Logo Exame.com
Mercados

A homenagem de Buffett a Charlie Munger: 'O arquiteto da Berkshire'

"Embora eu tenha há muito tempo liderado a equipe de construção, Charlie deve ser creditado para sempre como o arquiteto", escreveu Buffett na abertura de sua aguardada carta anual

Charlie Munger e Warren Buffett na Berkshire Hathaway (JOHANNES EISELE/AFP/Getty Images)
Charlie Munger e Warren Buffett na Berkshire Hathaway (JOHANNES EISELE/AFP/Getty Images)
Natalia Viri

24 de fevereiro de 2024 às 11:46

A carta anual de Warren Buffett é sempre aguardada como um termômetro de seus investimentos e, mais importante, como um indicativo de para onde um dos maiores investidores da história está vendo os ventos soprarem.

Na edição referente a 2023, que acaba de ser publicada, a expectativa também era por sua homenagem a Charlie Munger, sócio, amigo, sócio e braço direito na construção da Berkshire Hathaway, falecido no fim do ano passado, pouco mais de um mês antes de completar seu centenário.

Logo na abertura do relatório anual da Berskshire, Buffett dedica uma página a resumir o legado de Munger para empresa. Não precisava de mais. O investidor atribui a seu sócio - "parte irmão mais velho, parte pai amoroso", em suas próprias palavras - o mérito pela ideia da Berkshire como ela é hoje. 

"Na realidade, Charlie foi o arquiteto da Berkshire atual, e eu atuei como o "empreiteiro geral" para realizar a construção diária de sua visão. Charlie nunca procurou receber crédito por seu papel como criador, mas, em vez disso, me deixou receber os elogios", diz Buffett.

E conclui:

"No mundo físico, grandes edifícios são associados aos seus arquitetos, enquanto aqueles que despejaram o concreto ou instalaram as janelas são logo esquecidos. A Berkshire tornou-se uma grande empresa. Embora eu tenha há muito tempo liderado a equipe de construção, Charlie deve ser creditado para sempre como o arquiteto."

A seguir, a carta sobre Munger na íntegra, em tradução livre:

Charlie Munger - O Arquiteto da Berkshire Hathaway

Charlie Munger faleceu em 28 de novembro, apenas 33 dias antes de seu 100º aniversário. Embora tenha nascido e crescido em Omaha, passou 80% de sua vida em outros lugares. Consequentemente, só o conheci em 1959, quando tinha 35 anos. Em 1962, decidiu que deveria se dedicar à gestão de dinheiro.

Três anos depois, ele me disse - corretamente! - que eu havia tomado uma decisão tola ao comprar o controle da Berkshire. Mas, ele me assegurou, como eu já havia feito o movimento, ele me diria como corrigir meu erro.

No que vou relatar a seguir, tenha em mente que Charlie e sua família não tinham um centavo investido na pequena parceria de investimentos que eu estava administrando na época e cujo dinheiro eu havia usado para a compra da Berkshire. Além disso, nenhum de nós esperava que Charlie algum dia fosse ser acionista da Berkshire.

No entanto, Charlie, em 1965, prontamente me aconselhou: "Warren, esqueça a ideia de comprar outra empresa como a Berkshire. Mas agora que você controla a Berkshire, acrescente a ela negócios maravilhosos comprados a preços justos e desista de comprar negócios justos a preços maravilhosos. Em outras palavras, abandone tudo o que aprendeu com seu herói, Ben Graham. Funciona, mas apenas quando praticado em pequena escala." Com muitos deslizes, posteriormente segui suas instruções.

Muitos anos depois, Charlie se tornou meu sócio na administração da Berkshire e, repetidamente, me trouxe de volta à sanidade quando meus velhos hábitos apareciam. Até sua morte, ele continuou nesse papel, e juntos, com aqueles que investiram conosco desde o início, acabamos muito melhor do que Charlie e eu poderíamos ter sonhado.

Na realidade, Charlie foi o "arquiteto" da Berkshire atual, e eu atuei como o "empreiteiro geral" para realizar a construção diária de sua visão. Charlie nunca procurou receber crédito por seu papel como criador, mas, em vez disso, me deixou receber os elogios. De certa forma, sua relação comigo era parte irmão mais velho, parte pai amoroso. Mesmo quando ele sabia que estava certo, ele me dava as rédeas, e quando eu cometia um erro, ele nunca - nunca - me lembrava do meu erro.

No mundo físico, grandes edifícios são associados aos seus arquitetos, enquanto aqueles que despejaram o concreto ou instalaram as janelas são logo esquecidos. A Berkshire tornou-se uma grande empresa. Embora eu tenha há muito tempo liderado a equipe de construção, Charlie deve ser creditado para sempre como o arquiteto.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.