Logo Exame.com
Aviação

Upgrade do JPMorgan consolida novo consenso para a Embraer 

Banco aumenta o preço-alvo de R$ 28 para R$ 51 por ação — isso, sem considerar o potencial da Eve, eVTOLs  

Embraer: ação recebe mais uma aposta generosa de preço-alvo


(Foto: Germano Lüders
30/10/2008) (Germano Lüders/Exame)
Embraer: ação recebe mais uma aposta generosa de preço-alvo (Foto: Germano Lüders 30/10/2008) (Germano Lüders/Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

22 de março de 2024 às 16:55

Uma semana depois de o Morgan Stanley dar um mega upgrade na Embraer, hoje foi a vez do JPMorgan quase duplicar seu preço-alvo para o papel, aumentando de R$ 28 para R$ 51 – com um potencial de alta de mais de 50% em relação à cotação atual.   

O movimento consolida a construção de um novo consenso em relação à fabricante de aviões brasileira, que está bem-preparada e colhendo os frutos de anos de investimento para fazer frente ao duopólio de Boeing e Airbus. 

As estimativas do JPMorgan não levam em conta a contribuição da Eve, braço de eVTOLs – os veículos elétricos voadores que prometem revolucionar a mobilidade urbana.  

O banco vê uma opcionalidade na divisão, que nasceu dentro da Embraer, que pode adicionar mais R$ 22 por ação, caso a tecnologia se prove eficiente e comece a ganhar escala comercial. A Embraer detém 90% de participação na Eve. 

O relatório foi mais uma injeção de ânimo para as ações, que lideravam as altas no Ibovespa nesta sexta-feira, 22.  

Neste ano, as ações da Embraer sobem 50,5%. Somente neste mês, a alta é de 47%, em meio aos upgrades dos analistas e de um balanço forte apresentado no começo desta semana.   

Os analistas do JPMorgan calculam que a Embraer está negociando a uma múltiplo EV/Ebitda de 7,2x para 2024. Isso seria abaixo de sua média de cinco anos de 8,3x e abaixo de sua média de dez anos de 7,5x, o que sinaliza um espaço importante para crescimento do preço da ação.  

Segundo o banco, a empresa está com os “motores aquecendo” neste ano reportando notícias positivas no primeiro trimestre, que é um período tradicionalmente mais fraco. 

Além de potenciais novos pedidos de E2 conforme a companhia continua suas campanhas comerciais Estados Unidos, a empresa reportou pedidos de aeronaves do segmento de defesa para Índia e Arábia Saudita, bem como a conversão dos memorandos de entendimento para 11 aeronaves com outros países.   

A equipe de analistas do banco também vê um potencial de fluxo e caixa de US$ 300 milhões a US$ 400 milhões pela conclusão do processo de arbitragem aberto pela Embraer contra a Boeing por causa da rescisão do negócio bilionário entre as duas. 

Na teleconferência de resultados, a gestão da companhia sinalizou que isso deve ser concluído ainda no primeiro trimestre de 2024.  

Os analistas de aviação do JPMorgan mantiveram a projeção de Ebitda para 2024 em US$ 701 milhões, mas elevaram em 7% a estimativa para 2025, para US$ 827 milhões, refletindo um aumento equivalente na receita.  

“Além disso, o pedido recente da American Airlines também resultou em um aumento em nossas margens esperadas para 2025 e 2026”, acrescentam, prevendo margem Ebitda de 11,9% em 2025 e 12,7% em 2026.  A companhia aérea encomendou 90 jatos E-175, no valor de lista de US$ 4,7 bilhões.

LEIA MAIS:

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
No xadrez da consolidação dos hospitais, o Mater Dei é comprador

No xadrez da consolidação dos hospitais, o Mater Dei é comprador

Rede D'or: Carlyle vende R$ 2 bi em leilão e zera posição

Rede D'or: Carlyle vende R$ 2 bi em leilão e zera posição