Mubadala quer controle da Zamp (ex-Burguer King Brasil) por R$ 950 milhões

Gestora soberana de Abu Dhabi lança oferta por 45,15% do capital da empresa, a R$ 7,55 por ação
Burguer King: recuperação das vendas pós-pandemia (Leandro Fonseca/Exame)
Burguer King: recuperação das vendas pós-pandemia (Leandro Fonseca/Exame)
G
Graziella Valenti

Publicado em 01/08/2022 às 10:21.

Última atualização em 01/08/2022 às 10:26.

A gestora de private equity com recursos soberanos de Abu Dhabi, Mubadala Capital, acaba de lançar uma oferta pública para tentar comprar o controle da Zamp, o novo nome da Burguer King Brasil. Se tiver sucesso, a operação pode movimentar quase R$ 950 milhões. Dono de uma posição de 4,95% na companhia, que tem as ações pulverizadas na bolsa, o Mubadala se propõe a pagar R$ 7,55 por ação.

A oferta, porém, não é para 100% das ações em mercado. A gestora quer adquirir 124.322.279 ações da Zamp (45,15% do total), o que a tornaria controladora, com 50,10% do capital. Caso surjam mais interessados, haverá rateio para os vendedores, ou seja, eles terão de vender uma fração proporcional de suas ações. O conselho de administração da Zamp afirmou que divulgará seu entendimento sobre a proposta dentro dos próximos 15 dias.

A Mubadala afirma que sua oferta equivale a um prêmio de 21,6% sobre o fechamento de sexta-feira, dia 29; de 31,1% sobre a média ponderada dos últimos 30 dias e de 17,8%, em relação aos últimos 90 pregões. A Zamp, porém, já valeu muito mais do que isso. Antes da pandemia, os papéis negociavam em torno de R$ 18.

Para quem achar o negócio inusitado, já que o Mubadala é um investidor do setor de infraestrutura e commodities no país, é bom lembrar que o antigo Burguer King foi uma das primeiras transações realizadas pelo fundo soberano no Brasil. E rendeu um bom dinheiro.

Em 2013, a gestora ficou com uma participação detida por Eike Batista, por um valor aproximado de US$ 300 milhões, dentro do processo de reestruturação da EBX. Cerca de três anos depois, vendeu sua fatia por US$ 1,2 bilhão.

"Realizamos, ao longo dos últimos cinco meses, uma profunda e cuidadosa análise dos fundamentos econômicos da companhia e de sua estratégia e visão de longo prazo. Nesse contexto, não somente concluímos que tem alto potencial de crescimento e geração de valor para seus acionistas, mas também reconhecemos e admiramos o excelente trabalho que vem sendo realizado pela administração, especialmente frente às recentes condições econômicas e de mercado desafiadoras", afirma a Mubadala na carta que enviou ao conselho de administração da Zamp.

"Ao avaliar o plano de negócios e visão futura da companhia, percebemos também que a combinação do profundo conhecimento e capacitação dos executivos da empresa com a experiência do Mubadala Capital permitirá acelerar o desenvolvimento do potencial de crescimento da Zamp", completa a gestora, ao explicar as razões de sua oferta.  No primeiro trimestre, a empresa, que além da rede Burguer King é master franqueada da americana Popeyes, teve receita líquida de R$ 800 milhões, um aumento de 42,4% em relação a igual período de 2021, quando a variante Delta deixou tudo novamente fechado no Brasil.

Com US$ 284 bilhões em ativos sob gestão no mundo todo, o Mubadala faz negócios no Brasil desde 2012 e, a partir de 2014, fincou pé por aqui, com um escritório local. A estimativa é seus investimentos no país tenham movimentado pouco mais de US$ 5 bilhões.

A maior acionista da Zamp no momento é a gestora de recursos Atmos, com uma fatia de 10%, seguido pela Burguer King Brasil e Morgan Stanley, cada qual com 9,4%. A gestora de private equity Vinci Partners detém 6,4% do negócio. A oferta é voluntária, ou seja, aceita quem quiser.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.