Logo Exame.com
China

Na ressaca dos emergentes, há espaço para reacomodação, diz Citi – mas o Brasil não está no jogo

Tempo de emergentes como ‘categoria’ chegou ao fim, mas Índia e Sudeste Asiático seguem como boas opções, defende economista do banco

India: Muitos frutos ao alcance da mão: não faz parte da cadeia de valor global centrada na China e tem mercado doméstico forte, diz economista do Citi
India: Muitos frutos ao alcance da mão: não faz parte da cadeia de valor global centrada na China e tem mercado doméstico forte, diz economista do Citi
Raquel Brandão

Raquel Brandão

3 de julho de 2024 às 19:01

O cenário de ‘higher for longer’, com taxas de juros estruturalmente mais altas nos Estados Unidos, complicou o jogo para mercados emergentes. Mas depois de uma fuga de capital na categoria, há espaço para alguma reacomodação – dessa vez voltada para destinos específicos.

“Não é mais um modelo único para todos [os emergentes], e acho que haverá algumas oportunidades pontuais. A forma como se investe agora nos mercados emergentes têm de ser a mesma em que investimos em ações. Deve ser muito direcionado agora, e não vir de cima para baixo”, afirma Johanna Chua, economista-chefe do Citi para mercados emergentes, que esteve no Brasil para conferência do banco.

SAIBA ANTES: Receba as notícias do INSIGHT pelo Whatsapp

“Talvez o fluxo esteja sendo excessivamente impulsionado pela alta taxa de juros americana. Então, deveria haver alguma oportunidade para recalibrar o capital [ao longo dos próximos meses], mas estaremos em um cenário desafiador por um tempo.”

Nos últimos anos, a aversão a risco e os patamares de juros mais elevados fizeram com que os Estados Unidos drenassem boa parte do fluxo de capital. Ao menos um terço dos fluxos globais foram para o mercado americano ao longo de 2023 e a primeira metade de 2024, bem acima dos 18% que se via no período pré-pandemia.

Uma das principais apostas olhando em termos de crescimento ainda é na Índia.

“O país tem muitos frutos ao alcance da mão: não faz parte da cadeia de valor global centrada na China e é uma alternativa com mercado doméstico forte. E é um país geopoliticamente neutro”, afirma.

O primeiro-ministro Narendra Modi venceu as eleições deste ano para um terceiro mandato, mas com menos apoio. Ainda assim, Chua vê um ambiente de baixo risco político e econômico. “Nada realmente mudou e não há sinais de políticas populistas. Eles ainda são muito orientados [economica e politicamente] para negócios.”

Nessa lista de potenciais vencedores, Chua ainda vê boas oportunidades na Coreia do Sul, Taiwan e Malásia, criadas por um "ciclo tecnológico" — o Brasil não entrou nesse jogo (nem nas menções da economista), apesar dos acertos do Banco Central e no gerenciamento das políticas macroeconômicas, segundo ela.

O vácuo da China

Segundo ela, o cenário que se tinha até a covid-19 ficou mesmo no passado. Com juros básicos mais elevados e maior nível de risco, os países emergentes atraíam mais capital estrangeiro para seus títulos de dívida do que as economias desenvolvidas, mas esse já não é o retrato perfeito dos mercados, especialmente com uma recuperação mais lenta da economia chinesa.

“Não tem mais um superciclo de commodities na China puxando todos a reboque.”

Na perspectiva de crescimento de 5% para a economia chinesa neste ano, a participação de negócios com países emergentes tende a ser menor, com os estímulos do governo chinês para aumentar a exportação tornando a relação com essas economias menos amigável do que costumava ser.

A China, que até então crescia em ritmo meteórico, enfrenta muitos desafios estruturais, vê o mercado imobiliário com problemas e não crescerá como antes, segundo Chua. Além disso, o modelo chinês com mais intervenção estatal está afetando a confiança.

Ainda assim, a capacidade de reação chinesa não deve ser subestimada: "A China obviamente segue se mostrando extremamente competitiva em diferentes níveis de intensidade", diz.

Cortes em setembro

A expectativa de Chua e do time do banco ainda é de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) comece a cortar juros neste ano, a partir de setembro. O Citi chegou a prever cortes antes, mas mudou as perspectivas.

Na ata da última reunião, de 11 e 12 de junho e divulgada nesta quarta-feira, 03, mais um banho de água fria nas projeções mais otimistas: os membros do Fed avaliaram que a inflação americana está se movendo na direção certa, mas não com a rapidez suficiente para justificar uma queda nas taxas de juros.

Se, no entanto, os cortes virem ainda este ano, mais oportunidades se desdobrarão nos mercados emergentes e os fluxos de capital gradualmente mudarão, avalia Chua.

A corrida eleitoral americana entre Joe Biden e Donald Trump coloca, no entanto, uma camada extra de incerteza. "Não sabemos quais vão ser as políticas fiscais, de imigração e tarifas por exemplo. Tudo isso dificulta a vida do Fed e torna o dólar mais forte por mais tempo", diz.

Há considerável incerteza em torno da política comercial do ex-presidente Trump, mas se ele ganhar outro mandato, há um segundo desafio: a possibilidade de uma abordagem muito mais ampla para tarifas e controles de exportação.

A China provavelmente será o alvo das medidas comerciais mais punitivas, dobrando a aposta na debandada da produção global para países próximos e nações politicamente mais "amigas", nearshoring e friendshoring, respectivamente – novamente uma oportunidade para países mais neutros, como a Índia e o México.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Na corrida da IA, o Brasil pode entrar no mapa dos data centers

Na corrida da IA, o Brasil pode entrar no mapa dos data centers

Com céu limpo e altitude de cruzeiro, Latam ganha 'compra' do Itaú BBA

Com céu limpo e altitude de cruzeiro, Latam ganha 'compra' do Itaú BBA