Logo Exame.com
ExclusivoEnergia

Exclusivo: AES Brasil vira moeda de troca em acordo entre Eletrobras e Votorantim

Em acordo referente a empréstimo compulsório, Eletrobras transferiu participação de 4% na AES – hoje em processo de venda – para o grupo dono da Auren

Parque eólico da AES Brasil, na Bahia: Empresa foi colocada à venda pela controladora americana neste ano  (AES Brasil/Divulgação)
Parque eólico da AES Brasil, na Bahia: Empresa foi colocada à venda pela controladora americana neste ano (AES Brasil/Divulgação)
Natalia Viri

Natalia Viri

20 de março de 2024 às 11:31

Discretamente, a Votorantim se tornou acionista da AES Brasil: desde o fim do ano passado, o grupo tem uma fatia de 4% na geradora de energia renovável.

A participação – equivalente a pouco mais de R$ 300 milhões a valores da época – foi transferida pela Eletrobras, como parte de um acordo envolvendo o chamado “empréstimo compulsório”, uma dívida que a estatal tem com as grandes consumidoras de energia no país envolvendo encargos pagos entre as décadas de 70 e 90.

Dados das demonstrações financeiras mostram que a fatia da Eletrobras na AES caiu de 4,6% para 0,53% do capital entre o fim do terceiro e do quarto trimestre.

Além de ações da AES Brasil, a Votorantim recebeu também cerca de R$ 100 milhões em ações da Auren, equivalentes a uma participação de 1% que a Eletrobras herdou na companhia desde quando ela era ainda a antiga Cesp.

A Votorantim é uma das controladoras da Auren, com uma fatia de 38,7%, ao lado do fundo de pensão canadense CPP, que tem outros 32%.

O acordo sugere que o grupo Votorantim vê valor na AES Brasil, dona de parques eólicos e usinas hidrelétricas.

A negociação com a Eletrobras aconteceu ao longo do ano passado, antes de a AES Brasil ser colocada à venda pela controladora americana. Informalmente, a companhia já vinha sondando o mercado desde meados de 2023, quando contratou o Itaú BBA para sondar alternativas estratégicas para o ativo,  mas o processo oficial teve início deste ano.

A Auren é uma das principais interessadas. Segundo fontes ouvidas pelo INSIGHT, a geradora de energia controlada pela Votorantim foi a única até o momento a apresentar uma proposta vinculante – com um valor que não agradou aos americanos. A expectativa é que outros players que mostraram interesse ao longo das negociações, como a CTG e a Brookfield, apresentem ofertas melhores.

O acordo com a Votorantim se assemelha a outro fechado com a CSN no fim de 2022, quando a Eletrobras transferiu para a siderúrgica uma fatia de 32,6% na geradora de energia gaúcha CEEE, equivalente a R$ 367 milhões, para quitar dívida referentes ao empréstimo compulsório. A CSN tinha arrematado a CEEE num leilão realizado em julho daquele ano.

As dívidas referentes aos encargos cobrados dos grandes consumidores entre 1977 e 1993 são hoje um dos principais passivos da Eletrobras.

Diversas ações na Justiça questionam a atualização monetária sobre os valores devidos e a companhia vem num esforço ativo nos últimos anos para quitar os valores por meio de acordos.

Ao fim de 2023, a Eletrobras tinha R$ 17 bilhões provisionados referentes aos empréstimos compulsórios – R$ 6 bilhões a menos do que no mesmo período de 2022, por conta da quitação de passivos e de acordos que resultaram em perdas menores que o esperado para a companhia.

Procuradas, Votorantim e Eletrobras não retornaram até o momento. A AES Brasil disse que não iria comentar.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.

Continua após a publicidade
No xadrez da consolidação dos hospitais, o Mater Dei é comprador

No xadrez da consolidação dos hospitais, o Mater Dei é comprador

Rede D'or: Carlyle vende R$ 2 bi em leilão e zera posição

Rede D'or: Carlyle vende R$ 2 bi em leilão e zera posição