Brasil

Fiesp alerta para risco dos importados na economia

Para Benjamin Steinbruch, presidente em exercício da Fiesp, a questão dos importados se torna um risco iminente para a política econômica brasileira

Benjamin Steinbruch, presidente em exercício da Fiesp: empresário elogiou o presidente Lula por trazer 55 milhões de novos consumidores (.)

Benjamin Steinbruch, presidente em exercício da Fiesp: empresário elogiou o presidente Lula por trazer 55 milhões de novos consumidores (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h46.

São Paulo - O presidente em exercício da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Benjamin Steinbruch, disse hoje que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve o mérito de trazer para o consumo 55 milhões de novos consumidores, mas ressaltou que, como a economia não está bem "lá fora", a questão dos importados se torna um risco iminente para a política econômica adotada. Ele participa hoje do 7º Fórum de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em São Paulo.

Steinbruch se referiu às turbulências internacionais como uma "crise serrote", devido à "inconstância", ao "sobe e desce lá de fora". Ele afirmou ainda que seus comentários não são uma crítica ao governo, mas um apoio, e se referiu ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, que também participa do evento, como "sempre próximo".

"Desenvolvemos um modelo brasileiro que, eventualmente, pode ser replicado em outros países: salário, com mais renda e mais crédito, que se tornam mais consumo. Acho que nunca estivemos tão bem. É a primeira vez, nos 40 anos em que trabalho, que vejo o Brasil crescer voltado para dentro", disse o presidente em exercício da Fiesp.

Na avaliação de Steinbruch, os riscos desse modelo são a moeda valorizada, "que vai nos custar caro em algum momento", os juros elevados, que fizeram com que muitos empregos deixassem de ser criados, e os "gastos públicos descontrolados". "Estamos vivendo mais um modelo de desindustrialização que de industrialização", afirmou, destacando o déficit na balança comercial de manufaturados. "Combustíveis, grãos e minério de ferro mascaram o resultado da balança", disse.

Leia mais notícias relacionadas ao comércio exterior

Siga as notícias do site EXAME sobre Economia no Twitter

Acompanhe tudo sobre:América LatinaComércioComércio exteriorDados de BrasilFiesp

Mais de Brasil

Câmara aprova a Lei Taylor Swift, que criminaliza cambismo digital

CCJ do Senado aprova projeto que prorroga por 10 anos as cotas para negros em concurso

Pacheco adia sessão sobre vetos, governo evita derrotas, e Lira demonstra insatisfação

Rio registra queda de 25% das mortes violentas no primeiro trimestre

Mais na Exame