Logo Exame.com
Reino Unido

ESPECIALISTAS: "A loucura da libra", por Jim O'Neill

A história de como os mercados trataram a Inglaterra como um país emergente

Libra: uma provável opção, mas apenas para corajosos e endinheirados (Foto/Getty Images)
Libra: uma provável opção, mas apenas para corajosos e endinheirados (Foto/Getty Images)
GV

Graziella Valenti

2 de outubro de 2022 às 15:20

Depois de obter meu doutorado em 1982, passei os primeiros 20 anos de minha carreira profissional imerso no tumultuado mundo dos mercados de câmbio. Hoje, os eventos atuais estão trazendo de volta tanto memórias felizes quanto embaraçosas.

Aprendi três coisas sobre moedas durante esse tempo. Primeiro, todos podem ter seus 15 minutos de fama (o princípio de Andy Warhol), mas não deveriam esperar que dure mais do que isso. O mercado cambial — a maior banca de frutas e vegetais do mundo — tende a transformar em idiotas aqueles que pensam ter encontrado a fórmula mágica de previsão. Isso aponta para a segunda lição: se eu estive “certo” 60% das vezes, eu deveria ficar contente. Finalmente, as taxas de câmbio flutuantes sempre subirão e descerão, exceto quando estiverem descendo e subindo.

Inscreva-se no EXAME IN e saiba hoje o que será notícia amanhã. Receba no e-mail os alertas de notícias e links para os vídeos do talk show quinzenal.

Com essas lições em mente, as oscilações atuais da libra esterlina apontam para algumas outras características essenciais dos mercados de câmbio. Primeiro, a súbita fraqueza da libra ocorre em um momento em que o dólar americano ficou extremamente forte em relação a todas as moedas, devido à crença dos mercados de que o Federal Reserve dos EUA fará o que for preciso para reduzir a inflação. Algumas moedas, como o iene japonês, caíram ainda mais do que a libra até agora este ano. Quando a inflação começar a diminuir e os mercados perceberem que o Fed parou de apertar, alguns desses eventos provavelmente serão revertidos.

Em segundo lugar, os governos que adotam políticas surpreendentes e não convencionais não deveriam se surpreender ao ver as moedas de seus países enfraquecerem. A contundente decisão da primeira-ministra britânica Liz Truss de cortar impostos e embarcar em uma onda maciça de empréstimos é um  exemplo disso.

Eu costumava pensar nas combinações de políticas dos países no contexto de quatro alternativas, que eu ilustraria com um diagrama de quatro quadrantes. O quadrado superior esquerdo incluía apenas os países que tinham políticas monetárias e fiscais apertadas. A Suíça, com seu franco, foi o exemplo típico; e o marco alemão pré-União Monetária Europeia (UME) também ficaria frequentemente nesse quadrante (pouco povoado).

O canto superior direito continha países com políticas fiscais rígidas, mas políticas monetárias flexíveis. Nunca houve exemplos persistentes aqui, mas a maioria dos membros do euro pós União Econômica e Monetária (UEM) se qualificaria. Vale lembrar que o euro enfraqueceu durante seus primeiros anos, uma dinâmica que também poderia ser usada para descrever a libra sob a coalizão pré-Brexit do primeiro-ministro David Cameron.

No canto inferior direito estavam moedas de países com políticas fiscais e monetárias incluindo muitas economias de mercados emergentes. Um exemplo notório foi o real brasileiro, mas a lira italiana pré UEM também caiu nesse quadrante.

Por fim, o quadrante inferior esquerdo representou uma combinação de políticas monetárias rígidas e fiscais flexíveis. Um bom exemplo foram os EUA da era Reagan, que manteve uma mistura peculiar e instável de políticas fiscais altamente expansivas, política monetária ultra restrita sob o presidente do Fed, Paul Volcker, e um dólar muito forte.

Acontece que os últimos 12 meses da presidência de Joe Biden foram marcados por uma mistura semelhante. O dólar está agora altamente supervalorizado — pelo menos de acordo com os critérios de avaliação padrão — e se deve perguntar quando alguns detentores poderiam começar a vender (lembre-se da regra número três acima). Uma lição final dos meus dias nas trincheiras do mercado de câmbio é sempre ser muito cauteloso ao comprar a visão do consenso, especialmente quando as moedas estão significativamente desalinhadas.

Onde tudo isso deixa a libra? Primeiro, está extremamente desvalorizada em relação a um dólar sobrevalorizado. Se você acredita que o Reino Unido, os EUA e outros acabarão por reduzir a inflação em direção à taxa alvo, o cenário já está definido para uma grande reversão. O valor justo da libra em relação ao dólar é provavelmente em torno de US$ 1,40/1,45. Mas é provável que enfraqueça ainda mais até que as forças (em ambos os lados do Atlântico) que a levaram tão longe desse equilíbrio diminuam ou mudem de direção.

Fundamentalmente, os mercados financeiros agora percebem que o Reino Unido está no quadrante inferior direito — domínio do antigo real brasileiro e da lira italiana. Parte do problema é que até agora o Banco da Inglaterra tem sido relativamente tímido. Embora tenha começado a aumentar as taxas antes de  muitos de seus pares, seus aumentos foram repetidamente mais tímidos do que o esperado, incluindo — ironicamente — no dia anterior a Truss divulgar seu malfadado “mini orçamento”.

Não estou sozinho em acreditar que as taxas de juros de curto prazo no Reino Unido estiveram muito baixas por muito tempo e que o Banco da Inglaterra (BoE) agora terá que acelerar seu ritmo de aperto para 4% a 5%, mesmo que isso signifique que os mutuários devam sofrer. Se conseguir reunir a vontade de fazer isso, os mercados pelo menos podem concluir que o Reino Unido está migrando para o quadrante inferior esquerdo (economia Reagan).

A política fiscal continua, portanto, a ser a variável chave. Sou totalmente a favor de um pensamento econômico novo e disruptivo, especialmente se os formuladores de políticas tiverem ideias convincentes para abordar o problema crônico do fraco crescimento da produtividade. Eu mesmo defendi uma estrutura de aumento de produtividade mais ambiciosa (juntamente com uma política monetária mais apertada) em depoimento ao Comitê Seleto do Tesouro do Reino Unido no início deste ano.

Mas os planos do governo Truss não são nada do que eu tinha em mente. Na verdade, não tenho certeza do que fazer com a economia Truss. As alegações do governo sobre o que suas reformas do lado da oferta alcançarão carecem de credibilidade. Por exemplo, já sabemos que os cortes de impostos corporativos nos últimos 20 anos simplesmente aumentaram os balanços e os lucros das empresas, não o investimento. O que pretende ser um programa ousado para evitar a recessão e estabelecer as bases para um crescimento mais forte da produtividade parece ser uma tradicional expansão fiscal keynesiana destinada a recompensar os abastados e os membros do Partido Conservador que votaram em Truss para se tornar uma líder conservadora e, consequentemente, primeira ministra.

Não tenho nada contra Truss ou seu chanceler do tesouro, Kwasi Kwarteng. Mas, para ter alguma chance de sobreviver no cargo e aumentar o potencial de crescimento do Reino Unido, eles precisam urgentemente articular um plano confiável.

Quanto à libra, provavelmente é uma opção, mas apenas para os corajosos e endinheirados.

Jim O’Neill, ex-presidente da Goldman Sachs Asset Management e ex-ministro do Tesouro do Reino Unido, é membro da Comissão Pan-Europeia de Saúde e Desenvolvimento Sustentável.

Direitos Autorais: Project Syndicate, 2022. www.project-syndicate.org

 

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

 

 

 

 

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Continua após a publicidade
Kenneth Rogoff: O novo (velho) viés inflacionário dos Bancos Centrais

Kenneth Rogoff: O novo (velho) viés inflacionário dos Bancos Centrais

Selic e Shein: o duplo 'S' que derrubou o lucro e assombra os setores de consumo e varejo

Selic e Shein: o duplo 'S' que derrubou o lucro e assombra os setores de consumo e varejo