Logo Exame.com
Fusões e Aquisições

Vinci Partners se une a Compass e salta para US$ 50 bi sob gestão

Operação triplica ativos sob gestão da Vinci; Compass terá 18% da gestora brasileira

Vinci Partners: Alessandro Horta, CEO da gestora brasileira diz que combinação é prazo significativo para crescimento de longo prazo (Vinci/Reprodução)
Vinci Partners: Alessandro Horta, CEO da gestora brasileira diz que combinação é prazo significativo para crescimento de longo prazo (Vinci/Reprodução)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

7 de março de 2024 às 21:39

A brasileira Vinci Partners acertou nesta quinta-feira, 7, uma combinação de negócios com a Compass, uma gestora americana especializada em operações na América Latina. Na prática, a Vinci vai incorporar a Compass e basicamentre triplicar o valor de ativos sob sua gestão para US$ 50 bilhões -- tornando-se a maior gestora brasileira independente nesse quesito.

A operação também amplia o mapa da Vinci, expandindo sua presença geográfica em oito países, como foco na região da América Latina. "A combinação com a Compass representa o passo mais significativo até agora em nosso plano estratégico de crescimento de longo prazo", diz Alessandro Horta, CEO e um dos sócios fundadores da Vinci. Entre os fundadores da gestora também está Gilberto Sayão, atual presidente do conselho. 

A Compass é uma gestora de ativos independente e empresa de consultoria de investimentos que atua em sete países latino-americanos, além de estar nos Estados Unidos e Reino Unido. Fundada em 1995, ela tem 20 sócios executivos. Para a Compass, a combinação dá acesso a um conjunto líder e diversificado de oportunidades de investimento alternativo no Brasil, pela atuação da Vinci. 

O principal negócio da nova companhia será private equity, mas fundos exclusivos customizados para clientes (IP&S) também devem representar parte relevante da receita. Hoje, a Vinci tem R$ 8 bilhões em private equity, com investimentos em empresas como a rede de alimentação Domino's, o laboratório de imagem diagnóstica Cura, e o grupo de varejo dono das lojas Le Biscuit.

Segundo o comunicado, a transação terá um valor total inicial de 11.783.384 ações da classe A da Vinci, e uma parcela em dinheiro de US$31,3 milhões, na forma de ações resgatáveis da classe C. Ou seja, os sócios da Compass ficarão com 18% da Vinci, que é listada na Nasdaq.

Conforme o acordo, os sócios da Compass têm direito a um 'earn-out' de até uma participação adicional de 7,5%, sujeito à realização de métricas de desempenho, a ser pago até 2028.

Concluída a combinação, Manuel Balbontín, sócio, fundador e presidente da Compass, e Jaime de la Barra, sócio, fundador e vice-presidente da gestora americana, se juntarão ao conselho de administração da Vinci.

Executivos e gestores seniores da Compass continuarão em seus cargos atuais, seguindo um plano de longo prazo alinhado com o plano atualmente em vigor para os sócios executivos da Vinci.

A expectativa é que a transção seja concluída no terceiro trimestre de 2024, sujeita a aprovações regulatórias.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Minerva: órgão antitruste do Uruguai reprova compra de plantas da Marfrig

Minerva: órgão antitruste do Uruguai reprova compra de plantas da Marfrig

CEOs de Renner e Guararapes se unem em linha de frente por fim de isenção a compras internacionais

CEOs de Renner e Guararapes se unem em linha de frente por fim de isenção a compras internacionais