Logo Exame.com
ExclusivoBebidas

Heineken compra participação na Better Drinks, dona da Praya e do Baer Mate

Aquisição de fatia minoritária, em fase avançada, é principal incursão do grupo no Brasil para além da cerveja

Empresa faturou cerca de R$ 50 milhões em 2023; mais que tamanho, o que interessa à Heineken é o posicionamento e a inovação (Better Drinks/Divulgação)
Empresa faturou cerca de R$ 50 milhões em 2023; mais que tamanho, o que interessa à Heineken é o posicionamento e a inovação (Better Drinks/Divulgação)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

5 de junho de 2024 às 08:55

Na sua principal incursão além da cerveja no Brasil, a Heineken está comprando uma participação na Better Drinks, dona de um portfólio que inclui o chá gaseificado Baer Mate e a Vivant, de vinhos em lata, fontes com conhecimento do assunto disseram ao INSIGHT. A companhia é dona também da cerveja artesanal Praya.

A aquisição, que está em fase final de conclusão, é de uma fatia minoritária. O anúncio oficial deve acontecer no fim de junho e passa por uma estratégia de ampliar a atuação da companhia e as ocasiões de consumo.

SAIBA ANTES: Receba as notícias do INSIGHT pelo Whatsapp

A Better Drinks foi criada em 2022, por Felipe Della Negra, ex-CEO da Red Bull Brasil, Felipe Szpigel, ex-AB InBev. Nasceu da união de cinco diferentes negócios: além da Baer Mate e da Vivant, inclui a Five Drinks, de drinks prontos, a Mamba, de água em lata, e a cerveja artesanal Praya. Há ainda o Vermelhão, uma bebida alcoólica lançada em parceria com Gusttavo Lima que lembra um Campari.

Na união com a Heineken, Della Negra deve continuar tocando o negócio. Parte da equipe já está trabalhando no escritório da cervejaria holandesa em São Paulo.

Num ano de desaceleração do setor depois do salto de consumo da pandemia, a Better Drinks faturou cerca de R$ 50 milhões em 2023. Embora pequena, a Better Drinks é considerada um player de relevância, principalmente pelo posicionamento e pelo pipeline de inovação, que mira nichos que vão da sustentabilidade à praticidade.

Antes da compra, o portfólio já vinha sendo distribuído pela própria Heineken. O produto mais vendido é chá o Baer Mate – uma espécie de energético natural, que traz a energia da cafeína, mas com o sabor do mate, adoçado com suco de maçã.

A aquisição visa fortalecer o portfólio da Heineken num filão que já vem sendo explorado pela concorrente Ambev. Em 2021, a dona da Brahma começou a organizar as bebidas que não eram cerveja dentro de uma só divisão, batizada de Beyond Beer.

Os números da divisão ainda não são divulgados pela Ambev, mas na operação global, a Beyond Beer respondeu por US$ 320 milhões da receita de bilhões da AB InBev e cresceu um dígito baixo.

Na Heineken global há poucas informações sobre o segmento. No relatório do primeiro trimestre, a única citação é para o crescimento de “cerca de 10%” do portfólio beyond beer na África do Sul.

No Brasil, o grupo comprou a Brasil Kirin em 2017, mas a partir de 2020 intensificou a reformulação de seu portfólio.

Diminuiu os investimentos em cervejas econômicas e deu mais foco para os rótulos Heineken e Amstel, além de estratégias de marketing específicas para Eisenbahn, Baden Baden e Lagunitas.

Também alterou o portfólio de bebidas sem álcool. Hoje fazem parte do portfólio as marcas FYS, Clash’d, Itubaína, Água Schin, Schin Tônica, e Skinka.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
A aposta de R$ 25 bi da ArcelorMittal no aço brasileiro – apesar da China

A aposta de R$ 25 bi da ArcelorMittal no aço brasileiro – apesar da China

Localiza: BTG vê redução na depreciação apenas em 2025 e corta preço-alvo em mais de 20%

Localiza: BTG vê redução na depreciação apenas em 2025 e corta preço-alvo em mais de 20%