Caminhoneiros fazem greve em estradas de 5 estados; veja vídeo

Categoria realiza movimento em apoio ao presidente Jair Bolsonaro, logo após os discursos do 7 de setembro; polícia rodoviária desfaz bloqueio em estradas de Santa Catarina
 (Ueslei Marcelino/Reuters)
(Ueslei Marcelino/Reuters)
Carla Aranha
Carla Aranha

Publicado em 08/09/2021 às 15:33.

Última atualização em 09/09/2021 às 15:53.

Um dia após os discursos do presidente Jair Bolsonaro em Brasília e São Paulo, nos quais criticou o Supremo Tribunal Federal (STF) e voltou a defender o voto impresso, caminhoneiros decidiram parar vários pontos de estradas em pelo menos 5 estados. Pela manhã, eram ao menos 15 estados com bloqueios.

No boletim divulgado próximo das 15h, o Ministério da Infraestrutura informou que ainda são registrados pontos de concentração em rodovias federais de 13 estados, mas não há mais registros de interdições na malha rodoviária.

Entre 8h e 13h, foram liberados pontos nos estados de Rio Grande do Sul, Paraná, Espírito Santo, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Rondônia, Pará e Roraima.

Na quarta, 8, um grupo de cem caminhoneiros resolveu bloquear a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, e tentou chegar a locais de acesso ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Congresso.

De acordo com lideranças da categoria, que não endossam os protestos dos caminhoneiros, as paralisações são organizada por grupos que apoiam o governo.

Segundo o Ministério da Infraestrutura, que monitora greves da categoria, foram registrados na madrugada desta quinta-feira pontos de bloqueio em rodovias federais em estados como a Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Paraná e Maranhão. Em Santa Catarina, a mobilização chegou a ameaçar o abastecimento e a Polícia Rodoviária Federal entrou em ação para liberar as estradas (veja vídeo abaixo).

Segundo a pasta, o movimento é espontâneo. "Não há coordenação de qualquer entidade setorial do transporte rodoviário de cargas e a composição das mobilizações é heterogênea, não se limitando a demandas ligadas à categoria", informou a pasta em nota.

A pasta disse ainda que não há previsão de que os bloqueios nas rodovias afetem o abastecimento de produtos no país, mas a situação já preocupa as distribuidoras de combustíveis.

A Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), que diz congregar 4.000 empresas do setor, disse em nota que as paralisações poderão causar sérios transtornos, com graves consequências para o abastecimento de produtos, incluindo alimentos, medicamentos e combustíveis. Entidades representativas de caminhoneiros autônomos dizem não apoiar os protestos.

Um dos líderes da greve, Francisco Burgardt, conhecido como Chicão Caminhoneiro, pretendia entregar nesta quarta um documento ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, pedindo a destituição de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). "O povo brasileiro não aguenta mais a forma impositiva que STF vem se posicionando. O povo brasileiro está aqui (Esplanada dos Ministérios) buscando solução e só vamos sair daqui com solução na mão", disse Chicão, que preside União Brasileira dos Caminhoneiros (UBC), em vídeo que circula pelas redes sociais.

Os caminhoneiros representam uma forte base de apoio do governo. A paralisação da categoria teve início pouco mais de 24 horas após os discursos do presidente Jair Bolsonaro no feriado do 7 de setembro. Em seu pronunciamento em São Paulo, Bolsonaro disse que não cumprirá "ordens" do STF e chamou o ministro Alexandre de Moraes de "canalha". Observando a multidão que o aplaudia, do alto do palanque montado na avenida Paulista, o presidente reforçou o discurso contra Moraes. "A paciência do nosso povo já se esgotou. Ele que vá cuidar da sua vida. Para nós, ele não existe mais", afirmou.

Com Estadão Conteúdo.

  • Entenda como as decisões do Planalto, da Câmara e do Senado afetam seus investimentos. Assine a EXAME.