Logo Exame.com
Breaking NewsFollow-on

Boa Safra levanta R$ 300 milhões em follow-on; ação sai a R$ 16,50

Oferta poderia chegar a R$ 400 milhões; família Colpo, controladora, e gestora HIX entram com R$ 120 milhões

Male hands holding a sieve and throws up soybean grains. (Lucas Ninno/Getty Images)
Male hands holding a sieve and throws up soybean grains. (Lucas Ninno/Getty Images)
Natalia Viri

Natalia Viri

18 de abril de 2024 às 18:20

A Boa Safra, líder em produção de sementes de soja no Brasil, acaba de levantar R$ 300 milhões em seu follow-on, colocando toda a oferta base, de R$ 200 milhões, mais metade do lote adicional de R$ 200 milhões que foi levado a mercado, segundo fontes próximas à operação.

A ação saiu a R$ 16,50, um desconto de cerca de 2,5% em relação ao dia de lançamento da oferta e de 9% na comparação com o soft launch, anunciado em 25 de março.

A família Colpo, controladora, entrou com os R$ 90 milhões a que tinha se comprometido de largada, bem como a gestora HIX, que tinha 6% de participação antes da oferta e subscreveu R$ 30 milhões.

Os recursos captados na oferta vão ser utilizados para reforçar o caixa, num momento em que a companhia mira um crescimento agressivo, tanto na via orgânica quanto em aquisições.

As sucessivas quebras de safra colocaram vários produtores no corner e abriram a possibilidade para consolidações a preços atrativos no setor.

Desde o IPO, a Boa Safra já fez duas aquisições: a da BestWay, de olho em começar a produzir semente de milho, e da DaSoja, que aumentou o alcance comercial em sementes.

Há diversos ativos na rua que podem interessar na consolidação. Um candidato óbvio é a Agrogalaxy, que mandatou o Santander para buscar um interessado na sua divisão de sementes.

A ideia inicial é atrair um sócio para o negócio, mas uma venda integral não está descartada.

Na contramão das promessas frustradas dos IPOs de 2021, a Boa Safra construiu uma trajetória de resultados consistentes desde sua estreia na Bolsa.

Dobrou sua capacidade de produção do seu carro-chefe, expandiu para novas regiões, entrou na produção de sementes de milho e está diversificando seu portfólio para outras commodities agrícolas. O objetivo é atingir 15% do market share de sementeiras no país nos próximos anos. Hoje, a empresa tem em torno de 7%.

Desde o IPO, as ações avançam 66%.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Acompanhe:

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.

Continua após a publicidade
Sabesp: Oferta será lançada amanhã; propostas para 2ª etapa saem dia 28

Sabesp: Oferta será lançada amanhã; propostas para 2ª etapa saem dia 28

Oncoclínicas vai levantar R$ 1,5 bi ancorada pelo Master – a R$ 13 por ação

Oncoclínicas vai levantar R$ 1,5 bi ancorada pelo Master – a R$ 13 por ação