Brasil

Comandante do Exército diz que instituição repudia impunidade

A um dia do julgamento do habeas corpus de Lula, general Villas Bôas usou as redes sociais para questionar o comportamento das instituições brasileiras

Villas Bôas: "Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à democracia" (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Villas Bôas: "Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à democracia" (Antonio Cruz/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 3 de abril de 2018 às 22h52.

Última atualização em 4 de abril de 2018 às 13h28.

Sem citar diretamente o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para esta quarta-feira, 4, no Supremo Tribunal Federal (STF), o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, usou as redes sociais para questionar o comportamento das instituições brasileiras e dizer que o Exército repudia a impunidade e está à disposição da Nação brasileira.

"Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?", questionou o comandante, que tem mais de 112 mil seguidores no Twitter.

O general disse ainda assegurar à Nação "que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais".

Conforme mostrou o jornal O Estado de S.Paulo nesta terça-feira, 3, o general de Exército da reserva Luiz Gonzaga Schroeder Lessa disse que, se o STF deixar Lula solto, estará agindo como "indutor" da violência entre os brasileiros, "propagando a luta fratricida, em vez de amenizá-la".

Lessa foi além. Disse que, se o tribunal permitir que Lula se candidate e se eleja presidente, não restará outra alternativa do que a intervenção militar. "Se acontecer tanta rasteira e mudança da lei, aí eu não tenho dúvida de que só resta o recurso à reação armada. Aí é dever da Força Armada restaurar a ordem. Mas não creio que chegaremos lá."

Lessa já havia se manifestado na semana passada à Rádio Bandeirantes, de Porto Alegre, quando também foi enfático. Disse que a confrontação não será pacifica. "Vai ter derramamento de sangue, infelizmente é isso que a gente receia." E acrescentou que essa crise "vai ser resolvida na bala."

Procurado, o Exército informou que as declarações de Lessa representam a "opinião pessoal" dele. "O Exército brasileiro pauta sua atuação dentro dos parâmetros legais balizados pela Constituição Federal e outras normas que regem o assunto." O STF disse que não se manifestaria sobre o caso.

 

 

Acompanhe tudo sobre:ExércitoLuiz Inácio Lula da SilvaSupremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Megaoperação contra golpes cibernéticos: grupo tinha 540 sites falsos de leilão de carros

Polícia Federal retoma agendamentos para emissão de passaportes após suposto ataque

Agência Nacional de Saúde (ANS) adia início de novas regras de inadimplência para planos de saúde

MP-SP denuncia 10 pessoas em operação contra grupo ligado ao PCC suspeito de fraudar licitações

Mais na Exame