Logo Exame.com
Crédito Privado

Na Vinci, a grande aposta está no crédito privado

Alessandro Horta, CEO da maior gestora independente do país, diz que oportunidade é 'gigantesca' na América Latina e deve liderar estratégia da companhia em 2024

Horta: "É menos dependente da taxa de juros e, apesar da característica de alternativos, se assemelha à renda fixa, diz CEO da Vinci (Estúdio Tramma/ Abvcap/Divulgação)
Horta: "É menos dependente da taxa de juros e, apesar da característica de alternativos, se assemelha à renda fixa, diz CEO da Vinci (Estúdio Tramma/ Abvcap/Divulgação)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

11 de junho de 2024 às 13:03

O ambiente de juros elevados fechou a torneira de liquidez para ativos de risco e deixou o jogo mais complexo para os investimentos alternativos. Diante desse cenário, uma das maiores gestoras independentes, a Vinci está apostando a maior parte de suas fichas no mercado de crédito privado, setor que movimenta mais de US$ 1,7 trilhão em todo o mundo.

“Existe uma oportunidade gigantesca na América Latina e para toda estrutura de crédito, desde o high grade até as special situations”, diz Alessandro Horta, CEO da Vinci. “Questão tecnológica no sistema bancário e de desintermediação do crédito vieram para ficar.”

O mercado de crédito privado começou a ganhar musculatura em 2008, após a crise financeira, com os bancos se tornando mais restritivos nas concessões de crédito em meio a um rigor maior de reguladores. Fundada em 2009, a Vinci tem negócios de private equity, imobiliário e fundos multimercado, mas tem sido cada vez mais vocal sobre o interesse em aumentar sua participação no mercado de crédito privado.

Com mais de R$ 5 bilhões em fundos de crédito privado, a Vinci tem aumentado a relevância dessa atuação na sua estratégia especialmente após a chegada da americana Ares, que em outubro do ano passado investiu US$ 100 milhões na gestora brasileira, ficando com 15% de participação.

Em março, a companhia anunciou a combinação de negócios com a Compass, uma gestora americana especializada em operações na América Latina. Na prática, a Vinci incorporou a Compass e triplicou o valor de ativos sob sua gestão para US$ 50 bilhões, incluindo todas suas operações.

“Obviamente isso [aquecimento do mercado de crédito privado] é global, mas nossa maior força de competitividade é local, na América Latina. Ainda tem concentração de crédito no setor bancário muito grande”, defendeu em painel nesta terça-feira, 11, no congresso da Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (Abvcap).

“É a realidade no Brasil, na Colômbia, no México e na Argentina. Existem, claro, desafios regulatórios, mas é mercado em crescimento e subassistido, com oportunidade para todos os players”, diz.

O crédito privado atingiu recorde de US$ 5,9 bilhões na América Latina em 2022, mas caiu para apenas US$ 3,55 bilhões em 2023, de acordo com dados da LAVCA, a associação latino-americana de investimentos privados.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Santander e Banrisul: as novas apostas do Itaú BBA para o setor financeiro na Bolsa

Santander e Banrisul: as novas apostas do Itaú BBA para o setor financeiro na Bolsa

Na SYN, R$ 1 bi em dividendos no horizonte – e um re-rating esperando para acontecer

Na SYN, R$ 1 bi em dividendos no horizonte – e um re-rating esperando para acontecer