Reprovação do governo Bolsonaro salta 7 pontos após demissão de Moro

Pesquisa XP/Ipespe mostra explosão na parcela daqueles que acham que a corrupção vai aumentar e piora na avaliação da atuação do governo sobre coronavírus

A avaliação negativa do governo Bolsonaro saltou sete pontos percentuais (p.p.), de 42% para 49%, após a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça, diz pesquisa XP Ipespe divulgada nesta segunda-feira, 4.

Já a avaliação positiva do governo caiu 4 pontos percentuais, indo de 31% para 27%. São os piores números para o governo desde que a pesquisa começou a ser feita no início da gestão, em janeiro de 2019.

A XP/Ipespe ouviu 1.000 pessoas em todos os estados do país nos dias 28, 29 e 20 de abril, pouco após o anúncio de demissão do ministro no último dia 24. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

A avaliação dos governadores está estável desde o início de abril em 44% de ótimo/bom, enquanto a do Congresso voltou a piorar: a taxa de ruim/péssimo foi de 32% para 40% no mesmo período.

Enquanto isso, a porcentagem daqueles que estão com "muito medo" do coronavírus foi de 41% para 48% em uma semana, enquanto a taxa daqueles que não tem medo foi de 21% para 18%.

A avaliação da atuação do governo Bolsonaro no enfrentamento da doença também vem piorando. A taxa de ruim/péssima foi de 48% para 54%, enquanto a de ótimo/bom foi de 30% para 23%.

Futuro e corrupção

A confiança no futuro do governo Bolsonaro também está em deterioração. A expectativa negativa para o restante do governo passou de 38% para 46% enquanto a positiva foi de 35% para 30%.

No início do governo, a expectativa positiva para o governo estava em 63% e apenas 15% dos brasileiros esperavam que o mandato fosse ruim ou péssimo.

A pesquisa mostra ainda que a nota média atribuída ao presidente caiu de 5,1 na pesquisa divulgada em 24 de abril para 4,7. A de Moro, por outro lado, passou de 6,2 para 6,5 no mesmo período.

A única personalidade política com nota média mais alta do que Moro é o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, que no entanto foi de 7,8 para 7,2 desde a última pesquisa.

A parcela de entrevistados que considera que a demissão de Moro terá impactos negativos para o restante do governo ficou constante em 67%. Porém, a parcela de pessoas que acreditam que a corrupção terá aumentado ou aumentado muito daqui a seis meses explodiu e foi de 30% para 45%, um salto de 15 pontos.

Sobre o novo ministro da Justiça e de Segurança Pública, André Mendonça, 69% dizem acreditar que ele terá uma atuação com interferências do presidente, enquanto apenas 19% esperam uma atuação independente.

Economia e coronavírus

O levantamento mostra ainda que cresceu a percepção negativa em relação à economia. Hoje, 52% acreditam que a economia está no caminho errado, contra 47% na semana passada. Os que veem a economia no caminho certo caíram de 35% para 32%.

Sobre a melhor maneira de recuperar a economia depois da crise provocada pelo coronavírus, 62% acreditam que Bolsonaro deve mudar a política econômica, com mais investimentos do governo, enquanto 29% acham que o presidente deve manter as reformas estruturais e a redução de gastos públicos, buscando uma maior participação do setor privado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.