• AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
  • AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
Abra sua conta no BTG

Fábrica de fintechs: Swap capta R$ 135 mi em rodada liderada pela Tiger

Fundada em 2018 por ex-funcionários da 99, a startup oferece serviços de infraestrutura financeira para outras empresas
 (Divulgação/Swap)
(Divulgação/Swap)
Por Carolina IngizzaPublicado em 28/10/2021 09:00 | Última atualização em 27/10/2021 20:11Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Com sua proposta de ser uma "fábrica de fintechs" no mercado brasileiro, a brasileira Swap atraiu um aporte de R$ 135 milhões. A rodada de investimentos série A foi liderada pela Tiger Global e teve a participação dos fundos OneVC, GFC e Flourish (que já investiam na empresa), além dos investidores-anjo Justin Mateen (fundador do Tinder) e Rahul Mehta (managing partner da DST Global). Até então, a empresa havia captado R$ 17 milhões.

Fundada em 2018 pelos empreendedores Douglas Storf, Ury Rappaport e Alexandre Takinami, a Swap começou oferecendo a outras fintechs e bancos digitais brasileiros um serviço de emissão e processamento de cartões pré-pagos. Ao longo do último ano, a empresa expandiu sua atuação, oferecendo às companhias clientes a possibilidade de entrar no mercado de benefícios flexíveis e de crédito.

Os novos produtos ajudaram a empresa a atrair clientes como as fintechs OpenCo, Vee e Valuu, aumentando sua base em 300% no último ano. A receita também cresceu: segundo o presidente Douglas Storf, o faturamento dobrou a cada trimestre e o volume processado cresceu 30% ao mês no último semestre.

Com os recursos da nova rodada, a Swap vai poder investir na contratação de mais funcionários para apoiar sua expansão e o lançamento de novas verticais. Hoje, são 60 pessoas e a meta é chegar a pelo menos 100 até o final do ano. "No mercado corporativo, precisamos de um time de vendas e operação mais experiente, até porque trabalhamos com operações sensíveis, de grande investimento para as empresas", diz o fundador ao EXAME IN.

Para Alex Cook, sócio da Tiger Global, a fintech tem potencial para ajudar a América Latina a difundir a tecnologia dentro do mercado financeiro - o fundo é investidor de alguns gigantes da área de infraestrutura, como Marqeta, Stripe e Checkout.

“A Swap está construindo uma moderna plataforma de emissão de cartões e infraestrutura bancária para a próxima geração de empresas de serviços financeiros no Brasil, possibilitando redução de custos e melhorando experiências para consumidores e empresas. Estamos entusiasmados com a parceria”, disse, em nota.

Trajetória do negócio

Fundada em 2018 por Douglas Storf e Ury Rappaport, a Swap nasceu de uma percepção que os sócios tiveram enquanto ainda trabalhavam juntos na área de pagamentos do aplicativo de mobilidade 99. A dupla percebeu o quão difícil era para uma companhia de fora do setor financeiro se aventurar nesse segmento, mas notou que era a tendência do mercado de tecnologia.

Na época, iFood, Loggi e Gympass, tentavam tirar do papel produtos financeiros próprios. "Ficou evidente que havia uma oportunidade no mercado", diz Storf. No final de 2018, então, os empreendedores saíram da 99 para criar a Swap. Para ajudá-los na frente de tecnologia, eles convidaram Alexandre Takinami, ex-engenheiro de software do Guiabolso, para ser cofundador do negócio.

Na época em que a startup foi lançada, o conceito de bank as a service (ou "banco como serviço", em português) estava nascendo. "Ninguém entendia muito bem o que era infraestrutura de pagamentos", relembra Rappaport.

Hoje, depois do Pix e do open banking abrirem mercado, as "fábricas de fintech" são mais conhecidas e atraem milhões em investimento. Só na semana passada, a brasileira Hash recebeu aporte de R$ 235 milhões liderado pelos fundos QED Investors e Kaszek e a argentina Pomelo levantou R$ 190 milhões com fundos como Tiger, Sequoia e Monashees. Enquanto não está claro quais serão os casos de uso das novas ferramentas do sistema financeiro, os investidores escolhem apostar nos negócios que vão construir a infraestrutura para os demais.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

                              Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.