Logo Exame.com
Fundo Verde

Por que o Verde voltou a apostar no real

Fundo da gestora de Luis Stuhlberger aproveitou o avanço do Ibovespa em novembro e o rali internacional para embolsar ganhos

Fichas no real: balança comercial é uma das razões por trás da melhora estrutural observada pela gestora (Germano Lüders/Exame)
Fichas no real: balança comercial é uma das razões por trás da melhora estrutural observada pela gestora (Germano Lüders/Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

11 de dezembro de 2023 às 18:00

Depois de ganhos com ações em novembro o fundo Verde, da gestora de Luis Stuhlberger, resolveu mudar as apostas e colocou mais fichas no real. Em novembro, o Verde aproveitou a alta de 12,5% do Ibovespa e o rali internacional para realizar lucro.

Reduziu tanto sua exposição em ações no Brasil quanto no exterior e manteve sua posição aplicada em juros reais no país. Mas o que chama a atenção na carta do Verde é que a decisão de ficar comprado no real contra o dólar, “por acreditar que uma melhora estrutural ocorreu ao longo de 2023 e talvez não tenha sido adequadamente percebida pela maioria dos analistas.”

Parte dessa melhora estrutural vem dos recordes na balança comercial brasileira. Em novembro, o saldo acumulado em 12 meses superou os US$ 90 bilhões, o maior da história. E, embora as previsões para 2024 sejam de moderação, a Verde acredita que os resultados recentes apontam para a direção oposta.

Para a gestora, a manutenção desse novo patamar, próximo a US$ 100 bilhões (o dobro do pré-pandemia), é um fator relevante na determinação da taxa de câmbio. O texto cita, por exemplo, o fato de que o preço dos produtos exportados, apesar de terem caído, já se estabilizaram, enquanto os importados seguem recuando, o que melhora os termos de troca. E acredita ser pouco provável uma mudança desse cenário.

A tese, porém, não se limita à evolução preços, que “conta parte, mas não toda a história”. É preciso olhar para os produtos que mais ganharam espaço na pauta exportadora: petróleo e soja. Ambos passaram por a uma onda de investimentos, que parece produzir ganhos estruturais, segundo a gestora.

“Não podemos garantir, mas não dá para descartar a hipótese de que a balança é de alguma forma antecedente de ventos ainda mais favoráveis vindos de fora, que ficarão mais evidentes quando os juros americanos começarem a cair”, diz a carta.

O fundo segue com posição comprada na rúpia indiana ante o renminbi chinês e aumentou posição no peso mexicano. Também zerou posições aplicadas na parte longa da curva nos EUA, mas continua aplicado no juro real americano.

Em novembro, o fundo Verde teve alta de 2,91% e acumula valorização de 10,85% no ano, ficando atrás da alta acumulada de CDI, de 12,04%.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Brilhante como ouro: Safra inicia cobertura de Aura com recomendação de compra

Brilhante como ouro: Safra inicia cobertura de Aura com recomendação de compra

Na Vinci, a grande aposta está no crédito privado

Na Vinci, a grande aposta está no crédito privado