Logo Exame.com
Research

BTG vê Fleury como 'porto seguro' na saúde e eleva recomendação para compra

Em meio a cenário desafiador no setor, Fleury é opção defensiva e reforça a máxima de que é melhor prevenir do que remediar, diz a equipe do banco; ação sobe quase 5%

Fleury: empresa se posiciona como uma "defensora" robusta em tempos de mercado em baixa, diz time do BTG (Fleury/Divulgação)
Fleury: empresa se posiciona como uma "defensora" robusta em tempos de mercado em baixa, diz time do BTG (Fleury/Divulgação)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

27 de junho de 2024 às 15:26

Em meio a um cenário econômico desafiador, o BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME) escolheu o Fleury como uma opção defensiva e segura para os investidores. Com fundamentos sólidos, um modelo de negócios resiliente e uma perspectiva de crescimento consistente, a empresa promete retornos atraentes e segurança, reforçando a máxima de que, em tempos incertos, é melhor prevenir do que remediar.

A equipe comandada por Samuel Alves resolveu dar upgrade para o papel, passando a recomendar compra, com preço-alvo de R$ 18 (um prêmio de 25% sobre o valor de fechamento de ontem). A atualização deu fôlego para o papel, que subia mais de 4%, para R$ 15,03, entre as maiores altas do Ibovespa no pregão desta quinta-feira.

SAIBA ANTES: Receba as notícias do INSIGHT pelo Whatsapp

De acordo com a equipe, o Fleury se posiciona como uma "defensora" robusta em tempos de mercado em baixa, graças ao seu rendimento de dividendos atraente e ao desempenho atual, com previsão de crescimento do lucro por ação de 53% ano a ano no segundo trimestre, impulsionado pela captura de sinergias com a recente fusão com Pardini.

“Após uma desvalorização de 20% no acumulado do ano, a ação não está cara, sendo negociada a 11 vezes o lucro previsto para 2024 e 10 vezes o lucro de 2025”, escreve o time.

O modelo de negócios é resiliente, previsível e amplamente estável, com crescimento orgânico médio de um dígito alto, destaca o time do BTG. Segundo os analistas, a empresa parece isolada das muitas adversidades que atingem outras ações do setor. Com uma alavancagem baixa, de 1,2 vezes o Ebitda, sólida geração de fluxo de caixa livre e subrepresentada nos portfólios de investidores, a ação é apontada como uma opção segura.

Apesar de não oferecer perspectivas de crescimento massivo devido à sua alta participação de mercado, a tese de investimento da Fleury é consistente. “A empresa tem se beneficiado da execução fraca de seus principais concorrentes, ganhando participação em seu core business nos últimos anos e aumentando sua exposição a novos segmentos”, escrevem.

Ainda na análise, a equipe defende que a fusão com a Pardini tem sido um sucesso, com poucas ocorrências pontuais registradas no segundo trimestre de 2023 e a captura de sinergias seguindo conforme o planejado, o que tem aumentado as margens operacionais da empresa.

O Fleury tem R$ 8,21 bilhões de valor de mercado, mas ação acumula queda de 16,20% no ano.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Grupo Wine cria joint venture com Miolo e lança seus primeiros vinhos autorais

Grupo Wine cria joint venture com Miolo e lança seus primeiros vinhos autorais

Para o BTG, uma vitória de Trump pode fazer a Gerdau 'great again'

Para o BTG, uma vitória de Trump pode fazer a Gerdau 'great again'