Logo Exame.com
Empresas

Itaú BBA corta recomendação do Pague Menos e ação cai mais de 10%

Banco mantém visão mais conservadora, apesar de reconhecer ganhos pós-incorporação da Extrafarma

Pague Menos: outro ponto de atenção é a alavancagem financeira (Divulgação/Pague Menos)
Pague Menos: outro ponto de atenção é a alavancagem financeira (Divulgação/Pague Menos)
Raquel Brandão

4 de janeiro de 2024 às 16:01

O Itaú BBA rebaixou para neutro a recomendação da ação da varejista farmacêutica Pague Menos e cortou o preço-alvo de R$ 5 para R$ 4,20, de olho num ritmo mais lento de abertura de lojas e na expectativa de um reajuste de preços de medicamentos mais baixo do que os de anos anteriores. “Com a ação sendo negociada a 37x preço / lucro para 2024, decidimos nos afastar por enquanto.”

O relatório fez preço. A ação despencava mais de 12% nesta quinta-feira, para R$ 3,38. Em 2023, o papel recuou 7%.

A equipe comandada por Thiago Macruz destaca os ganhos pós-incorporação da Extrafarma, que “tem trazido mais boas notícias do que más ultimamente”. No entanto, observa que ainda há trabalho a ser feito.

“Nos últimos trimestres, a unidade de negócios apresentou melhorias perceptíveis, e seu Ebitda ficou em território positivo, mas a diferença operacional em relação às cifras isoladas da Pague Menos ainda não foi superada”, diz.

Segundo os analistas, uma alavanca potencial para impulsionar as vendas é a conversão de algumas lojas da Extrafarma para a bandeira da Pague Menos. Onze lojas foram convertidas no primeiro trimestre do ano passado, e os resultados iniciais animaram. O crescimento das vendas foi quase 4 vezes maior do que de todo o grupo. Esses números levaram a administração a converter outras 44 lojas nos últimos três meses de 2023.

“Estamos revisando para baixo nossas estimativas de receita para a Extrafarma em 2024, principalmente devido a um reajuste de preços de medicamentos mais baixo, mas incorporando melhores tendências de vendas para a unidade em termos relativos”, acrescentam.

Outro ponto de atenção é a alavancagem financeira. A empresa adotou medidas para melhorar sua estrutura de capital, incluindo a captação de aproximadamente R$ 300 milhões e, mais recentemente, a revisão de sua projeção para abertura de lojas.

Pelos cálculos do banco, a Pague Menos deve apresentar uma relação dívida líquida/Ebitda de 2,6x no fim do de 2023, o que implica uma jornada ainda “significativa” para chegar ao guidance de alavancagem financeira de 1,7x até o fim de 2024. Para o banco, dado esse cenário mais conservador de ganhos operacionais, a alavancagem do grupo de farmácias deve ficar ainda em 1,9x em 2024.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado