Logo Exame.com
Empresas

Madero reduz dívida e vai acelerar abertura de lojas só em 2025

Grupo de restaurantes criado por Junior Durski conseguiu melhorar pressão financeira e colocou pé no freio da abertura de lojas para ficar mais rentável

Madero: a um valuation interessante, nossa empresa está pronta para o IPO  Foto: Leandro Fonseca/Exame (Leandro Fonseca/Exame)
Madero: a um valuation interessante, nossa empresa está pronta para o IPO Foto: Leandro Fonseca/Exame (Leandro Fonseca/Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

1 de fevereiro de 2024 às 14:55

O Madero recalculou a rota e melhorou seus números. Ao fim de 2023, a rede de restaurantes -- que sofreu com a pressão das dívidas no pós-pandemia -- reduziu em R$ 100 milhões a dívida líquida e colocou o pé no freio em relação à expansão de lojas para melhorar a rentabilidade do negócio. O lema de 2024 é reduzir o endividamento e aí, se as condições de mercado melhorarem, o esperado IPO pode sair do papel.

Com aumento de 10% nas vendas em mesmas lojas e receita 15% maior, chegando a R$ 1,71 bilhão, a dona dos restaurantes Madero Steak House e Jerônimo cortou a menos da metade o prejuízo de 2022 para 2023. A perda na linha final do balanço passou de R$ 146,8 milhões para R$ 65,2 milhões. 

"Nossos números realmente foram muito bons, muito fortes. Estamos muito otimistas do que vai ser esse ano. A empresa está muito estruturada e com foco em aumentar a rentabilidade", diz Ariel Szwarc, CFO do grupo criado por Junior Durski.

A aposta é no fortalecimento da marca e em ganhos de eficiência para ter crescimento orgânico. A empresa terminou 2023 com 276 lojas, apenas uma a mais do que tinha ao fim do ano anterior.

"Vamos continuar 2024 sem investimentos relevantes porque a ideia é continuar reduzindo endividamento. O ritmo de abertura de lojas só volta a se intensificar no segundo semestre de 2025", diz o CFO.

Nesse contexto, o Madero descarta fusões e aquisições e diz que não tem interesse em ativos que estão na rua como as redes Subway, Starbucks e Eataly, do grupo em recuperação judicial SouthRock.

Ao fim de 2023, a companhia tinha R$ 786,5 milhões de dívida líquida, 12,5% a menos do que um ano antes. Agora ganha fôlego extra com a queda dos juros básicos. A cada ponto cortado da Selic, o custo da dívida fica de R$ 7 milhões a R$ 8 milhões menor ao ano.

A alavancagem do grupo chegou a 1,86x, em patamar bastante saudável para o negócio. Em 2020, quando a estratégia estava na expansão do número de lojas, a relação entre dívida líquida e Ebitda chegou a ser de 15x. 

"Quando se está crescendo de forma acelerada, muitas vezes se perde a mão da rentabilidade", observa Szwarc. O Ebitda cresceu 14% e chegou a R$ 426,1 milhões. A melhora de rentabilidade veio especialmente no último trimestre, quando a margem Ebitda aumentou 1,1 ponto percentual e chegou a 27,8%. 

Mesmo sem ser "a prioridade do ano", a possibilidade de IPO segue no radar. "Não temos urgência e o mercado ainda não está receptivo. O IPO não depende da gente, mas estamos prontos", diz.

O fator determinante está no valuation. Zamp, dona do Burger King e Popeyes, e IMC, dona da Pizza Hut, estão amargando perdas de 7,96% e 25,11% em 12 meses, mas Szwarc defende que as outras empresas de alimentação fora do lar não são seus pares comparáveis. "Nossos números estão muito diferentes. A situação deles é muito diferente."

No começo de 2022, quando a dívida beirou R$ 1 bilhão, o Madero desistiu oficialmente do processo de IPO que estava protocolado. Em 2021, a expectativa era ser avaliado em R$ 7 bilhões -- valor apenas R$ 1 bilhão abaixo do que projetava quando tentou abrir capital nos Estados Unidos.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Com expectativa de fusão, Azul e Gol firmam parceria para voos no Brasil

Com expectativa de fusão, Azul e Gol firmam parceria para voos no Brasil

Safra vê resultados de turnaround e eleva Alpargatas de 'venda' para 'neutro'

Safra vê resultados de turnaround e eleva Alpargatas de 'venda' para 'neutro'