Logo Exame.com
Educação

Cogna reduz prejuízo e avança na geração de caixa

Kroton reportou um aumento de 8% de receita, enquanto Vasta e Saber avançaram 37% e 62%, respectivamente

Cogna: empresa de educação está confiante na geração de caixa  (Divulgação/Divulgação)
Cogna: empresa de educação está confiante na geração de caixa (Divulgação/Divulgação)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

27 de dezembro de 2023 às 17:34

A Cogna já colhe os frutos da estratégia de focar em ser asset light. No terceiro trimestre, a última linha do balanço ficou 70% melhor do que um ano antes, num prejuízo de R$ 44 milhões considerando ajustes – superando as previsões do mercado, cuja estimativa era de uma perda entre R$ 80 milhões e R$ 95 milhões.

“Gabaritamos mais uma vez no trimestre”, diz Roberto Valerio, CEO da Cogna desde março de 2022. O contexto ainda não é dos mais otimistas para o setor de educação. Muitas das alavancas estão relacionadas a decisões de incentivos do governo, como o que deve ser o novo FIES e um novo edital para vagas de cursos de medicina. Enquanto isso, a linha de custos também é pressionada por preços mais elevados de impressão gráfica – para os negócios de livros educacionais – e de estrutura física com a volta da presencialidade e dos estágios obrigatórios de alguns cursos do ensino superior.

“Ainda assim, estamos ganhando margem Ebitda nesse contexto”, destaca Valerio. No trimestre, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) recorrente foi de R$305,8 milhões, 31,9% maior do que no mesmo período de 2022, enquanto a margem cresceu 2,2 pontos percentuais 2,3 pontos percentuais, para 24,1%.

Os negócios de Vasta e Saber foram os grandes destaques do trimestre, com aumentos de 36,6% e 62% de receita, respectivamente. A Kroton, braço de ensino superior e que representa 65% do negócio da Cogna, reportou um aumento de 8,4%, em linha com o prevista por analistas. No total, a receita do grupo educacional avançou 19,3% contra o terceiro trimestre de 2022.

Na Vasta, a subscrição cresceu 18% no ano contra ano, mas soluções complementares foram propulsoras dos números. São programas de inglês e robótica para ensino nas escolas, por exemplo. Essa divisão da unidade de negócio viu um crescimento de 42% no trimestre. As vendas para os governos também se destacaram e vem se mostrando boa fonte de receita, de acordo com Valerio. “Mercado endereçável é muito maior do que só o de sistemas de ensino.”

Já a Saber foi muito impulsionada pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), do governo federal. Esse ano a compra foi realizada para o ensino fundamental II, onde Saber ganhou 7 pontos percentuais de ‘market share’ versus a compra de 2019, atingindo 33%. Essa nova compra ainda terá maior impacto no quarto trimestre, já garantindo perspectivas de mais crescimento para os próximos trimestres. A empresa é dona das editoras Ática, Saraiva e Scipione.

No ensino superior, mesmo com um cenário macroeconômico mais adverso para a captação de alunos, a Kroton chegou ao quinto trimestre de crescimento de receita. Enquanto fica na “expectativa de que novidades do FIES venham no ano que vem”, de acordo com Valerio, o grupo tem sido mais criterioso na captação de alunos. “Estamos menos agressivos na oferta”, explica o executivo. Isso tem atraído uma base de alunos mais “bons pagadores”, conta o CEO. A base de alunos cresceu 6,9%, superando 1 milhão de pessoas e refletindo, também, a redução da taxa de evasão, que ficou em 16,5%.

Medicina e diversificação

Sem enxergar espaços para mais consolidações no Ensino Superior tradicional, Valerio diz que o ensino de medicina pode ser a exceção. A Kroton Med tem, hoje, 550 vagas de medicina, mas vê o ponto de maturação em 820 vagas. Já auditada, a empresa poderia ser um negócio a buscar um IPO mais à frente, embora ainda não haja planos concretos.

Olhando para oportunidades, Valerio diz que as decisões têm que ser estratégicas. “Nossa cabeça daqui para frente é mais diversificação. Não somos atuantes em profissionalizantes, cursos técnicos ou formação para infoprodutores, por exemplo.” Segundo ele, é preciso ser ambidestro: fazer muito bem o “core”, mas saber separar capital para novas teses.

Com um ambiente de juros ainda muito altos, os holofotes estão no pagamento das dívidas -- um trabalho que se intensificou neste trimestre. A companhia estuda alternativas para reperfilamento da dívida e diminuição de seu custo. No período, a dívida da empresa caiu 15%, para R$ 4,6 bilhões. A alavancagem recuou para 1,88 vez, também impulsionada pela geração de caixa, que chegou a R$ 653 milhões no acumulado de janeiro a setembro. “Estamos confiantes de vamos chegar o guidance de geração de caixa de R$ 1 bilhão em 2024 e também de que o custo da dívida vai cair, até pela redução da Selic”, diz o CEO. Cada ponto que a Selic cai, são R$ 33 milhões a menos no pagamento de juros, calcula Valerio.

Em 2023, a mudança de governo e os ajustes de despesas feitos pela Cogna voltaram a colocar a ação no campo positivo: a alta acumulada é de 28,29%. O papel, no entanto, é negociado a apenas R$ 2,63, bem abaixo dos pouco mais de R$ 20 alcançados em 2017.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Solví e Braskem se unem em JV de gestão de resíduos de R$ 1,4 bi

Solví e Braskem se unem em JV de gestão de resíduos de R$ 1,4 bi

Negociação de fatia do Shopping Rio Sul muda de rumo e Allos sai de cena — ao menos por enquanto

Negociação de fatia do Shopping Rio Sul muda de rumo e Allos sai de cena — ao menos por enquanto