Logo Exame.com
Smiles

Gol deixa 3ª tentativa de fusão com Smiles para minoritários decidirem

Avaliação implícita da empresa de fidelidade hoje está em R$ 2,8 bilhões, conforme condições atuais para incorporação

Gol e Smiles: essa é terceira proposta de fusão que investidores conhecem (Divulgação/Divulgação)
Gol e Smiles: essa é terceira proposta de fusão que investidores conhecem (Divulgação/Divulgação)
GV

18 de janeiro de 2021 às 17:28

A Gol não quer mesmo esperar. Já tinha avisado e está cumprindo. Decidiu que vai colocar na mão do mercado o sim ou o não para sua proposta de incorporação da Smiles. Essa é a terceira tentativa de fusão com sua controlada, mas a primeira em que o assunto vai mesmo — é o que tudo indica — chegar a uma assembleia.

Os termos propostos dessa versão foram levados à Smiles em 7 de dezembro. Na ocasião, a Gol divulgou que tinha intenção de publicar a convocação das assembleias até esta segunda-feira, dia 18. A ideia, então, era que a Smiles negociasse os termos finais da operação por meio de um comitê independente — mas dentro desse prazo que a Gol queria.

Só que até agora o comitê da Smiles não emitiu um parecer sobre a proposta de incorporação da Gol. Diante disso, a controladora mandou uma carta pedindo a convocação do encontro sem delongas, mas apenas os acionistas de mercado decidem sobre o negócio.

Para essa tentativa, a Gol ofereceu a cada ação ordinária da Smiles 0,825 ação preferencial de sua emissão ou 22,32 reais. Mas o pagamento precisa ser um mix de dinheiro e papéis da Gol — dentro um intervalo mínimo de 20% e máximo de 80% do total.

O valor de mercado da Gol é a principal peça da equação. A companhia está avaliada hoje em 8,5 bilhões de reais. Os investidores de mercado da Smiles têm 47,3% do capital da empresa. Após a incorporação, ficarão com uma fatia entre 3% e 9% da companhia aérea. O valor implícito atualmente da Smiles, conforme a fatia em dinheiro e a avaliação de bolsa da Gol, é de 2,8 bilhões de reais.

A Gol alega que uma demora adicional poderia fazer com que o balanço de setembro de 2020 não seja mais suficiente para o negócio, o que desencadearia um atraso de pelo menos mais três meses até uma possível conclusão da união das empresas.

Essa conduta, de primeiro propor a operação ao conselho e depois decidir por levar à assembleia sem um parecer do órgão, é inusitada. Normalmente, as companhias escolhem um ou outro caminho – sugeridos em parecer da própria Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para transações desse tipo.

Mas não chega a ser surpreendente, olhando os detalhes do caso em retrospectiva. Na segunda proposta de incorporação da Smiles, anunciada no fim de 2019, a Gol havia escolhido colocar tudo nas mãos dos acionistas de uma vez –— o negócio foi interrompido pela pandemia. Na época, porém, o conselheiro da empresa de milhagem e ex-presidente da CVM, Leonardo Pereira, votou favoravelmente à transação, mas mencionou em voto registrado separadamente que preferiria que tivesse sido alvo de negociação prévia.

Essa incorporação já deu muito pano para a manga em suas versões anteriores no mercado. A primeira e mais polêmica foi de 2018. Antes da Gol, a Latam incorporou a Multiplus, que também tinha ações negociadas na bolsa brasileira. Agora, a empresa da família Constantino é uma das únicas no mundo a ter a empresa de programas de fidelidade separada do negócio.

“Está tão difícil desse negócio sair porque o que a Gol está tentando fazer é muito simples: quer pagar no máximo 5 vezes o lucro da Smiles, que tem um contrato de doze anos com ela, quando a Latam pagou 10 vezes pelo lucro da Multiplus, que tinha um contrato só de dois anos”, disse um investidor que já se importou muito com o ativo, mas agora não quer mais dor de cabeça — nem a de formar uma opinião.

A base acionária da Smiles mudou muito desde outubro de 2018. Em parte por causa da relação com a Gol, em parte porque deixou de ser um ativo relevante nas carteiras — a companhia se desvalorizou, enquanto a bolsa teve alta, o que fez o peso do ativo se diluir nas carteiras.

Se incorporada, a empresa de programa de fidelidade levaria um caixa superior a 510 milhões de reais para dentro da Gol, mesmo após a grande compra antecipada de passagens realizada em 2020. Além disso, as expectativas são de que a partir de 2022 haja um impacto positivo da ordem de 500 milhões de reais no Ebitda anual, se as empresas estiverem combinadas.

 

 

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade