Logo Exame.com
Fusões e Aquisições

Fleury entra em SC com aquisição pequena — mas estratégica

Rede paga R$ 70 milhões por Grupo São Lucas; penetração de clientes particulares é diferencial do ativo, diz a CEO do Fleury, Jeane Tsutsui

Fleury: aquisição do Grupo São Lucas traz expansão geográfica, mas a 'preço adequado', diz Tsutsui (Grupo Fleury/Divulgação)
Fleury: aquisição do Grupo São Lucas traz expansão geográfica, mas a 'preço adequado', diz Tsutsui (Grupo Fleury/Divulgação)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

22 de abril de 2024 às 21:21

O Fleury acaba de anunciar a compra do grupo de medicina diagnóstica São Lucas, de Itajaí, num movimento que inaugura a presença da empresa com unidades de atendimento em Santa Catarina.

O grupo tem cinco centros de atendimento em Itajaí e Balneário Camburiú e faturou R$ 47 milhões em 12 meses encerrados em março de 2024, algo em torno de 0,6% da receita do Fleury no período.

Uma das vantagens competitivas do ativo observada pelo Fleury foi a penetração de 32% de clientes particulares na receita. O restante é distribuído em diferentes fontes pagadores, com nenhuma operadora de plano de saúde superando 12% da receita total.

A aquisição saiu a R$ 69,8 milhões, com um múltiplo de implícito de 5,4 vezes o valor de empresa sobre o Ebitda. A título de comparação, o múltiplo EV/ Ebitda do Fleury nesse período foi de aproximadamente 6 vezes.

LEIA TAMBÉM: É grave, doutor? Nos hospitais listados, um mês a menos de receita em capital de giro

“É uma aquisição dentro da nossa estratégia de crescimento em análise e diagnóstico e expansão geográfica, em locais com crescimento econômico adequado, e mantendo nossa disciplina financeira”, afirma Jeane Tsutsui, CEO do Fleury em entrevista ao INSIGHT.

O múltiplo é parecido ao pago no IRN (Instituto de Radiologia de Natal), do Rio Grande do Norte, em 2018 e ficou abaixo do múltiplo de 7,5 vezes negociado em 2021 na compra do Laboratório Marcelo Magalhães, de Pernambuco, em 2021.

O Fleury já atuava no interior de Santa Catarina desde o ano passado como responsável técnico de análises clínicas em um hospital em Joinville e, após a combinação de negócios com o Pardini em 2023, passou a administrar também um Núcleo Técnico Operacional em Itajaí, dedicado ao mercado B2B.

Além de entrar em uma nova praça com o atendimento ao paciente, a integração com a área técnica do Pardini deve impulsionar a redução de custos. “Com a aquisição também temos a possibilidade de usar esse núcleo técnico para expandir. Vemos a possibilidade de nos destacarmos nessa região”, diz a CEO. A maior parte da competição na região é de operadores locais.

Desde 2017, o Fleury fez 17 aquisições e a combinação de negócios com o Grupo Pardini. Nos últimos anos, contudo, tem sinalizado uma postura mais conservadora em M&As.

Na contramão de outras empresas do setor, o Fleury tem uma alavancagem controlada, de 1,2 vezes o EBITDA no fim do quarto trimestre, mas adotou uma abordagem mais cautelosa em meio ao custo de capital elevado. Com um posicionamento mais premium, a empresa tem sofrido menos com o alongamento de prazos e glosas dos planos de saúde.

“Temos uma alavancagem boa, mas vínhamos falando que embora seguíssemos olhando ativos, as aquisições precisavam ser num preço adequado”, reforça a CEO.

Na avaliação do Itaú BBA, os múltiplos da transação são atraentes. “Embora pequena para impactar significativamente uma empresa como o Fleury, essa é uma aquisição positiva do ponto de vista estratégico, pois mostra que a empresa pode se alavancar com o balanço sólido e o forte fluxo de geração de caixa”, escreveram os analistas do banco, que tem recomendação de compra para ação.

A aquisição anunciada hoje não depende de aprovação no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Separada da Coty, Wella Brasil triplica crescimento e 'exporta' CEO

Separada da Coty, Wella Brasil triplica crescimento e 'exporta' CEO

No GPA, saem os franceses e chegam os chilenos? Casino negocia fatia com Cencosud

No GPA, saem os franceses e chegam os chilenos? Casino negocia fatia com Cencosud