CPI da Covid ouve empresário Marcos Tolentino nesta terça-feira

A Justiça Federal em Brasília autorizou que Tolentino possa ser conduzido coercitivamente, caso se recuse a comparecer à sessão

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

O advogado e empresário Marcos Tolentino, apontado como "sócio oculto" do FIB Bank, deve ser ouvido nesta terça-feira, 14, pela CPI da Covid. Nesta segunda-feira, 13, a Justiça Federal em Brasília autorizou que ele seja conduzido coercitivamente, caso se recuse a comparecer à sessão.

O FIB Bank é uma empresa que ofereceu uma carta-fiança irregular de 80,7 milhões de reais em um contrato entre a Precisa Medicamentos e o Ministério da Saúde para a compra de 20 milhões de doses da vacina contra a covid-19 Covaxin, ao preço de 1,6 bilhão de reais. O contrato foi cancelado por suspeita de irregularidades.

No requerimento de convocação, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirma que a garantia oferecida no contrato "é do tipo fidejussória, pessoal, e não está prevista no documento assinado entre Precisa, Bharat Biotech e Ministério da Saúde".

A garantia para cobrir 5% do contrato, no valor de 80,7 milhões, deveria ser uma fiança bancária, um seguro-garantia ou uma caução em dinheiro ou títulos da dívida pública.

"Além da 'carta de fiança' ter sido apresentada dez dias após o fim do prazo contratual, o ministério incluiu a garantia fidejussória no sistema de pagamentos do governo federal como se fosse um seguro-garantia", apontou Randolfe.

Por decisão da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), Tolentino poderá ficar em silêncio para não responder perguntas que possam incriminá-lo. A defesa do advogado pediu ainda que a Corte impedisse a condução coercitiva, mas Cármen Lúcia negou o pedido na noite de segunda-feira.

Pela decisão da Justiça Federal em Brasília, Tolentino estará sujeito a sanções, como multa e pagamento das custas da diligência, caso falte ao depoimento sem justificativa. Ele também poderá responder pelo crime de desobediência. O juiz Francisco Codevila também afirmou que a CPI deverá avaliar os motivos da justificativa, caso ele apresente alguma, antes de decidir conduzi-lo coercitivamente.

Tolentino, que é dono da Rede Brasil de Televisão, seria ouvido em 1º de setembro, mas não compareceu à sessão e alegou que estava internado com problema de saúde. O empresário entregou à CPI um atestado médico.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também