Logo Exame.com
Balanços

Natura: integração com Avon pesa no 4º tri – mas os problemas ficaram para trás, diz CEO 

Combinação entre as forças de venda das duas marcas gerou incerteza sobre portfólio e rupturas, mas os desarranjos ficaram em 2023, aponta João Paulo Ferreira  

Ferreira, CEO da Natura&Co Latam: desbalanço de estoques e problemas logísticos deixaram revendedoras com atrasos nos pedidos (Foto: Germano Lüders/Exame) (Germano Lüders/Exame)
Ferreira, CEO da Natura&Co Latam: desbalanço de estoques e problemas logísticos deixaram revendedoras com atrasos nos pedidos (Foto: Germano Lüders/Exame) (Germano Lüders/Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

12 de março de 2024 às 15:15

A integração de Natura e Avon na América Latina – a principal aposta da Natura &Co para retomar vendas e rentabilidade – custou mais do que a companhia previa, reconheceu hoje João Paulo Ferreira, CEO da Natura &Co Latam, principal divisão do grupo de beleza.  

No quarto trimestre, na tentativa de definir um portfólio ideal para as duas marcas, houve desbalanço de estoques e problemas logísticos que deixaram revendedoras com atrasos nos pedidos, o que impactou o desempenho das vendas.  

No período, a receita da unidade ficou 8,5% maior em moeda constante, a R$ 4,88 bilhões – mas com queda de 17,9% em reais, num balanço um tanto poluído, impactado também pela inflação nos países em que opera, com destaque para a Argentina.  

Mas os desarranjos ficaram em 2023, garante JP. “Países em que integramos [as operações] não só se estabilizaram como também começaram a crescer. Estamos muito satisfeitos com o primeiro objetivo que era ganhar eficiência e rentabilidade do negócio”, diz.  

A Natura &Co Latam terminou o ano com margem bruta de 63,8% e o Ebitda 17% maior, a R$ 2,23 bilhões. O começo da chamada ‘Onda 2’ no Chile, agora no começo do ano, já veio sem os problemas de estoques e entregas, segundo o executivo. 

Com caixa de R$ 1,7 bilhão ao fim de 2023, recheado pelas vendas de Aesop e The Body Shop, a companhia planeja fazer melhorias de distribuição e logística a partir de julho.  

O entendimento da gestão é de que a estrutura ótima de capital representaria uma alavancagem entre 1x e 1,5x, conta Guilherme Castellan, CFO da Natura &Co. Em 2023, a relação entre dívida líquida e Ebitda ficou em 0,79x. 

Cisão da Avon Internacional

Enquanto concentra grande parte de seus esforços no negócio da América Latina, o grupo estuda o futuro da Avon. Segundo o CEO, Fabio Barbosa, a “venda não é uma opção”. Diferentemente da The Body Shop, que era mais exposta à operação de varejo, a Avon Internacional opera pela venda direta, o “core business” da Natura, argumenta o executivo.  

A empresa está estudando – com ênfase de Barbosa ao gerúndio – a separação das divisões em companhias independentes e listadas. “Temos um negócio bastante relevante, é um negócio grande. O que a gente precisa entender é como fazer esse negócio dar uma virada, ele tem melhorado e vamos apostar nessa evolução”, diz ele. A cisão viria sob a ótica de atrair mais investidores para cada negócio.  

A separação dos negócios em companhias independentes também ajudaria a ser mais ágil e a não haver distrações entre os negócios. Já em 2023, a empresa fez mudanças na administração da Avon Internacional, passando de quatro regiões para duas grandes regiões: Europa e resto do mundo (excluindo América Latina). “Isso está dentro do plano de ganho de margem, porque a estrutura anterior exigia mais times de liderança, mais tempo de decisão. Fizemos tudo isso sem disrupção no canal e conseguimos gerar eficiência de margem Ebitda”, acrescenta o CFO.  

Desde junho de 2022 no comando da empresa, Barbosa diz que o trabalho de mudança de estratégia tem mostrado resultado satisfatório, o que se confirma, segundo ele, na volta ao lucro ao fim de 2023: R$ 3 bilhões de ganho na última linha do balanço. “Demos foco maior na rentabilidade, do que em vendas e isso explica por que não temos crescimento de vendas auspicioso. Mas conseguimos uma posição de caixa forte e voltamos a pagar dividendos, o que não acontecia há seis ou sete anos”, defende.  

A Natura &Co vai pagar em 19 de abril R$ 979 milhões aos acionistas. Às 14h desta terça-feira, as ações da companhia lideravam os ganhos no Ibovespa, avançando 5,60%, para R$ 18,30.  

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Sabesp: Oferta será lançada amanhã; propostas para 2ª etapa saem dia 28

Sabesp: Oferta será lançada amanhã; propostas para 2ª etapa saem dia 28

XP vê 'armadilha de valor' na Ambev e rebaixa ação para neutro

XP vê 'armadilha de valor' na Ambev e rebaixa ação para neutro