Empresas reforçam frota para aliviar falta de ônibus no ABC

No total, são 10 cidades com paralisações intermunicipais devido à greve de motoristas e cobradores

	Vista aérea de Osasco: em Osasco, paralisação dos rodoviários atinge apenas a região sul (Chadner/ Wikimedia Commons)
Vista aérea de Osasco: em Osasco, paralisação dos rodoviários atinge apenas a região sul (Chadner/ Wikimedia Commons)
M
Marli MoreiraPublicado em 23/05/2014 às 14:40.

A greve dos motoristas e cobradores da Viação MobiBrasil prejudica os moradores da região do ABC paulista, principalmente os residentes nas cidades de Diadema e de São Bernardo do Campo.

Além do transporte coletivo local, a empresa é responsável também pelas viagens intermunicipais. Mas, por determinação da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU-SP), três companhias de ônibus da região cederam parte da frota para suprir o atendimento.

São elas: Viação Riacho Grande, Viação Triângulo e Empresa Metra.

De acordo com a EMTU, além da MobiBrasil, os movimentos grevistas afetam o transporte coletivo feito pelas empresas Viação Osasco e Urubupungá, nos municípios de Osasco e Barueri.

Em Osasco, a paralisação dos rodoviários atinge apenas a região sul. No norte, a companhia Urubupungá começou a manhã operando com 70% da frota e já atingiu 90% dos veículos em circulação.

No total, são 10 cidades com paralisações intermunicipais. Pelos cálculos da EMTU, diariamente circulam em torno de 90 mil passageiros dois quais 75 mil só pela Viação Osasco, a única das sete empresas está totalmente em greve.

Nas cidades do Embu das Artes, e em Itapecerica da Serra, os grevistas encerraram a paralisação ontem mesmo (22) e aguardam uma decisão da Justiça sobre a legalidade do movimento.