competências você deve desenvolver para progredir e ter impacto? No Google, estamos investindo em competências futuras com o nosso programa Cresça com o Google para continuar a realizar a nossa missão, disponibilizando ferramentas digitais e formação para todos.

No Brasil, o programa já passou presencialmente por mais de 12 capitais do Brasil e já foram treinados mais de 1,7 milhão de brasileiros. Atualmente está em formato online. A partir do Cresça com o Google para Mulheres, programa globalmente conhecido como Women Will, mais de 200 mil mulheres ganharam inspiração e treinamento para que criem suas próprias oportunidades econômicas por meio da valorização da autoconfiança e do desenvolvimento de novas habilidades digitais e socioemocionais. No Brasil este ano, o programa já capacitou mais de 11 mil mulheres em três edições.

Algumas competências são mais difíceis de mostrar no papel, como, por exemplo, como se faz normalmente com um CV. Se tivesse de imaginar um "futuro CV", como seria isso?

Pferdt: Se eu imaginasse um futuro CV, provavelmente começaria com uma missão: E se...? Que problema quer resolver no futuro? Seguido de todas as mentalidades de inovação relevantes como: Curiosidade, Empatia, Pensamento Expansivo, Inclusão, Experimentação, estas antigas "competências transversais". O resto, histórias sobre como se cultivaram estas mentalidades.

Dicas de carreira, vagas e muito mais

Você já conhece a newsletter da EXAME Academy? Você assina e recebe na sua caixa de entrada as principais notícias da semana sobre carreira e educação, assim como dicas dos nossos jornalistas e especialistas.

Toda terça-feira, leia as notícias mais quentes sobre o mercado de trabalho e fique por dentro das oportunidades em destaque de vagas, estágio, trainee e cursos. Já às quintas-feiras, você ainda pode acompanhar análises aprofundadas e receber conteúdos gratuitos como vídeos, cursos e e-books para ficar por dentro das tendências em carreira no Brasil e no mundo.

Quer receber as dicas de carreiras, vagas de emprego e ficar por dentro das tendências do mercado de trabalho? Assine a newsletter aqui.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

 

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também