Logo Exame.com
Breaking NewsEmpresas

GPA lança follow-on mirando de R$ 500 milhões a R$ 1 bi

Dona do Pão de Açúcar já havia sinalizado intenção de realizar oferta; estrutura comporta diluição menor que a antecipada

Pão de Açúcar: dívida ficou R$ 2 bilhões menor
(Foto: GPA/Divulgação) (GPA/Divulgação)
Pão de Açúcar: dívida ficou R$ 2 bilhões menor (Foto: GPA/Divulgação) (GPA/Divulgação)

4 de março de 2024 às 22:49

Após dois meses de idas e vindas, o GPA acaba de lançar oficialmente um follow-on para reforçar sua estrutura de capital. Considerando os preços de tela, a oferta, que havia sido sinalizada ao mercado no começo de dezembro, pode movimentar entre R$ 500 milhões e R$ 1 bilhão.

Totalmente primária, os recursos vão reforçar o caixa da companhia e significam uma diluição brutal – de 34% a 50%, a depender do volume captado. Originalmente, o GPA tinha sinalizado uma oferta de R$ 1 bilhão.

A estrutura da oferta, contudo, com metade das ações a serem emitidas na tranche base e o restante no chamado ‘hot issue’, que pode ou não ser exercido, pode trazer menos pressão para o papel, que vem sofrendo com forte volatilidade desde meados do ano passado.

Desde o anúncio da intenção de realizar o follow-on as ações acumulam queda de 16%. Com uma das ações com maior posição short (apostando na queda) do Ibovespa, a oferta já nasce quase 30% coberta. São 40 milhões de ações em posições vendidas, que podem ser cobertas na oferta que totaliza, na operação base, 140 milhões de ações.

“Com essa estrutura, aumentam as chances de a operação sair, estava difícil puxar R$ 1 bilhão”, diz um gestor ouvido pelo INSIGHT.

Em processo de reestruturação operacional e principalmente financeira, a redução da alavancagem está nas agendas prioritárias do CEO Marcelo Pimentel. Uma série de iniciativas, como a venda da fatia da CNova e do Éxito, e outras em estudo, como a venda de postos de gasolina e da sede, que podem trazer mais de R$ 450 milhões para o caixa, deram alívio algum alívio ao indicador.

Mais azeitada e impulsionada positivamente pela sazonalidade do quarto trimestre, a operação também gerou caixa – ainda que o mercado questione o quanto dessa geração será recorrente. Com a oferta, a empresa também anunciou a suspenção da projeção de margem Ebitda ajustada de 8% a 9% para o ano.

O follow-on deve marcar a diluição do Casino, que hoje detém 41% do capital social e vem enfrentando uma série de problemas financeiros próprios a resolver na França.

Com objetivo de arrumar a casa, o Casino já sinalizou que não deve entrar na oferta, seguindo seu plano anunciado de sair dos ativos na América Latina -- movimento iniciado com a saída de Assaí e a venda da rede colombiana Éxito.

Se as 280 milhões de ações forem negociadas, a fatia do grupo francês passa a ser de 20,1%. Considerando a oferta base, a participação do grupo vai de ser 26,9%.

Também irá propor um novo desenho para seu conselho de administração, já refletindo a diminuição da ascendência do Casino.

Atualmente, de nove cadeiras do conselho de administração, quatro são indicações do Casino e uma, que também era indicação do grupo francês está vaga pois pertencia ao atual CFO, Rafael Russowsky.

Pela nova proposta, o Casino teria apenas duas cadeiras, a serem ocupadas por Christophe José Hidalgo e Philippe Alarcon. Uma cadeira seguiria com o CEO Marcelo Pimentel e outras seis seriam ocupadas por conselheiros independentes.

Eleazar de Carvalho Filho, Luiz Augusto de Castro Neves e Renan Bergmann seriam reconduzidos ao cargo, e José Luis Gutierrez, Márcia Nogueira de Mello e Rachel Maia chegariam como novos membros independentes.

A oferta será precificada no próximo dia 13. Itaú BBA (líder), BTG, Bradesco, JP Morgan e Santander coordenam a operação.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Separada da Coty, Wella Brasil triplica crescimento e 'exporta' CEO

Separada da Coty, Wella Brasil triplica crescimento e 'exporta' CEO

No GPA, saem os franceses e chegam os chilenos? Casino negocia fatia com Cencosud

No GPA, saem os franceses e chegam os chilenos? Casino negocia fatia com Cencosud