Logo Exame.com
Operação Lava Jato

Odebrecht une 73% dos credores para reorganizar dívida da construtora

OEC conseguiu cortar dívida de US$ 3,3 bilhões em 55% por meio de acordo privado

Placa símbolo da Operação Lava-Jato: grupo tentará se reconstruir a partir da origem o negócio, a construção civil (Paulo Whitaker/Reuters)
Placa símbolo da Operação Lava-Jato: grupo tentará se reconstruir a partir da origem o negócio, a construção civil (Paulo Whitaker/Reuters)
GV

Graziella Valenti

13 de agosto de 2020 às 01:39

A construtora do grupo Odebrecht, agora conhecida pela sigla OEC, alcançou um marco importante nesta terça-feira: o aval de credores detentores de 73% da dívida de 3,3 bilhões de dólares em emissões internacionais. A companhia precisava ter pelo menos adesão de 60% para conseguir aprovar o acordo privado feito com os chamados bondholders para homologar sua recuperação extrajudicial.

Essa etapa é essencial para que a reorganização dos passivos seja integral. Quando homologado, o acordo se torna obrigatório para 100% dos credores. O feito é importante: os papéis estavam espalhados entre cerca de 1.700 credores. São sete emissões compreendidas na operação, incluindo 750 milhões de dólares em bônus perpétuos.

Quando todo esse processo estiver concluído, a Odebrecht poderá avançar na busca de um sócio — ou vários, por tipo de carteira — para dar fôlego à construtora, que precisa de recursos para conseguir encarar novas obras. Ter acesso à capital é essencial para que companhias do ramo conquistem grandes obras. A carteira de pedidos da OEC, que já foi de 34 bilhões de dólares no auge pré-Operação Lava-Jato, terminou o ano passado abaixo de 3,5 bilhões de dólares, ou seja, encolheu 90%. E a reestruturação, apesar de melhorar muito a fotografia, não resolve o futuro. Longe disso, a alavancagem continuará acima de dois dígitos — estava em três. Ganhar obras, voltar a ter fluxo de caixa relevante é que resolverá.

A OEC ficará com uma dívida nominal de 1,4 bilhão de dólares ao fim da reorganização: um corte em termos absolutos de 55%. A empresa conseguiu, no acordo, três anos completos de carência para juros e 4,5 anos de alongamento para o início das amortiziações. Os primeiros pagamentos começam a ocorrer, a partir da homologação, entre 2024 e 2025. Os perpétuos continuarão sem vencimento. O custo médio da dívida será mantido: cerca de 6,3% ao ano.

Depois de homologar o acordo, a OEC vai emitir novos títulos de dívida, que vão substituir os antigos. Quando os juros voltarem a ser exigidos, será de forma gradual. Somente a partir do quinto ano é que a incidência será sobre todo o passivo. A reestruturação foi conduzida, do lado da construtora, pela Moelis & Company e o escritório E. Munhoz, e pelo Rothschild, como representante dos credores.

Todo o plano do Grupo Odebrecht é se reerguer, gradualmente e em bases muito menores, a partir de seu negócio de origem: a construção civil. Esse é o berço do conglomerado fundado por Norberto Odebrecht, avô de Marcelo Odebrecht, em 1944, na Bahia. A Justiça homologou o plano de recuperação judicial da controladora da OEC, a Odebrecht S.A (ODB) e mais 19 holdings e subholdings, em 27 de julho. A companhia reorganizou 98 bilhões de reais em dívida bruta. Atualmente, o ativo mais relevante do grupo é a petroquímica Braskem. O investimento no setor ocorreu também por decisão de Norberto, no fim da década de 70.

Embora tenha conseguido reescalonar seus passivos, entre a prisão de Marcelo, em junho de 2015, e o pedido de recuperação judicial, em junho de 2019, a situação financeira do grupo se deteriorou substancialmente. O império conduzido por Emilio Odebrecht, filho de Norberto e pai de Marcelo, resistiu durante muito tempo honrando seus compromissos financeiros com o caixa de 22 bilhões de reais que tinha há cinco anos. Nesse período, criou uma estrutura de governança e buscou selar todos os acordos de leniência possíveis e imagináveis, na tentativa de reconstruir sua credibilidade e mostrar boa intenção. Mas, com o passar do tempo, além de consumir os recursos para manter a fama de bom pagador, o conglomerado acabou entregando como garantia aos credores todos seus principais negócios mais maduros: Braskem, a sucroalcooleira Atvos, e a companhia de operação de sondas de exploração de petróleo Ocyan. Dizem que hoje até mesmo Emilio está convencido de que deveria ter jogado a toalha e pedido aos credores para renegociar a situação bem antes do ano passado. Tudo isso foi feito sem que conseguisse avançar na recuperação da OEC, um trabalho que começa agora, cinco anos depois.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Continua após a publicidade
OEC, da Novonor (ex-Odebrecht) entra com pedido de recuperação judicial e prevê 'processo célere'

OEC, da Novonor (ex-Odebrecht) entra com pedido de recuperação judicial e prevê 'processo célere'

A MRV caiu quase 40% no ano. O pior ficou para trás, aponta o BBA

A MRV caiu quase 40% no ano. O pior ficou para trás, aponta o BBA