Logo Exame.com
Governança

Mitre compra imóveis do controlador (em Trancoso); ação despenca 16%

Empresa diz que fará um empreendimento flagship para lançar empreendimentos imobiliários com a marca Daslu, mas seu foco segue sendo São Paulo

Mitre: Transação passou com a aprovação de apenas dois de seis conselheiros (Mitre/Divulgação)
Mitre: Transação passou com a aprovação de apenas dois de seis conselheiros (Mitre/Divulgação)

5 de outubro de 2023 às 15:00

Uma transação pouco usual aprovada pelo conselho da incorporadora Mitre é um dos principais assuntos na Faria Lima nesta quinta-feira. A companhia comunicou ontem a compra de quatro imóveis do CEO e membro da família controladora Fabricio Mitre por R$ 13,5 milhões.

Se transações com partes relacionadas sempre costumam levantar sobrancelhas, esta tem um componente adicional: os imóveis ficam em Trancoso, na Bahia, muitos quilômetros distantes da área de atuação da Mitre, focada em construção de imóveis de média e alta renda na cidade de São Paulo. As ações caem mais de 15% desde o início do pregão de hoje.

“Se o controlador tivesse vendendo um terreno dele no Morumbi para a empresa, ainda vá lá, dá tentar para justificar. Mas a empresa sequer tem operação na Bahia”, diz um investidor.

A informação apareceu numa ata de reunião do conselho arquivada ontem, sem alarde, às 22h na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Hoje, por volta do meio-dia, quando a confusão já estava instalada, a companhia soltou um comunicado dizendo que a transação será voltada para um empreendimento de altíssimo padrão a ser lançado em 14 meses, com a marca Daslu, adquirida no ano passado.

"Toda marca precisa da sua flagship para traduzir o que é e o que a marca representa. Entendemos que esse primeiro projeto, já aprovado, reflete tudo isso”, disse a empresa.

Em entrevista ao Exame IN, Fabricio Mitre disse que ele já tinha a intenção de desenvolver um projeto de luxo, em Trancoso, na pessoa física. Mas, com a compra da marca Daslu, viu que esse poderia ser um bom empreendimento para a Mitre. "Seria conflito de interesse se eu passasse a concorrer com a empresa", diz. Segundo ele, o valor fechado ficou 10% abaixo do estipulado por um laudo elaborado pela S&P Global. "Não achamos que ia ter problema, é um valor pequeno, de 1% do patrimônio da companhia", aponta.

Segundo ele, o empreendimento é uma chance de fazer o rebranding e relançamento da marca Daslu com mais celeridade e num local "aspiracional". O projeto, já aprovado, inclui uma vila com três casas e Valor Geral de Vendas (VGV) estimado de R$ 45 milhões, e deve ser concluído em pouco mais de um ano. O foco, diz, segue sendo em São Paulo, com um empreendimento Daslu, possivelmente com hospitalidade e hotel associado às unidades residenciais, a ser lançado nos Jardins, mas o ciclo de construção é maior, de quatro a cinco anos e VGV estimado de R$ 450 milhões.

As informações foram recebidas com ceticismo pelos investidores: “Eles sempre disseram que queriam focar em São Paulo, inclusive com a marca Daslu”, afirma um outro gestor, que já foi acionista de longa data da empresa. Outra questão é que aprovação da transação no conselho aconteceu por um triz: segundo a ata da reunião, dos seis conselheiros, apenas dois votaram a favor da transação, um foi contra e outros três se abstiveram. O documento dá nome apenas aos conselheiros que se abstiveram: o próprio Fabricio Mitre, além de Rodrigo Coelho Cagali e Gabriela Canfora Roggero.

Uma das narrativas que tem corrido o mercado é que a família Mitre estaria precisando de liquidez, especialmente por conta da Mitre Agro, empresa de produção grãos e pecuária, que está com uma agenda de vencimentos de dívidas importante à frente. Fabrício refuta a informação. "Uma coisa não tem nada a ver com a outra, as empresas são totalmente separadas", diz.

Um gestor aponta que a distribuição de praticamente todo o resultado do segundo trimestre da incoporadora, de R$ 50 milhões, em dividendos, já tinha sido fora da curva. “A companhia está com o balanço pressionado, mais endividada que a média do setor e prestes a entrar num novo ciclo [de investimento], não fazia sentido distribuir tudo”, pondera. A família Mitre tem 50,19% da incorporadora. “Boa parte do resultado no trimestre veio da venda de um empreendimento, mas no operacional mesmo a empresa deu prejuízo”, diz a fonte.

De acordo com Fabricio, não houve mudança no payout. "A companhia tem alavancagem baixa, distribui dividendos desde que abriu o capital e nossos acionistas gostam disso", diz.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.

Karina Souza

Karina Souza

Repórter Exame IN

Formada pela Universidade Anhembi Morumbi e pós-graduada pela Saint Paul, é repórter do Exame IN desde abril de 2022 e está na Exame desde 2020. Antes disso, passou por grandes agências de comunicação.

Continua após a publicidade
ESPECIAL: Nove anos após o desastre de Mariana, um acordo tão perto (e tão longe)

ESPECIAL: Nove anos após o desastre de Mariana, um acordo tão perto (e tão longe)

Na Méliuz, redução de capital tem cheiro de reprise de GetNinjas

Na Méliuz, redução de capital tem cheiro de reprise de GetNinjas