Logo Exame.com
Fleury

Fleury: expectativa de sinergia com Hermes Pardini aumenta para até R$ 220 milhões

Estimativa representa ganho de 16% em relação à cifra inicialmente divulgada

Fleury e Hermes Pardini: guidance de Ebitda incremental de até R$ 250 milhões está mantido (Leandro Fonseca/Exame)
Fleury e Hermes Pardini: guidance de Ebitda incremental de até R$ 250 milhões está mantido (Leandro Fonseca/Exame)
Karina Souza

Karina Souza

17 de abril de 2023 às 19:06

O Fleury tem uma nova estimativa de ganhos de rentabilidade a partir da aprovação fusão com Hermes Pardini pelo Cade: R$ 200 milhões a R$ 220 milhões por ano em Ebitda. A expectativa na ponta mais conservadora teve aumento de 25% e, na ponta mais otimista, de 16%, em relação ao que foi divulgado no momento da aquisição — julho de 2022. “Foram meses de trabalho intenso, mais de 60 iniciativas, com oito frentes de trabalho e mais de 70 pessoas dedicadas a esse mapeamento do processo de captura de sinergias", diz Jeane Tsutsui, CEO do Grupo Fleury, ao EXAME IN. De acordo com a companhia, 95% desse total será capturado nos próximos três anos posteriores à aprovação da combinação dos negócios.

O cálculo das sinergias é formado principalmente por redução de custos e despesas realizada a partir de agora, considerando também ganhos de produtividade e novas receitas que podem vir a partir da ampliação do portfólio de exames e serviços.  Começando pelo que deve ser aproveitado desde já, duas áreas se destacam: eficiência de compras e logística. A escala da companhia combinada vai permitir melhores condições de negociação com fornecedores, além de unificar rotas logísticas entre as empresas. É nesses ganhos, chamados de ‘hard synergies’ pela empresa, que está a maior parte do que deve vir ao longo do tempo. Outros pontos, como aumento de produtividade e ganho de receita, também são observados, mas, por estarem mais suscetíveis aos momentos de mercado, entram com menor peso dentro da expectativa da empresa.

A companhia combinada nasce com R$ 7,1 bilhões em receita bruta anual — aumento de 48% em relação ao que foi apresentado pelo Fleury em 2022 — mais de 520 unidades de atendimento e uma nova unidade de negócios, o lab-to-lab (unidade de processamento de exames de outros laboratórios), que nasce com cerca de 7 mil clientes. É um negócio de R$ 1,1 bilhão de receita por ano, de acordo com os dados de 2022, com crescimento contínuo desde 2018 . A partir da aquisição, ganha escala para continuar crescendo.

“O mercado B2B vem crescendo e é cada vez mais importante. Fazer exames especializados de forma eficiente acontece em todo o mundo. Combinado a isso, está o alto investimento do Fleury em P&D anualmente e o lançamento de novas metodologias. Hermes Pardini traz o modelo comercial e produtivo que, agora, passa a ser estendido a uma base muito maior de alcance”, diz Roberto Santoro, presidente do Grupo Pardini e que agora assume como presidente da unidade de negócios Lab-to-Lab.

A mudança é apenas uma das que acontecem a partir do aval do órgão antitruste para a aquisição. Novos cargos foram criados dentro da estrutura corporativa do Fleury: a presidência de Unidades de atendimento, Edgar Rizzatti, presidente de Novos Elos. Outros cargos foram mantidos (Jeane Tsutsui como diretora-presidente, José Filippo como diretor financeiro e de RI, Eduardo Marques como diretor de Pessoas, Andrea Bocabello, diretora executiva de Estratégia, Inovação e ESG, e William Malfatti como diretor de Comunicação). Por fim, outros três passam a ser ocupados por executivos de Hermes Pardini: além de Santoro, Alessandro Ferreira assume como diretor executivo Comercial e Marketing e João Alvarenga assume como diretor executivo de TI e Digital. 

A nova empresa nasce com uma estrutura de capital também bastante robusta. O Fleury concluiu em dezembro uma operação de aumento de capital privado de R$ 847,3 milhões, que trouxe a alavancagem da companhia para 1,2 vez dívida líquida/Ebitda, ante 1,7 vez no terceiro trimestre do ano passado. A companhia adquirida também vem com um endividamento baixo, na casa de 0,4 vez, de acordo com o relatório do ano de 2022. A combinação entre ambas deve ser de 1,1 vez, segundo José Felippo, CFO do Fleury. 

Em relação à efetivação do negócio pós-Cade, o rito a ser seguido é o seguinte: 90% da combinação dos negócios foi realizada por troca de ações, com cada acionista de Hermes Pardini recebendo 1,21 ação do Fleury. A partir de maio deste ano, as ações da empresa comprada deixam de ser negociadas e, após esse período, há um desembolso de caixa do Fleury de R$ 273 milhões (equivalente a 10% da operação). “Hermes Pardini já declarou dividendos que serão descontados da parcela em caixa. Portanto, teremos uma parcela em dividendos e a parcela que é o valor de resgate pela consumação da operação, depois da troca da base, em maio”, afirma a CEO. 

Depois de um ano de aquisições -- sendo esta a maior de todas as conduzidas ao longo de 2022 -- o Fleury começa a mostrar como vai organizar a casa a partir de agora. Aumento da presença nacional e do 'poder de fogo' para desenvolver e processar exames estão no centro da estratégia da empresa para enfrentar a nova fase. É só o começo.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Acompanhe:

Karina Souza

Karina Souza

Repórter Exame IN

Formada pela Universidade Anhembi Morumbi e pós-graduada pela Saint Paul, é repórter do Exame IN desde abril de 2022 e está na Exame desde 2020. Antes disso, passou por grandes agências de comunicação.

Continua após a publicidade
Fleury entra em SC com aquisição pequena — mas estratégica

Fleury entra em SC com aquisição pequena — mas estratégica

Depois da sangria, setor de saúde tem bom ponto de entrada na Bolsa, diz Safra

Depois da sangria, setor de saúde tem bom ponto de entrada na Bolsa, diz Safra