Brasil

Sistema de GPS acompanhará todos os candidatos presidenciais, diz Jungmann

Centro que vai coordenar ações de segurança das eleições começará a funcionar sete dias antes do primeiro turno

Raul Jungmann: ministro da Segurança Pública disse que haverá monitoramento da localização dos presidenciáveis em tempo real, (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Raul Jungmann: ministro da Segurança Pública disse que haverá monitoramento da localização dos presidenciáveis em tempo real, (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 18 de setembro de 2018 às 14h54.

Brasília - O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, teve uma reunião com a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, nesta terça-feira, 18, para tratar do centro de inteligência em Brasília que vai coordenar ações de segurança no primeiro e segundo turno das eleições em todo o País, inclusive com o monitoramento da localização dos presidenciáveis em tempo real. O diretor-geral da Polícia Federal, Rogerio Galloro, também participou do encontro com Rosa, que ocorreu no gabinete da ministra no prédio do Supremo Tribunal Federal (STF).

O centro começará a funcionar sete dias antes do primeiro turno da eleição, que acontece no dia 7 de outubro, e fechará alguns dias após o segundo turno, que acontece no dia 28 de outubro.

"Nós vamos saber online o que estará acontecendo, onde há conflitos, onde tem necessidade da PF estar lá", explicou Jungmann durante conversa com jornalistas.

Ele disse ainda que o centro acompanhará a localização dos candidatos à Presidência da República constantemente através de sistema de GPS que será colocado em pessoas próximas aos presidenciáveis e de integrantes da Polícia Federal responsáveis pela segurança.

Após o atentado ao candidato Jair Bolsonaro (PSL), que foi esfaqueado, Jungmann afirmou que não houve nenhum problema até o momento com a segurança dos demais candidatos. "Não temos tido maiores notícias de problemas. Eu, inclusive, coloquei para a PF a necessidade de fazer informes periódicos da campanha, se candidato está seguindo normas de segurança, e isso também foi levado aos candidatos. Há maior preocupação tanto dos candidatos em cumprir regras de segurança, quanto das equipes."

Crime organizado

Jungmann disse que está sendo feita uma triagem e um levantamento em conjunto com o TSE para apurar possíveis candidatos financiados pelo crime organizado. "Não podemos permitir a formação de uma bancada do crime. E, se por acaso eles vierem a se eleger, vamos caçá-los e puni-los", disse Jungmann.

Ele não soube explicar, no entanto, quais seriam os critérios ou o embasamento jurídico para a definição deste tipo de candidato.

Acompanhe tudo sobre:Eleições 2018GPSRaul Jungmann

Mais de Brasil

Professores decidem manter greve nas universidades federais após nova oferta do governo Lula

Ao lado de Bolsonaro, Tarcísio e provável vice, Nunes diz que chapa será anunciada na semana que vem

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

Censo 2022: Brasil tem 106,8 milhões de endereços, um aumento de 19,5% em relação ao Censo anterior

Mais na Exame