Logo Exame.com
Empresas

Safra vê resultados de turnaround e eleva Alpargatas de 'venda' para 'neutro'

Banco revisou estimativas da cesta de consumo para o segundo semestre e elegeu vencedoras e perdedoras num ambiente ainda complexo, mas mais otimista do que o de 2023

Alpargatas:  trabalho de reestruturação está parcialmente já entregue, diz Safra  (Paulo Fridman/Bloomberg)
Alpargatas: trabalho de reestruturação está parcialmente já entregue, diz Safra (Paulo Fridman/Bloomberg)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

23 de maio de 2024 às 14:44

Depois dos números do primeiro trimestre, a equipe de consumo e varejo do Safra resolveu revisar seu portfólio já de olho nos números do segundo semestre. Numa escolha de vencedoras e perdedoras para os primeiros três meses do ano, o banco deu upgrade de ‘venda’ para ‘neutro’ para a Alpargatas, em meio a seu processo de turnaround.

Segundo a equipe, a empresa conseguiu entregar parcialmente seu plano de reestruturação e apresentou números mais saudáveis em comparação com as estimativas anteriores, o que reduziu o risco para o papel. O preço-alvo passou de R$ 8,90 para R$ 11,3 – um prêmio de 13,5% sobre o preço de fechamento do pregão de quarta-feira.

Hoje, com mudança de recomendação, a ação chegou a subir para R$ 10,26, mas o cenário menos otimista na Bolsa pesou e o papel perdeu fôlego, anulando os ganhos das primeiras horas de pregão. Às 14h era negociado a R$ 9,94.

Embora reconheça que o ambiente para o consumo discricionário perdeu algum brilho, os analistas do Safra ainda veem um cenário mais otimista em 2024 do que o de 2023. Os profissionais também passaram a incluir em seus cálculos os novos parâmetros de subsídio fiscal, cujo impacto é relevante para as empresas do portfólio.

Diante disso, o papel preferido para a segunda metade do ano é o do grupo SBF, dono da Centauro e distribuidor da Nike no país. “Continua negociando a múltiplos baixos, apresentando retornos atrativos em termos de avaliação, e tem mostrado crescimento consistente do EBITDA e geração de caixa nos últimos trimestres”, escrevem. O Safra manteve recomendação de compra, elevando o preço-alvo de R$ 15,20 para R$ 18,50.

Outra aposta do time é a C&A, com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 13,50. “Agora vemos a empresa mais bem posicionada para entregar resultados sólidos no C&A Pay e no vestuário; assim, revisamos nossas estimativas para um múltiplo atrativo de 11x P/L 2025.”

Para eles, a Smartfit, rede de academias, também deve continuar entregando um crescimento sólido de receita devido ao aumento na abertura de lojas e margens saudáveis, com amadurecimento mais rápido de algumas lojas. O papel tem recomendação de compra, e o preço-alvo passou de R$ 28,50 para R$ 28.

Embora não coloque a Lojas Renner como uma das apostas para esse ano, o banco manteve recomendação de compra para o papel e fez ajuste no preço-alvo, de R$ 21,70 para R$ 21,90. Para a concorrente Guararapes, dona da Riachuelo, manteve o neutro, com preço-alvo indo de R$ 7,70 para R$ 8,10.

Também com recomendação de compra, os analistas cortaram o preço-alvo de Arezzo de R$ 83,10 para R$ 75,30 e o da Soma de R$ 10,10 para R$ 9,10. “Ambas registraram uma desaceleração nas vendas, e maiores impostos sobre vendas e renda pressionaram os resultados, especialmente o da Soma.” Embora os resultados tenham sido “um tanto decepcionantes”, segundo os analistas, as duas empresas ainda entregaram expansão de margem Ebitda na comparação anual, com foco em lucratividade, o que deve permanecer como o principal motor para suas ações.

Mas a maior prejudicada da Medida Provisória nº 1185, que trata dos subsídios fiscais, foi a Vivara, avalia a equipe do Safra. As mudanças se sobrepuseram à última linha do balanço da joalheria. “A combinação de menores créditos fiscais gerados com maiores impostos sobre a renda levou a uma queda no lucro líquido de 7%, uma dinâmica que, acreditamos, pesará nos resultados dos próximos trimestres.”

O banco manteve recomendação neutra para a companhia, mas cortou o preço-alvo de R$ 37,3 para R$ 25,20. Às 14h, a ação da Vivara recuava 1,56%, para R$ 22,10.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Brilhante como ouro: Safra inicia cobertura de Aura com recomendação de compra

Brilhante como ouro: Safra inicia cobertura de Aura com recomendação de compra

Futebol, IA e a maldição do combustível fóssil: a visão do gestor do fundo saudita de US$ 1 trilhão

Futebol, IA e a maldição do combustível fóssil: a visão do gestor do fundo saudita de US$ 1 trilhão