Logo Exame.com
Empresas

Mercado Livre tem mais um trimestre forte e lucro bate recorde em 2023

Última linha do balanço da varejista online saltou 156% no ano, chegando a US$ 1,2 bilhão; no Brasil, receita cresceu 46% no quarto trimestre

Mercado Livre: companhia fez investimentos em marketing, entrando como patrocinador do BBB, e especialmente de tecnologia (Mercado Livre/Divulgação)
Mercado Livre: companhia fez investimentos em marketing, entrando como patrocinador do BBB, e especialmente de tecnologia (Mercado Livre/Divulgação)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

22 de fevereiro de 2024 às 19:10

O quarto trimestre coroou um ano de desempenho espetacular para o Mercado Livre – um ritmo de crescimento que, verdade seja dita, vem se repetindo nos últimos anos, especialmente quando o e-commerce tomou uma injeção de ânimo dos novos hábitos pós-pandemia. Em 2023, o lucro líquido saltou 156% e chegou a US$ 1,2 bilhão, um recorde.  

Juntando as operações de varejo e de sua fintech, a Mercado Pago, a receita do Mercado Livre cresceu 37% em 2023, para US$ 14, bilhões, puxada especialmente pelo quarto trimestre, quando a companhia fez o melhor resultado de Black Friday de sua história. De outubro a dezembro a receita cresceu 42%, para US$ 4,3 bilhões. No Brasil, a receita do quarto trimestre cresceu 46%. 

“Estamos crescemos nossa margem, fomos muito bem tanto no varejo quanto na fintech”, observa o diretor de relações com investidores do Meli, Richard Cathcart. O que agrada, diz o diretor, é que o crescimento de margem vem mesmo com investimentos robustos no negócio. No ano, a linha de custo subiu quase dois terços com aposta maior na ampliação das equipes de tecnologia, que ganharam cerca de 2 mil postos a mais em 2023.  

“Não tem bala de prata, mas o que sentimos é que temos visto um efeito poderoso do acúmulo de anos de investimento em tecnologia”, argumenta Cathcart. Segundo ele, os novos aportes para 2024 devem ser divulgados até o começo de março, superando o montante US$ 509 milhões do ano passado. Os investimentos devem ser destinados à contratação de mais desenvolvedores e a expansão e melhorias na malha logística.  

O Mercado Pago, braço financeiro do grupo, tem sido uma das alavancas de crescimento do negócio. O volume total de pagamentos cresceu 48%, para US$ 183 milhões, e o volume total de transações aumentou 73%, com a base de usuários aumentando 6,1%, para 69 milhões. A receita subiu 33%, para US$ 6,3 bilhões. Um dos mercados de maior crescimento tem sido o México, com um sistema financeiro ainda incipiente e que além do Mercado Pago vem atraindo a atenção de outros bancos digitais como o Nubank e a operação digital do Bradesco.  

Ainda assim, o e-commerce segue como uma fonte muito relevante na receita do grupo argentino, especialmente pelos mercados brasileiro e mexicano. A receita cresceu 41,2% no ano, para US$ 8,2 bilhões no ano. As vendas brutas (GMV na sigla em inglês) cresceram 30%, para US$ 44,8 bilhões.  

No Brasil, principal mercado, o crescimento do quarto trimestre foi de 31% nas vendas. E para o diretor, mesmo em posição de liderança do comércio online e novos ganhos de participação de mercado, ainda há espaço onde crescer. “Ainda temos muita oportunidade de aumentar a frequência de compra dos usuários existentes, aumentar as categorias que compra”, diz ele.  

Segundo ele, ainda há espaço a se ampliar em categorias de penetração ainda baixa do e-commerce, como o segmento de moda. Um dos projetos do Meli no país tem sido trazer para o ecossistema marcas relevantes, mas também o varejo que tem pouca tradição física. O grupo tem feito, por exemplo, parceria com lojas do Brás, bairro de comércio popular.  

Junto da forte tração do varejo, o Meli tem conseguido impulsionar outras fontes importantes de receita, como a área de Ads, ainda recente. Com 50 mil novos sellers anunciantes, a companhia viu um aumento de 70% da receita dessa operação, com a penetração passando de 1,3% para 1,6% do GMV do e-commerce em 2023.  

Em um ano, as ações do Mercado Livre, negociadas na Nasdaq, acumulam alta de 60%, para US$ 1.817,98.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Com expectativa de fusão, Azul e Gol firmam parceria para voos no Brasil

Com expectativa de fusão, Azul e Gol firmam parceria para voos no Brasil

Safra vê resultados de turnaround e eleva Alpargatas de 'venda' para 'neutro'

Safra vê resultados de turnaround e eleva Alpargatas de 'venda' para 'neutro'