As empresas buscam intraempreendedores. Você se encaixa nesse perfil?

A habilidade de empreender dentro das empresas está no radar dos recrutadores, segundo a executiva Sofia Esteves. Entenda quais os traços desse perfil

Os profissionais que optam por empreender, normalmente, são indivíduos dispostos a arriscar, inovar e gerenciar seus projetos, justamente o perfil de colaborador que as empresas necessitam para o atual cenário econômico.

Sendo assim, as organizações começaram a perceber a importância de comporem times com esse perfil, chamado de intraempreendedor e, hoje, essa qualidade já faz parte do radar dos recrutadores na hora de selecionar um candidato.

O que é intraempreendedorismo?

Gifford Pinchot III, autor e fundador da Pinchot University, deu nome ao termo há 35 anos, lançando o livro “Intrapreneuring: Why You Don’t Have to Leave the Corporation to Become an Entrepreneur”.

Se hoje, ainda, encontramos resistências nas lideranças em ouvirem e apoiarem a criatividade dos colaboradores, imagine como os donos das empresas, em 1985, reagiram à sugestão de que deveriam permitir que os funcionários agissem como donos das empresas! Pois, é exatamente disso que o termo se trata e, claro, não virou tendência na época em que foi lançado.

Intraempreendedorismo é o ato de atuar dentro de uma empresa com uma postura empreendedora, onde o profissional se empenha em analisar o cenário, sugerir – sem medo de errar –  ideias, inovações e possui um faro especial para encontrar oportunidades e falhas na empresa que possam se transformar em novos negócios, produtos, serviços, ou também em novos modelos de organização e gestão. Basicamente é viver e cuidar da empresa como se ela fosse sua.

Talvez você pense: o que eu vou ganhar com isso se o meu salário não vai aumentar e, provavelmente, as responsabilidades sim?

Além da oportunidade de explorar mais as suas capacidades criativas e gerenciais, inclusive, se permitindo descobrir novos talentos que até então você não sabia que tinha, você também pode ajudar a construir o cenário empresarial em que deseja trabalhar.

Por exemplo, o que te impede e aos seus colegas de trabalho de atuarem como intraempreendedores? Há centralização de poder nas lideranças? Medo de serem demitidos, em casos de “erros”? Lideranças ocupadas, ou cansadas, demais para receberem novas ideias? Falta de reconhecimento? Identifique as falhas de gestão que estão impedindo a inovação de acontecer, faça um bom relatório/apresentação e se reúna com os seus gestores.

Não se esqueça que, o intraempreendedor foca em soluções e não em apontar só as falhas. Também apresente ideias que poderiam ser colocadas em prática, caso esse cenário mudasse, ou então, uma sugestão de novos modelos de gerenciamento que abram mais espaço aos colaboradores e ao desenvolvimento da empresa, como resultado.

Caso sua empresa já possua uma postura mais acessível, identifique novos projetos, ou negócios que você gostaria de realizar pela companhia. Esse é o talento dos intraempreendedores, melhorar, aprimorar e se engajar para desenvolver o ambiente e a organização onde trabalha.

Caso sua sugestão seja aprovada, você pode conversar com as lideranças sobre remunerações ou porcentagens de participação no novo projeto. Não há um modelo padrão de mercado, ainda, para essa situação.

Existe um detalhe muito importante sobre trazer uma nova ideia, sugestão ou conhecimento a alguém, tanto no ambiente profissional, como na vida pessoal. Uma coisa é expor um pensamento, como um ponto de vista. Outra coisa é impor uma verdade, como se fosse a única.

Normalmente, a segunda opção não funciona. Se você não se sente confortável quando seu gestor impõe algo, com certeza o contrário também não cria um ambiente favorável para que você seja ouvido. Então, atenção na sua postura, inclusive corporal, quando for apresentar sugestões.

Um bom gestor sabe reconhecer que, um colaborador que traz novas ideias, agrega valor à empresa, pois as organizações precisam se reinventar para sobreviverem ao mercado atual.

Ser um intraempreendedor é importante, mas não quer dizer que todos os profissionais possuem perfil para isso, e tudo bem! Você não precisa se forçar a se encaixar nesse modelo e pode contribuir com a empresa com outras qualidades.

Os intraempreendedores têm paixão pelo que fazem, são atentos às necessidades da empresa, possuem criatividade e ousadia, são persistentes e dedicados, são confiantes e, principalmente, são proativos. Você se encaixa nesse perfil?

Boa reflexão!

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.