Logo Exame.com
Research

Razões para não investir na Vale vão virar motivo para comprar, diz Goldman

Banco reitera recomendação de compra e diz a relação risco-retorno para a ação está atraente

Vale: Baixa exposição dos investidores domésticos, pessimistas com o minério de ferro e cautelosos quanto à capacidade de crescimento operacional (Tomaz Silva/Agência Brasil)
Vale: Baixa exposição dos investidores domésticos, pessimistas com o minério de ferro e cautelosos quanto à capacidade de crescimento operacional (Tomaz Silva/Agência Brasil)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

3 de julho de 2024 às 19:56

A ação da Vale está barata e o que tem afastado investidores do papel deve, muito em breve, se tornar razão para comprá-lo. Ao menos é o que acredita o time do Goldman Sachs.

Em relatório distribuído nesta quarta-feira, 3, o time do banco reiterou a recomendação de compra, afirmando que há um “risco-retorno atraente”. O preço-alvo foi reduzido de US$ 16,20 para US$ 16 para o recibo de ação, numa valorização de 43,6% sobre o fechamento anterior.

SAIBA ANTES: Receba as notícias do INSIGHT pelo Whatsapp

“Com base em nossas conversas com investidores, notamos uma exposição muito baixa ao minério de ferro e à Vale e esperamos que notícias positivas desencadeiem uma reavaliação”, escrevem Marcio Farid, Gabriel Simões e Henrique Marques.

No acumulado do ano, a Vale registra uma queda de 30% de valor de mercado, bem acima das desvalorizações de concorrentes como Rio Tinto e BHP, que recuaram entre 13% e 14%. A queda das ações também supera a perda de 21% dos preços do minério de ferro de janeiro até agora.

Parte dessa avaliação negativa está atribuída à baixa exposição dos investidores domésticos, pessimistas com o minério de ferro e cautelosos sobre a capacidade de crescimento operacional da companhia. Do lado dos investidores internacionais, o pé atrás com o papel tem a ver com a preferência por uma exposição maior em cobre, os ruídos políticos na sucessão do CEO e o acordo final para o rompimento da barragem do Fundão, da Samarco (joint-venture da Vale com a BHP).

O rompimento acontecido em 2015, em Mariana, até hoje não tem uma solução definitiva e vive insegurança pela falta de repactuação na Justiça brasileira e por ações movidas em cortes internacionais. Mas é justamente esse um dos pontos que logo deve mudar, de acordo com o Goldman Sachs, ajudando a aumentar a confiança na ação da mineradora.

“Tanto a Vale quanto a BHP indicaram publicamente que estão otimistas em relação a um acordo final sobre Samarco no curto prazo”, destacam os analistas, afirmando que o acordo é importante para reduzir a percepção de risco dos investidores internacionais e desbloquear uma valorização potencial de 17% via programa de recompra ou pagamento de dividendo.

O time do banco também está confiante de que as conjunturas do mercado de minério devem ajudar na reavaliação da Vale. “Acreditamos que o bom suporte de custo do minério de ferro, combinado com as exportações elevadas de aço e o baixo uso de sucata na China, poderia sustentar o minério de ferro acima de US$100 por tonelada”, afirmam.

A percepção de recuperação mais intensa da economia chinesa também poderia desencadear um influxo importante no setor. No entanto, o otimismo com o cobre, que afeta a exposição de investidores ao minério de ferro, não deve mudar tão cedo.

Ainda sobre a avaliação, o banco vê o rendimento do FCF (fluxo de caixa livre) da brasileira em 12% para 2024 e 10% para 2025, um desconto significativo ante os pares, de 6%.

A equipe aproveitou para atualizar suas previsões antes de a mineradora divulgar os resultados do segundo trimestre, incorporando nos números os preços das commodities, câmbio e frete. Agora espera que a Vale entregue US$ 4,1 bilhões em Ebitda, com custos de minério de ferro sequencialmente mais fracos, melhores preços realizados e maiores volumes.

No pregão desta quarta-feira na Nyse, o ADR da Vale subiu 4,22%, para US$ 11,61. No Ibovespa, a ação avançou 1,99%, a R$ 64,18.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Separada da Coty, Wella Brasil triplica crescimento e 'exporta' CEO

Separada da Coty, Wella Brasil triplica crescimento e 'exporta' CEO

No GPA, saem os franceses e chegam os chilenos? Casino negocia fatia com Cencosud

No GPA, saem os franceses e chegam os chilenos? Casino negocia fatia com Cencosud