Logo Exame.com
Twitter

Twitter já vale um quarto do pago por Musk – e o Linkedin está aproveitando o vácuo

Com debandada de anunciantes, X vale 28% do valor pago há pouco mais de um ano, nas contas da Fidelity

Musk: entre muitas polêmicas, valuation da X holdings cai a cada novo cálculo da Fidelity (Emin Sansar/Getty Images)
Musk: entre muitas polêmicas, valuation da X holdings cai a cada novo cálculo da Fidelity (Emin Sansar/Getty Images)
RBo

10 de janeiro de 2024 às 12:14

Envolto em polêmicas desde a compra por Elon Musk há pouco mais de um ano, o X, antigo Twitter, vale pouco mais de um quarto do valor pago pelo bilionário – pelo menos nas contas da Fidelity.

A gestora, que ajudou a financiar parte dos US$ 44 bilhões pagos na época, cortou em 19% o valuation de sua (pequena) fatia no X em seu balanço trimestral, referente a novembro e apresentado em 30 de dezembro (a publicação dos dados acontece com um mês de defasagem).
A participação passou a US$ 5,6 milhões, 72% menos do que em outubro de 2022, quando a aquisição foi concluída, de acordo com dados da Bloomberg – que usa, inclusive, o valuation da Fidelity para calcular a fortuna de Musk em seu índice de bilionários.

O X é uma empresa de capital fechado, mas o próprio Musk já reconheceu que pagou caro demais pela rede. Em maio ele disse que a empresa valeria metade do que ele pagou.
O corte mais recente da Fidelity vem num momento de polêmica renovada no X. Em novembro, a empresa, que já vem enfrentando uma fuga maciça de anunciantes, sofreu uma onda de boicotes após Musk ter feito comentários considerados antissemitas.

Ao comentar o episódio num evento do The New York Times, o fundador da Tesla mandou os ex-anunciantes – um grupo que inclui nada menos que Apple, Disney e Walmart – “irem se fod**”. “Não tenho problema em ser odiado”, acrescentou.

A Fidelity não informa como chega ao valuation – e nem se tem acesso completo aos balanços financeiros da empresa para fazer essa avaliação, diz a Bloomberg. Mas Musk, sempre via Twitter, já afirmou que a receita com publicidade chegou a cair 60% nos Estados Unidos em setembro.
Fontes ouvidas pela Bloomberg afirmam que o faturamento com propagandas – que responde historicamente por cerca de 75% do total – está na casa dos US$ 600 milhões por trimestre, contra US$ 1 bi antes da aquisição.

O plano de Musk era aumentar a participação de outras linhas de receita, em especial a de assinantes do X Premium, mas, ainda de acordo com a Bloomberg o serviço tem pouco mais de 1 milhão de assinantes em todo o mundo e está longe de compensar a queda dos anunciantes.

Enquanto isso, outras plataformas tentam capturar parte do vácuo deixado pelo antigo Twitter. Em um painel de marketing no mês passado, porta-vozes do LinkedIn disseram às marcas que elas poderiam "trabalhar com um parceiro que respeita o mundo no qual você opera", conta o Financial Times.

As receitas anuais de publicidade da rede social voltada para a vida profissional e pertencente à Microsoft atingiram quase US$ 4 bilhões em 2023, um aumento de 10,1% em relação ao ano anterior, segundo estimativas do grupo de pesquisa Insider Intelligence. A empresa agora prevê um crescimento de 14,1% em 2024.
A rede social tem buscado maneiras de segmentar melhor seus 1 bilhão de usuários e está construindo um feed mais semelhante ao das outras redes. Isso vem atraindo usuários que compartilham conselhos de carreira, análises de executivos e diversos outros tipos de conteúdo viral.

Ao jornal britânico, executivos de agências de marketing e profissionais da indústria publicitária disseram que os preços dos anúncios no LinkedIn - vendidos por leilão e, portanto, definidos pela demanda de mercado - estavam aumentando, puxados pelo interesse dos anunciantes. Em alguns casos, os preços aumentaram até 30% no último ano, disse um executivo.

Mas o LinkedIn ainda é pequeno em anúncios quando comparada às concorrentes. Responde por apenas 1,5% dos gastos com publicidade digital das marcas nos Estados Unidos, segundo a Insider Intelligence. Google e Meta ficam com 27% e 21%, respectivamente.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.