Logo Exame.com
Ambev

Caso Americanas: Beto Sicupira pede fim da guerra aos credores, em primeiro contato do trio

De dinheiro mesmo, até agora, apenas garantia para empréstimo emergencial de até R$ 1 bilhão

Americanas: Beto Sicupira tem contato com credores, mas negociação segue com Rothschild (Leandro Fonseca/Exame)
Americanas: Beto Sicupira tem contato com credores, mas negociação segue com Rothschild (Leandro Fonseca/Exame)
GV

Graziella Valenti

7 de fevereiro de 2023 às 09:48

Beto Sicupira levantou a bandeira de paz. O empresário conversou com alguns credores relevantes da Americanas (AMER3) nos últimos dias. A companhia pediu recuperação judicial após anunciar ter encontrado R$ 20 bilhões em inconsistências contábeis que reduziram artificialmente o valor de seus compromissos. O contato, porém, não foi para negociar absolutamente nada. Foi para pedir. Ele, que faz parte do trio controlador que contém ainda Jorge Paulo Lemann e Marcel Telles, e era o responsável pela varejista no combinado entre os sócios, tentou estabelecer uma primeira conversa pacífica, conforme apurou o EXAME IN. Pediu um cessar fogo do clima bélico que se estabeleceu entre eles e os bancos que são detentores da dívida contra a Americanas para que seja possível a negociação efetiva de um plano para resgatar a empresa.

Sicupira não pediu nada específico. Mas também não ofereceu. Nada de concreto foi apresentado, o que causou frustração em um público naturalmente ansioso. Nenhum sinal a respeito de quanto os sócios podem dispor para o caso. O objetivo do contato foi para atender parte das críticas dos credores — investidores e toda sorte de envolvidos com o caso — de que os sócios controladores ainda não deram as caras na crise. O empresário passou uma mensagem de que o trio, criador da maior cervejaria do mundo por meio de diversas aquisições, a AB inbev, de nada sabia a respeito do que estava ocorrendo e que também teriam sido enganados. Nem mesmo ele, Sicupira, que tem cadeira cativa no conselho de administração da empresa.

A Americanas informou à Justiça do Rio de Janeiro, onde corre o processo de recuperação, ter R$ 43 bilhões em compromissos com bancos, fornecedores e trabalhistas. Só as dívidas financeiras somam mais de R$ 22 bilhões. Não está sequer claro se isso inclui as operações de risco sacado — de financiamento à compra de mercadorias. O último balanço público da empresa é do fim de setembro e já continha mais de R$ 20 bilhões em vencimentos com bancos e títulos emitidos no mercado.

Há fortes suspeitas de fraudes e a ausência dos sócios, que controlam a empresa há nada menos do que 40 anos, enfureceu os credores. A leitura do mercado é que o trio optou por seguir recomendações de advogados, no lugar de assumir de frente e rápido o caso. As “conclusões” e julgamentos a respeito disso não param de chegar. Nesta segunda-feira, dia 6, por exemplo, foi a vez do Fundo Verde, do renomado oráculo brasileiro, Luis Stuhberger, dizer que o caso é a maior fraude brasileira já ocorrida, em sua carta mensal. A gestora tinha exposição a debêntures da varejista. Pequena, mas tinha. E também foi dura a respeito da ausência dos sócios.

O contato de Sicupira não significa que ele, ou os demais sócios, tenham pretensão de conduzir as negociações. Ao contrário, sequer entre eles há conforto sobre se devem salvar a empresa ou quanto cada um desembolsaria, pois Lemann e Telles entendem que a empresa estava aos cuidados de Beto. Conforme o EXAME IN já apontou, há uma dificuldade no cálculo de quanto é a parte de cada um.

As conversas com credores, portanto, continuarão sendo conduzidas por Luiz Muniz, presidente do Rothschild no Brasil, e que há anos conhece os empresários. Está sendo considerada a possibilidade que o banqueiro passe a ser acompanhado por um representante próximo dos sócios. O escolhido seria Roberto Moses Thompson, co-fundador e sócio da GP Investimentos, de 1993 a 2004, e depois co-fundador e membro do conselho da 3G Capital desde então. O executivo é do comitê financeiro da Americanas (AMER3), o que faz com que muitos torçam o nariz para seu envolvimento. A percepção é de que todos que estão na empresa como administradores ou membros de comitês estatutários ou foram coniventes, ou omissos. Além disso, Thompson foi do conselho de administração da Americanas de 2004 a 2020. Sicupira também é membro do conselho de administração.

De concreto, em dinheiro, tudo que existe até o momento é a disposição do trio de colocar R$ 1 bilhão em um empréstimo específico para empresas em recuperação judicial, conhecido pela sigla DIP. Quem fornece o capital nessas situações passa a ter prioridade no recebimento e os créditos não entram nas condições estabelecidas pela recuperação. No caso de Americanas, dado o incômodo com qualquer situação em que os sócios ainda fiquem em vantagem frente aos credores, é possível que esse crédito possa ser transformado em um instrumento conversível em ações.

O objetivo da companhia, quando comunicou a aprovação da realização de um DIP pelo conselho de administração, era obter em torno de R$ 2 bilhões, sendo que metade disso viria de agentes de mercado. Mas, até o momento, ninguém de fora se dispôs a entrar na operação e ela deve ficar restrita, ao menos nesse primeiro momento, ao R$ 1 bilhão dos controladores. A ideia é acompanhar como será a rotina da empresa e, eventualmente, fazer novas operações se a empresa demandar, conforme a duração das negociações.

O desinteresse do mercado tem uma razão principal. Até agora, não está claro para ninguém qual o tamanho da real disposição dos 3G de salvar a Americanas. Junto com isso, não há, por enquanto, nenhuma conclusão formal sobre os acontecimentos que levaram a isso. A diretoria da varejista, que estava na empresa há décadas, levou 23 dias para ser afastada. Ainda que se compreenda o tamanho do caos interno diante do caso, os sócios, até o momento, nada fizeram para responsabilizar Miguel Gutierrez, que presidiu a companhia por 20 anos e ficou até o fim de 2022, deixando o posto para Sergio Rial, responsável por tornar público o caso, após encontrar as evidências do escândalo.

A Americanas, ainda que há anos seja o menor dos investimentos do trio, pessoalmente, ou da 3G Capital, é emblemática. Foi a compra da varejista que deu a largada em tudo, em 1982. O trio terminou por deixar de lado a atuação como banqueiros para se converter em gestores de recursos, criando um modelo cujo discurso era calcado em eficiência e meritocracia. Agora, o legado, o modelo e a cultura correm risco de serem apagados por esse episódio, que colocou em risco a sobrevivência da varejista mais antiga do Brasil, entre as líderes do setor, com quase um século de existência.

 

 

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Continua após a publicidade
Ambev vê 'caminho certo' no 1º tri, mas efeito de reajuste de ICMS ofusca ganho de volume

Ambev vê 'caminho certo' no 1º tri, mas efeito de reajuste de ICMS ofusca ganho de volume

Vendas da Heineken vêm fortes no 1º tri e aumentam disputa com Ambev

Vendas da Heineken vêm fortes no 1º tri e aumentam disputa com Ambev