A semana de 4 dias chegou? Para essas empresas, a resposta é sim

Multinacionais como Unilever, além de startups e governos, apostam numa semana de trabalho de quatro dias na tentativa de motivar funcionários exaustos pela pandemia. A medida vai funcionar?

Adam Ross, da startup alemã Awin: “Acreditamos firmemente que funcionários felizes, engajados e bem equilibrados produzem um trabalho muito melhor”

Adam Ross, da startup alemã Awin: “Acreditamos firmemente que funcionários felizes, engajados e bem equilibrados produzem um trabalho muito melhor” (Bloomberg/Bloomberg)

Quando começou o lockdown no mundo no ano passado, os 1.000 funcionários da empresa de tecnologia Awin, com sede em Berlim, fizeram o que milhões de outras pessoas fizeram: abriram seus laptops e começaram a trabalhar na cozinha ou na sala de jantar de casa. Ao mesmo tempo, a Awin começou a crescer à medida que seus negócios com varejistas on-line disparavam, colocando intensa pressão sobre a equipe.

Então, na última primavera, a empresa disse a todos que parassem o trabalho na hora do almoço todas as sextas-feiras para incrementar o fim de semana. O experimento foi tão bem-sucedido – vendas, envolvimento dos funcionários e maior satisfação do cliente – que em janeiro, Awin decidiu dar um passo adiante, implementando uma semana de quatro dias para toda a empresa, sem cortes nos salários ou nos benefícios.

“Acreditamos firmemente que funcionários felizes, engajados e bem equilibrados produzem um trabalho muito melhor”, disse o CEO Adam Ross. Eles “encontram maneiras de trabalhar de modo mais inteligente e são muito produtivos”.

A Awin está na vanguarda de uma tendência que está recebendo cada vez mais atenção em todo o mundo. O site de empregos, ZipRecruiter, diz que o número de postagens referentes à semana de quatro dias triplicou nos últimos três anos, para 62 em cada 10.000.

A gigante de bens de consumo Unilever iniciou em dezembro um período experimental dessa ideia, por um ano para sua equipe na Nova Zelândia. O governo da Espanha está considerando uma proposta para subsidiar empresas que ofereçam semana de quatro dias.

E até mesmo no Japão onde as pessoas trabalham sem parar, e cuja língua inclui a palavra karoshi – morte por excesso de trabalho – os legisladores estão discutindo uma proposta de conceder aos funcionários um dia de folga todas as semanas para proteger seu bem-estar.

“A semana de quatro dias está ganhando impulso”, diz Will Stronge, diretor de pesquisa da Autonomy, um think-tank do Reino Unido. “Para a grande maioria das empresas, reduzir a jornada de trabalho é uma meta totalmente realista.”

Operários e até mesmo muitos funcionários administrativos s costumavam aparecer no trabalho seis ou sete dias por semana, embora no final do século 19 a maioria tivesse pelo menos o domingo de folga.

Em 1926, Henry Ford decidiu dar aos trabalhadores dois dias grátis por semana, argumentando que comprariam mais carros se tivessem mais tempo de lazer. Isso realmente ocorreu e, no final da década seguinte, a maioria dos fabricantes americanos havia seguido seu exemplo.

Demorou um pouco mais em outros lugares, tendo a Alemanha eliminado os turnos de sábado apenas na década de 1960, depois que os sindicatos fizeram campanhas dizendo que as crianças precisam de mais tempo com os pais.

Nas últimas duas décadas, o tempo de trabalho nos países desenvolvidos vem diminuindo gradualmente. A França saiu na frente no ano 2000 com a adoção de uma semana de trabalho de 35 horas. “Muitas economias desenvolvidas enfrentam escassez de mão-de-obra qualificada”, diz Terry Gregory, pesquisador do Instituto Alemão de Economia do Trabalho. “Isso dá aos trabalhadores mais poder para exigir menos horas.”

A ampla aceitação de uma semana de quatro dias pode ser mais difícil. Jack Ma, o bilionário cofundador da gigante chinesa de comércio eletrônico Alibaba, frequentemente elogia a cultura de trabalho "996" de seu país – das 9h às 9h, seis dias por semana – como vital para o sucesso a longo prazo.

No Reino Unido, o Partido Trabalhista perdeu as eleições gerais de 2019, mesmo tendo incluído na campanha a promessa de reduzir a semana de trabalho padrão para 32 horas em uma década. E os chefes estão relutantes em reduzir as horas sem cortar salários, temendo queda na produção.

“Quanto mais vezes realizam uma tarefa, os funcionários a realizam com mais eficiência”, diz Holger Schäfer, analista de mercado de trabalho do Instituto Econômico Alemão em Colônia. “Não acredito que realmente haverá ganhos de produtividade com a redução do tempo de trabalho.”

No entanto, como a pandemia desacelerou o crescimento e aumentou a desigualdade, há um novo estímulo para a reengenharia dos locais de trabalho. Quase dois terços das empresas com históricos semanais de quatro dias aumentaram a produtividade, de acordo com um estudo da Universidade de Reading.

Um grupo liderado pelo ex-chanceler sombra do Reino Unido, John McDonnell, escreveu uma carta a líderes como Joe Biden, Boris Johnson e Angela Merkel, instando-os a adotar uma semana de quatro dias para salvar empregos, repensar os padrões de trabalho e reduzir o consumo de energia.

Em agosto, o sindicato alemão IG Metall, com 2.3 milhões de membros, propôs uma semana de trabalho mais curta em resposta à crise de saúde e às mudanças sísmicas na indústria automobilística, que precisará de menos mão de obra na fabricação à medida que introduz veículos elétricos.

A montadora francesa Renault está dando folga para cerca de 13.000 funcionários às sextas-feiras até meados de agosto, enquanto busca cortar custos, uma vez que as vendas diminuíram. (Os trabalhadores receberão os mesmos salários, mas apenas porque seus salários estão repletos de benefícios de desemprego do governo.)

O CEO da Awin, Ross, diz que a semana de quatro dias tem como objetivo reter os engenheiros de software e gerentes de contas que ajudam empresas como Asos, Nike e Samsung a se conectar com blogueiros, influenciadores e editores.

Tem havido alguns problemas iniciais, como decidir quem estará de folga e quando (a equipe pode escolher o dia em que deseja ficar ausente ou tirar dois meios-dias), exigindo que o departamento financeiro permaneça cinco dias por semana durante o período de fechamento de janeiro e garantindo que as solicitações dos clientes que chegam às sextas-feiras recebam atenção imediata.

Cerca de 80 funcionários se voluntariaram para trabalhar em forças-tarefa para tornar a mudança o mais suave possível, discutindo possíveis mudanças no contrato, reduzindo as reuniões de uma hora pela metade e introduzindo softwares para facilitar a colaboração.

A Awin avaliará os resultados do programa de teste no próximo verão, mas Ross diz que a experiência tem sido tão positiva que ele não consegue se imaginar voltando ao sistema anterior. O próprio CEO sentiu a mudança: depois de empreender viagens semanais de Londres para Berlim por seis anos, ele agora desfruta de um dia da semana com sua agenda livre, permitindo-lhe passar mais tempo com a família ou planejar o que vem a seguir.

As empresas costumavam “tomar providências para a saúde física das pessoas, mas nunca para a saúde mental”, diz Ross. “Percebo essa mudança e queremos ser um instrumento para isso”

—Com Carolynn Look e Jeannette Neumann

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também